Sobre literatura lésbica e ocupação de espaços

Autores

DOI:

https://doi.org/10.1590/2316-4018611

Palavras-chave:

literatura lésbica, relações de poder, espaços

Resumo

Este ensaio busca delinear uma reflexão acerca da ideia de literatura lésbica, atrelada ao conceito de geografias lésbicas (Browne e Ferreira, 2015). Para tanto serão discutidas as ideias de lesbianidades plurais em perspectivas que consideram performances de gênero, interseccionalidade e decolonialidade. O espaço é fundamental para a perspectiva que essa discussão pretende tomar, pois é no espaço que as relações identitárias, sociais e de gênero acontecem, entram em conflito e expõem suas vontades de dominação e suas incompletudes. Com a ocupação dos espaços, sejam geográficos, epistêmicos, teóricos ou literários, por essas lesbianidades, é possível que novas propostas éticas e estéticas entrem em jogo. Considerando lésbica ”“ e mais tarde lésbica ”“ como um adjetivo, desejamos desvelar quais novas leituras críticas podem ser empreendidas no campo literário.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ANZALDÚA, Gloria (2017). Queer(izar) a escritora: loca, escritora y chicana. In: BRANDÃO, Izabel et al. (Org.). Traduções da cultura: perspectivas críticas feministas (1970-2000). Florianópolis: Edufal; Editora da UFSC.

APARECIDA, Luciany (2017). Contos ordinários de melancolia. Salvador: Boto-cor-de-rosa livros; ParaLeLo13S.

APARECIDA, Luciany. Auto-retrato. Salvador: Pantim, 2018.

ARNÉS, Laura (2016). Ficciones lesbianas: literatura y afectos em la cultura argentina. Buenos Aires: Madreselva.

BRAH, Avtar; PHOENIX, Ann (2004). Ain’t I a woman? Revisiting intersectionality. Journal of International Women’s Studies, v. 5, n. 3, 2004, p. 75-86. Disponível em: http://vc.bridgew.edu/jiws/vol5/iss3/8. Acesso em: 28 jan. 2020.

BRANDÃO, Izabel et al. (Org.) (2017). Apresentação. In: BRANDÃO, Izabel et al. (Org.). Traduções da cultura: perspectivas críticas feministas (1970-2000). Florianópolis: Edufal; Editora da UFSC.

BROWNE, Kath; FERREIRA, Eduarda (2015). Lesbian geographies: gender, place and power. London; New York: Routledge.

BUTLER, Judith (2017). Problemas de gênero: feminismo e subversão da identidade. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira.

BUTLER, Judith (2004). Undoing gender. New York: Routledge.

Collot, Michel (2011). Le pensée-paysage. Paris: Actes Sud.

COLLOT, Michel (2014). Pour une géographie littéraire. Paris: Éditions Corti.

FERREIRA, Nina (2018). Pérola marrom. Brasília, DF: Padê Editorial.

JAGOSE, Annemarie (2017). Queer. In: BRANDÃO, Izabel et al. (Org.). Traduções da cultura: perspectivas críticas feministas (1970-2000). Florianópolis: Edufal; Editora da UFSC.

KOSBY, Marília Floôr (2017). Mugido. Rio de Janeiro: Garupa.

MOHANTY, Chandra Talpade (2017). Sob o olhar ocidental. In: BRANDÃO, Izabel et al. (Org.). Traduções da cultura: perspectivas críticas feministas (1970-2000). Florianópolis: Edufal; Editora da UFSC.

POLESSO, Natalia Borges (2018). Geografias lésbicas: literatura e gênero. Revista Criação & Crítica, n. 20, p. 3-19.

RICH, Adrienne (2012). Heterossexualidade compulsória e existência lésbica. Bagoas ”“ Estudos gays: gêneros e sexualidades, v. 4, n. 5, p. 17-44. Disponível em: https://periodicos.ufrn.br/bagoas/article/view/2309.

SILVA, Cidinha da (2018). O homem azul do deserto. Rio de Janeiro: Malê.

TEODORO, Simone (2016). Movimento em falso. São Paulo: Patuá.

WITTIG, Monique. The straight mind and other essays. Boston: Beacon Press.

Downloads

Publicado

2020-11-22

Como Citar

Natalia Borges Polesso. (2020). Sobre literatura lésbica e ocupação de espaços. Estudos De Literatura Brasileira Contemporânea, (61), 1–14. https://doi.org/10.1590/2316-4018611