Reivindicando Quintiliano. Latim tem acento de tonicidade!

Autores

  • A.P. David

Palavras-chave:

Prosódia antiga, Acentuação latina, Acentuação grega, Quintiliano, Virgílio, Linguística indo-europeia

Resumo

Os gramáticos latinos tomaram emprestados termos dos gregos para descrever sua prosódia nativa, assim como os poetas latinos valeram-se de metros gregos. Isso aconteceu não apenas porque eles admiravam ou fetichizavam os gregos antigos: a principal razão pela qual eles emprestaram os descritores de acentuação grega é porque funcionavam para o latim. A natureza da prosódia do latim e do grego era quase idêntica: uma recessiva contonação de mudança de tom. É falso afirmar que o latim clássico tinha um acento de tonicidade, a não ser como um subproduto de contornos de altura unidos a quantidades.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ALLEN, W. SIDNEY, Vox Graeca, 3rd edn. Cambridge: Cambridge University Press,

BUTLER, HAROLD EDGEWORTH, Quintilian. With an English Translation, Cambridge:

Cambridge University Press, 1920.

DAVID, A. P., The Dance of the Muses: Choral Theory and Ancient Greek Poetics.

Oxford: Oxford University Press, 2006.

DEVINE, A. M., and STEPHENS, L. D., Language and Metre. Chico, CA: Scholars

Press, 1984.

GILDERSLEEVE, B. L. and LODGE, G., Latin Grammar. London: St. Martin’s Press,

RUSSELL, DONALD A., Quintilian: The Orator’s Education, Books 1-2. Cambridge,

MA: Harvard University Press, 2001.

Downloads

Publicado

2022-09-24

Como Citar

David, A. . (2022). Reivindicando Quintiliano. Latim tem acento de tonicidade!. Dramaturgias, (20), 730–743. Recuperado de https://periodicos.unb.br/index.php/dramaturgias/article/view/45180