Eros, Helena e a tecelagem nas peças femininas de Aristófanes

Main Article Content

Solange Maria Soares de Almeida

Resumo




O objetivo desta pesquisa é analisar sobre quais mitos foram construídos os discursos, falados e silenciados, das personagens mulheres nas comédias Lisístrata, Tesmoforiantes e Assembleia das Mulheres, interessando-se, principalmente, por aqueles ligados aos trabalhos de fiação e tecelagem. E, também, discutir os motivos que levaram o comediógrafo Aristófanes a criar enredos tão fortemente ligados ao universo feminino. A metodologia utilizada foi a análise dos textos literários fundamentada na pesquisa teórico-bibliográfica. A partir da análise e da discussão, amparadas pelos textos teóricos, constatou-se que os inúmeros mitos de rapto, seguido de estupro, somados aos que desqualificam as mulheres, exerceram e ainda exercem uma forte influência sobre o comportamento dos homens em relação ao feminino.




Downloads

Não há dados estatísticos.

Article Details

Como Citar
Maria Soares de Almeida, S. . (2020). Eros, Helena e a tecelagem nas peças femininas de Aristófanes. Dramaturgias, (13), 196-220. https://doi.org/10.26512/dramaturgias.vi13.31060
Seção
Dossiê

Referências

ANDRADE, Marta Mega de. A “cidade das mulheres”: cidadania e alteridade femi- nina na Atenas Clássica. Rio de Janeiro: LHIA, 2001.
ARISTÓFANES. As Aves. Tradução, introdução, notas e glossário de Adriane da Silva Duarte. Ed. bilíngue. São Paulo: Hucitec, 2000. (Grécia Roma; 7) ______. As Mulheres no Parlamento. Introdução, versão do grego e notas de Maria
de Fátima Sousa e Silva. 1.ed. Coimbra: INIC, 1988. (Textos clássicos; 28) ______. Rãs. Tradução do grego, introdução e notas de Maria de Fátima Silva. 1.ed. Coimbra: IUC, 2014. (Autores gregos e latinos) Link: http://dx.doi.
org/10.14195/978-989-26-0788-7
______. Duas comédias: Lisístrata e Tesmoforiantes. Tradução, apresentação e no-
tas de Adriane da Silva Duarte. São Paulo: Martins Fontes, 2005. (Biblioteca
Martins Fontes)
______. Lisístrata. Tradução de Ana Maria César Pompeu. São Paulo: Ed. Cone
Sul, 1998.
______. Lisístrata. Tradução de Ana Maria César Pompeu. Introdução de Isabella
Tardin Cardoso. São Paulo: Hedra, 2010.
______. “Acarnenses”. Tradução de Ana Maria César Pompeu. In: POMPEU, Ana
Maria César. Dioniso matuto: uma abordagem antropológica do cômico na tradu-
ção de Acarnenses de Aristófanes para o cearensês. 1.ed. Curitiba: Appris, 2014. ______. Tesmoforiantes. Tradução, apresentação e notas de Ana Maria César
Pompeu. São Paulo: Via Leitura, 2015.
ARISTOPHANES. Lysistrata. Edited with introduction and commentary by
Jeffrey Henderson. Oxford: Claredon Press, 1990.
BRANDÃO, Junito de Souza. Mitologia grega. v.1. 21.ed. Petrópolis: Vozes, [1986]
2009a.
______. Mitologia grega. v.2. 18.ed. Petrópolis: Vozes, [1987] 2009b. ______. Mitologia grega. v.3. 15.ed. Petrópolis: Vozes, [1987] 2009c.
CREPALDI, Clara Lacerda. Helena de Eurípides: estudo e tradução. Produção Acadêmica Premiada. São Paulo: FFLCH/USP, 2015.
EURÍPIDES. “Helena”. In: CREPALDI, Clara Lacerda. Helena de Eurípides: estudo e tradução. Produção Acadêmica Premiada. São Paulo: FFLCH/USP, 2015
HARVEY, Paul. Dicionário Oxford de literatura clássica grega e latina. Tradução de Mário da Gama Kury. 2.ed. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Ed., 1998.
HENDERSON, J. (ed.). “Introduction”. In: ARISTOPHANES. Lysistrata. Edited with introduction and commentary by Jeffrey Henderson. Oxford: Claredon Press, 1990.
LESSA, Fábio de Souza. O feminino em Atenas. Rio de Janeiro: Mauad, 2004. MURPHY, Charles T. “Aristophanes and the Art of Rhetoric”. Harvard Studies in Classical Philology, v.49, 1938, pp.69-113. Link: https://www.jstor.org/
stable/310700
MURRAY, Gilbert. Aristophanes: a study. Oxford: University Press, 1965. PAUSÂNIAS. Description of Greece. Link: https://www.theoi.com/Library.html PLATÃO. A República. Tradução, introdução e notas de Eleazar Magalhães
Teixeira. Fortaleza: Ed. UFC, Banco do Nordeste [distribuidor], 2009. ______. Banquete. Edição bilíngue. Tradução e introdução de Carlos Alberto
Nunes. 3.ed. Belém: ed.ufpa, 2011.
______. Fedro. Edição bilíngue. Tradução e introdução de Carlos Alberto Nunes.
3.ed. Belém: ed.ufpa, 2011.
POMPEU, Ana Maria César. Acrópole, agora! Mulher, dentro! Homem, fora! Introdução
à Lisístrata de Aristófanes. Belo Horizonte: Substânsia, 2018.
______. Aristófanes e Platão: A Justiça na Pólis. 1.ed. São Paulo: Biblioteca24horas,
2011.
______. Dioniso matuto: uma abordagem antropológica do cômico na tradução de
Acarnenses de Aristófanes para o cearensês. 1.ed. Curitiba: Appris, 2014. SANTOS, Marcos Martinho dos. “A teoria literária aristofânica”. Clássica, v. 5,
n. 6, 1992, pp.83-95.
SILVA, Maria de Fátima Sousa e. “Crítica à Retórica na Comédia de Aristófanes”.
Hvmanitas. Revista do Instituto de Estudos Clássicos da Faculdade de Letras da Universidade de Coimbra, 1987-1988. Volumes XXXIX-XL. pp. 43-104. SCHEID, John; SVENBRO, Jesper. O ofício de Zeus: mito da tecelagem e do tecido
no mundo grego-romano. Tradução de Mario Fleig, Jasson Martins da Silva.
Porto Alegre: CMC, 2010.
VIDAL-NAQUET, Pierre. “Escravidão e ginecocracia na tradição, no mito, na
utopia”. In: VERNANT, Jean-Pierre; VIDAL-NAQUET, Pierre. Trabalho e escravidão na Grécia Antiga. Tradução de Marina Appenzeller. Campinas: Papirus, 1989, pp.125-148.