A dimensão simbólica dos conflitos

moradores de favela e polícia

Autores

  • Marcus Cardoso

Palavras-chave:

Demandas por reconhecimento, concepções de direitos, favelas, violência policial

Resumo

Ainda que determinadas insatisfações provenientes do tratamento dispensado por agentes do Estado expressem demandas por respeito aos direitos de cidadania, configurando-se desta forma numa demanda por consideração dos aspectos normativos do Direito, elas só podem ser devidamente compreendidas se atentarmos para sua dimensão simbólica. Foi disto que me dei conta acompanhando a relação entre os policiais militares e os moradores de duas favelas no Rio de Janeiro. As narrativas destes moradores, ao mesmo tempo em que apresentam diversas queixas em relação aos policiais, revelam concepções de direitos e justiça baseados em categorias locais. Através destas categorias, os moradores falam de suas expectativas sobre o desejo de mudança das relações com a polícia e demandas por respeito e reconhecimento dos seus direitos.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Métricas

Carregando Métricas ...

Referências

ADORNO, S. 1998. “Conflitualidade e violência: reflexões sobre a anomia na contemporaneidade”. Tempo Social ”“ Revista de Sociologia da USP, 10(1):19-47.
CALDEIRA, T. 2000. City of Wall: Crime, segregation, and citizenship in São Paulo. BerkeleyLondon: University of California Press.
CANO, Ignácio. 2001. “Nós e eles: direitos humanos, a polícia e a visão dicotômica da sociedade”. In: Regina Novaes (org.). Direitos Humanos: temas e perspectivas. Rio de Janeiro: MUAD. pp.117-122.
CARDOSO, Marcus. 2010. Como morre um projeto de policiamento comunitário. O caso do Cantagalo e do Pavão-Pavãozinho. Tese de Doutorado, PPGAS, Universidade de Brasília.
_____. 2005. “Eu finjo que não te vi, você finge que não me vê”: uma etnografia sobre a relação entre polícia comunitária, tráfico e população favelada. Dissertação de Mestrado, PPGAS, Universidade de Brasília.
______. 2003.“A localização na favela: percepções e práticas do espaço entre católicos do Pavão-Pavãozinho”. Comunicações do ISER, 22 (58):50-61.
CARDOSO DE OLIVEIRA, L.R. 2002. Direito legal e insulto moral: dilemas de cidadania no Brasil, Quebec e EUA. Rio de Janeiro: Relume Dumará.
______.2011a. “A dimensão simbólica dos direitos e a análise dos conflitos”. Revista de Antropologia, 53:451-473.
______. 2011b. “Concepções de igualdade e cidadania”. Contemporânea Revista de Sociologia da UFSCar, 1:35-48.
______. 2010. “Concepções de igualdade e (des)igualdades no Brasil (uma proposta de pesquisa)”. In: R. Kant de Lima; L. Eilbaum & L. Pires (orgs.).Conflitos, direitos e moralidades em perspectiva comparada. Vol. 1. Rio de Janeiro: Garamond. pp.19-36.
_______. 2013. “Equality, Dignity and Fairness: Brazilian Citizenship in Comparative Perspective”. Critique of Anthropology, 33(2):131-145.
DAS, Veena. 2004. “The Signature of the State: the Paradox of lIlegibility”. In: V. Das & D. Poole (orgs.). Anthropology in the Margins of the State. Santa Fe, NM: School of American Research Press. pp. 225-252.
DAMATTA, Roberto. 2000. “Cidadania ”“ A questão da cidadania num universo relacional”. In: R. Da Matta. A casa e a rua: espaço, cidadania, mulher e morte no Brasil. Rio de Janeiro: Rocco. pp. 65-95.
DURHAM, E. 1997. “A pesquisa antropológica com populações urbanas: problemas e perspectivas”. In: R. Cardoso (org.). A aventura antropológica. São Paulo: Paz e Terra. pp. 17-38.
GEERTZ, Clifford. 2002. O saber local: novos ensaios em antropologia interpretativa. Petrópolis: Editora Vozes.
HOLSTON, J. 1999. “Spaces of insurgent citizenship”. In: J. Holston (org.). Cities and citizenship. Durham-London: Duke University Press. pp.155-177.
______. 2008. Insurgent citizenship: disjunctions of democracy and modernity in Brazil. Princeton: Princeton University Press.
______. 2007. “Citizenship in Disjunctive democracies”. In: J. Tulchin & M. Ruthemburg (orgs.).Citizenship in Latin American. London: Lynne Reinner Publishers. pp.75-95
HOLSTON, J. & CALDEIRA, T. 1998. “Democracy, law, and violence: disjunctive of brazilian citizenship”. In: F. Aguero & J. Stark (orgs.). Fault lines of democracy in post-transition Latin America. Miami: North-South Center.
HUMAN RIGHTS WATCH. 2009. Força Letal: Violência policial e segurança pública no Rio de Janeiro e São Paulo. USA: HRW.
KANT DE LIMA, Roberto. 1995. A polícia da cidade do Rio de Janeiro: seus dilemas e paradoxos. Rio de Janeiro: Editora Forense.
______. 2001.“Espaço público, sistemas de controle social e práticas policiais: o caso brasileiro em uma perspectiva comparada”. In: Regina Novaes (org.). Direitos Humanos: temas e perspectivas. Rio de Janeiro: MUAD. pp. 94-111.
MACHADO, Eduardo & NORONHA, Ceci. 2002. “A polícia dos pobres: violência policial em classes populares urbanas”. Sociologias, 4 (7):188-22.
MACHADO, Lia Z. 2003. “Entre o inferno e o paraíso. Saúde, direitos e conflitualidades”. Série Antropologia 342, Brasília, UnB.
MACHADO DA SILVA, L.A. & LEITE, Marcia. 2008. “Violência, crime e polícia: o que os favelados dizem quando falam desses temas?”. In: L.A. Machado da Silva (org.). Vida sob cerco: violência e rotina nas favelas do Rio de Janeiro. Rio de Janeiro: Nova Fronteira. pp. 47-76.
MOTA, F. R.& FREIRE, L. L. 2011. “O direito de ter ou não ter direitos: a dimensão moral do reconhecimento na promoção de cidadania”. Contemporânea Revista de Sociologia da UFSCar, 1:127-145.
RIBEIRO, M. 2003. “O morro: Territórios em construção”. Comunicações do ISER, 22 (58):45-50.
SHAPIRO ANJARIA, J. 2011. “Ordinary States: Everyday Corruption and the Politics of Space in Mumbai”. American Ethnologist, 38(1):58-72.
SETH, M. 1985. Pavão-Pavãozinho/Cantagalo, o Povo Sobe no Governo Brizola. Rio de Janeiro: Secretaria de Estado do Trabalho e da Habitação.
SOARES, Luiz Eduardo. 1996. “Segurança Pública: Presente e Futuro”. Estudos Avançados, 20:91-106.
ZALUAR, Alba. 1985. A máquina e a revolta. São Paulo: Brasiliense.
______. 1994. Condomínio do diabo. Rio de Janeiro: Revan/UFRJ.
______. 2010. “Youth, drug traffic and hyper-masculinity in Rio de Janeiro”. Vibrant, 7:7-27.

Downloads

Publicado

2018-02-19

Como Citar

Cardoso, M. (2018). A dimensão simbólica dos conflitos: moradores de favela e polícia. Anuário Antropológico, 38(1), 167–190. Recuperado de https://periodicos.unb.br/index.php/anuarioantropologico/article/view/6879