A representação do nervoso na cultura literária e sociológica do século XIX e começo do século XX

Autores

  • Luiz Fernando D. Duarte

Palavras-chave:

Antropologia

Resumo

As categorías e modelos sobre os mal-estares, as perturbações ffsicomorais ou as doenças são sempre uma via régia para o acesso à representação de Pessoa e de Mundo vigentes em qualquer cultura dada. Sistematizam e dão sentido a todas as possibilidades dramáticas extremas da vida social e contêm, nesse sentido, num resumo precioso, os fios centrais da visão de mundo que a sustenta. Tenho retomado em alguns trabalhos à importância e interesse do conhecimento do núcleo semântico do nervoso para o acesso, justamente, às representações de Pessoa e de Mundo que sustentam as sociedades ligadas à chamada cultura ocidental moderna. Embora minha pesquisa tenha-se centrado sobre o seu sentido entre as classes trabalhadoras urbanas brasileiras, foi necessário que procedesse ao redor de uma vasta inquirição sobre a genealogia daquela categoria e das numerosas configurações culturais em que desempenhou um papel importante desde o século XVIII (Duarte, 1982; 1985; 1986aebe 1988).

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

BRILLAT-SAVARIN. 1876. Phlslologie du Goút. Paris: Gamier Frères.
CANGUILHEM, G. 1978.0 Normal e o Patológico. Rio de Janeiro: Forense.
DELEUZE G. 1974. Lógica do Sentido. São Paulo: Perspectiva.
DUARTE, L. F. D. 1982.' “Doença dos Nervos - Um Estudo de Representações e Visão de Mundo de Um Grupo de Trabalhadores". In Trabalho e Outturn no Brasil (Rodrigues et allii, orgs). Brasília: ANPOCS/CNPq, Série Ciências Sociais Hoje. N9 1:368-376.
-------------------1983. Três Ensaios sobre Pessoa e Modernidade. Boletim do Museu Nacional, N. S. Antropologia N® 41.
------------------- 1985. “Considerações Teóricas sobre a Questão do Atendimento Psicológico ás Classes Trabalhadoras” . In Cultura e Psicanálise (S.Figueira, org.) São Paulo: Brasiliense: 178-201. '
------------------- 1986a. Da Vida Nervosa (Entre as Classes Trabalhadoras Urbanas). Rio de Janeiro: CNPq/Zahar.
------------------- 1986b. “What it Means to be Nervous (Competing Concepts of the Person in Brazilian Urban Culture)” . Comunicação apresentada ao XIII Congresso da LASA, Boston.
------------------- 1988. A Psychopathia Sexualis de Krafft-Ebing, ou o Progresso Moral pela Cióncia das Perversões. Boletim do Museu Nacional, N. S. Antropologia N9 58.
DUMONT, L. 1970. "The Individual as an Impediment to Sociological Comparison and Indian History” . In Religion, Politics and History in India. Paris: Mouton: 133-150.
------------------- 1978. La Communauté Anthnopobgique ót l'ldéologie. L'Homme, 18 (3-4): 83-110.
DURKHEIM, E. 1970 (1898). “Representações Individuais e Representações Coletivas” . In Sociologia e Filosofia. Rio de Janeiro: Forense 13-42.
FOUCAULT, M. 1978. História da Loucura. São Paulo: Perspectiva.
MAUSS, M. e H. HUBERT. 1973 [1902], "Esquisse d’une Théorie de laMagie”. InSoctotogiaetAnthropologie. Paris: PUF: 3-141.
POE, E. A. 1947. Nouvelles Histoires Extraordinalres. Paris: Gamier.
-------------------1973 [1856], Histoires Extraordinalres. Paris: Gallimard.
PROUST, M. 1957. No Caminho de Swann. Porto Alegre: Globo.
SIMMEL, G. 1973 [1902J. "A Metrópole e a Vida Mental", In O Fenómeno Urbano (G Velho, org.): 11 -25. Rio de Janeiro: Zahar.
TUKE, H. 1892. A Dictionary of Psychological Medicine. Londres.
ZOLA, E. 1979 [1867], Thórèse Raquin. Paris: Gallimard.

Downloads

Publicado

2018-01-26

Como Citar

Duarte, Luiz Fernando D. 2018. “A representação Do Nervoso Na Cultura literária E sociológica Do século XIX E começo Do século XX”. Anuário Antropológico 12 (1):93-116. https://periodicos.unb.br/index.php/anuarioantropologico/article/view/6391.

Artigos Semelhantes

1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 21 22 23 24 25 26 27 28 29 30 31 32 33 > >> 

Você também pode iniciar uma pesquisa avançada por similaridade para este artigo.