Etnopolítica e Estado

centralização e descentralização no movimento indígena brasileiro

Autores

  • Andrey Cordeiro Ferreira

DOI:

https://doi.org/10.26512/anuarioantropologico.v42i1.2017/6213

Palavras-chave:

etnopolítica, movimento e organizações indígenas, etnicidade, movimentos sociais, sistemas políticos

Resumo

O objetivo deste trabalho é, a partir da apresentação de algumas reflexões sobre o movimento indígena no Brasil, especialmente de uma de suas principais organizações, a Articulação dos Povos Indígenas do Brasil (Apib), desenvolver elementos para uma teoria do que podemos chamar de etnopolítica. Propomos que, no processo histórico de formação do movimento indígena, existe uma luta entre duas tendências contraditórias (uma dialética que rege a etnopolítica), que se manifesta na experiência das organizações indígenas: a de centralização organizacional com centralização do poder e a de centralização organizacional com descentralização de poder. No caso concreto, iremos estudar como a tentativa de estruturação da Apib no Mato Grosso do Sul se desdobrou num conflito que deu origem a duas organizações, o Conselho do Povo Terena (organização informal) e a Articulação dos Povos Indígenas do Pantanal (Arpipan), organização formal que deveria ser a seção regional da Apib. Essas duas organizações expressam, justamente, essa luta entre formas de centralização e descentralização do poder, bem como as ambiguidades do processo de organização indígena. Esse conflito, interno ao movimento indígena, é na realidade a expressão do conflito entre o que podemos chamar de sistema político centralizador hierárquico estatal (ou estrutura) e um sistema político descentralizador insurgente igualitário (ou antiestrutura).

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ADAMS, Richard Newbold & BASTOS, Santiago. 2003. Las relaciones étnicas en Guatemala, 1944-2000. Centro de Investigaciones Regionales de Mesoamérica Guatemala.
BALANDIER, Georges. 1969. Antropologia política. Barcelona: Península.
______. 1993. “A noção de situação colonial”. Cadernos de Campo, v. 3. BARTH, Fredrik. 1965. Political leadership among Swat Pathans. London: Athlone Press.
______. 1976. Los grupos étnicos y sus fronteras. México: Fondo de Cultura Econômica.
______. 2000. O guru e o iniciador e outras variações antropológicas. Rio de Janeiro: Contra Capa Livraria.
BICALHO, Poliene S. d. S. 2010. Protagonismo indígena no Brasil: movimento, cidadania e direitos 1970-2009. Tese de doutorado, UnB.
BONFIL BATALLA, Guillermo. 1978. “Las nuevas organizaciones indígenas (hipótesis para la formulación de un modelo analítico)”. Journal de la Société des Américanistes: 209-219.
CASTORIADIS, C. 1985. A experiência do movimento operário. São Paulo: Brasiliense.
CLASTRES, P. 2003. A sociedade contra o Estado: pesquisas de antropologia política. São Paulo: Cosac & Naify.
EVANS-PRITCHARD, E. E. 1978. Os Nuer: uma descrição do modo de subsistência e das instituições políticas de um povo nilota. São Paulo: Perspectiva.
FERREIRA, A. C. 2002. Mudança cultural e afirmação identitária: a antropologia, os Terena e o debate sobre aculturação. Dissertação de Mestrado, UFRJ.
______. 2008. Desigualdade e diversidade no Brasil dos 500 anos: etnografia da conferência e marcha indígena. Antropologia e direitos humanos V. Brasília; Rio de Janeiro: ABA, Bookl.
______. 2011. “Etnicidade, territorialização e agronegócio: as frentes de expansão agrícola e as dinâmicas econômicas Terena e Paresi”. 35º Encontro Anual da Anpocs. Minas Gerais, ANPOCS.
______. 2013a. “Economia e organização do território: reciprocidade, redistribuição e troca nas fronteiras do capitalismo flexível”. In: Henri Acselrad (org.). Cartografia social, terra e território. Rio de Janeiro: Armazém das Letras. pp. 177-200.
______. 2013b. Tutela e resistência indígena: etnografia e história das relações de poder entre os Terena e o Estado brasileiro. São Paulo: EDUSP.
______. 2014a. Acumulação flexível e dialéticas do trabalho: reestruturação produtiva e povos indígenas na cadeia mercantil da agroindústria. Rio de Janeiro: UFRJ.
______. 2014b. Teoria do poder, da reciprocidade e a abordagem coletivista: Proudhon e os fundamentos da ciência social no anarquismo. Rio de Janeiro: UFRRJ.
______. 2015. Trabalho, etnicidade e economia-mundo: o papel da ambientalização da política econômica na expropriação moral da condição de trabalhador indígena. Rio de Janeiro: UFRRJ.
FIGUEIREDO, André V. 2011. O caminho quilombola: sociologia jurídica do reconhecimento étnico. Curitiba: Appris.
FOUCAULT, Michel. 1979. Microfísica do poder. Rio de Janeiro: Graal.
GLUCKMAN, Max. 1968. “Inter-hierarchical roles: professional and party ethics in tribal areas in South and Central Africa”. In: Marc J. Swartz. Local-level politics: social and cultural perspectives. Chicago: Aldine.
______. 1987. “Análise de uma situação social na Zululândia moderna”. In: B. FeldmanBianco & G. L. Ribeiro. Antropologia das sociedades contemporâneas. São Paulo: Global. pp. 227-344.
GURVITCH, G. 1982. As classes sociais. São Paulo: Global.
______. 1987. Dialética e sociologia. São Paulo: Vértice.
LEACH, E., R. 1995. Sistemas políticos da Alta Birmânia. São Paulo: EDUSP.
LIMA, A. C. d. S. 1995. Um grande cerco de paz: poder tutelar, indianidade e formação do Estado no Brasil. Petrópolis: Vozes.
NICHOLAS, Ralph W. 1966. “Segmentary factional political systems”. In: Marc J. Swartz, Victor W. Turner & Arthur Tuden. Political anthropology. Chicago: Aldine. pp. 49-59.
OLIVEIRA, Kelly. 2013. Diga ao povo que avance! Movimento indígena no Nordeste. [s.l: s.n.].
OLIVEIRA FILHO, João Pacheco de. 1988. O nosso governo: os Ticuna e o regime tutelar. São Paulo: Marco Zero; MCT-CNPq.
______. 1999. A viagem da volta: etnicidade, política e reelaboração cultural no Nordeste indígena. [s.l.]: Contra Capa Livraria. v. 2.
______. 2006. Hacia una antropología del indigenismo: estudios críticos sobre los processo de dominación y las perspectivas políticas actuales los indígenas en Brasil. Rio de Janeiro: Contra Capa.
SCOTT, James. Los dominados y el arte de la resistencia: discursos ocultos. México: ERA, 2000.
SIDER, Gerald. 1993. Lumbee Indian histories: race, ethnicity and Indian identity in the Southern United States. Cambridge: Cambridge University Press.
POULANTZAS, Nicos. 1977. Poder político e classes sociais. São Paulo: Martins Fontes.
PROUDHON, Pierre-Joseph. 1986. Críticas às constituições: Proudhon os grandes cientistas sociais. São Paulo: Ática.
______. 2001. Do princípio federativo. São Paulo: Imaginário.
RADCLIFFE-BROWN, A. 1981. “Prefácio e introdução”. In: Meyer Fortes & E. E. Evans-Pritchard. Sistemas políticos africanos. Lisboa: Calouste Gulbenkian.
SWARTZ, M. J. 1968. Local level politics ”“ social and cultural perspectives. Chicago: Aldine.
SWARTZ, Marc J.; TURNER, Victor W. & TUDEN, Arthur. 1966. Political anthropology. Chicago: Aldine.
TURNER, Victor. 1974. O processo ritual. Petrópolis: Vozes.
______. 2008. Dramas, campos e metáforas: ação simbólica na sociedade humana. Niterói, EdUFF.
WEFFORT, F. C. 2001. Os clássicos da política. São Paulo: Ática.

Downloads

Publicado

2018-01-18

Como Citar

Ferreira, Andrey Cordeiro. 2018. “Etnopolítica E Estado: Centralização E descentralização No Movimento indígena Brasileiro”. Anuário Antropológico 42 (1):195-226. https://doi.org/10.26512/anuarioantropologico.v42i1.2017/6213.

Artigos Semelhantes

1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 21 22 23 24 25 26 > >> 

Você também pode iniciar uma pesquisa avançada por similaridade para este artigo.