Os Malês nas margens do Atlântico Negro

desafios da interiorização e da internacionalização da Unilab no Recôncavo Baiano

Autores

  • Daniel De Lucca
  • Rafael Palermo Buti

DOI:

https://doi.org/10.4000/aa.7676

Palavras-chave:

Unilab, Recôncavo Baiano, Quilombolas, Estudantes africanos, Petróleo

Resumo

O artigo situa o campus dos Malês no “Atlântico negro”, problematizando dimensões do processo de interiorização e internacionalização da Unilab no Recôncavo Baiano por meio de fragmentos da experiência quilombola e africana no território, e considerando a presença do petróleo nas práticas universitárias. A proposta é discutir como as ideias de alteridade e racismo podem intersectar questões econômicas, políticas e ambientais atreladas à cadeia de exploração do “ouro negro”. Após definir problemas e contextualizar o campus dos Malês no Recôncavo, o artigo examina conexões quilombolas com a universidade para então discutir as conflitualidades vividas pelos estudantes africanos na cidade de São Francisco do Conde. Metodologicamente, o trabalho está amparado na análise e descrição de experiências educativas e nas pesquisas desenvolvidas pelos próprios estudantes. O texto levanta processos que confluem e se cruzam no campus dos Malês, ele mesmo um microcosmo no qual se entrelaçam diversos fios e pontos da diáspora afro-atlântica, projetada a partir de diferentes lugares e histórias de engajamento, luta e encontro.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Métricas

Carregando Métricas ...

Downloads

Publicado

2021-01-06

Como Citar

De Lucca, D., & Buti, R. P. (2021). Os Malês nas margens do Atlântico Negro: desafios da interiorização e da internacionalização da Unilab no Recôncavo Baiano. Anuário Antropológico, 46(1), 119–144. https://doi.org/10.4000/aa.7676