A literatura como horizonte de humanização em Flor e Rosa: uma história de amor entre iguais

Autores

Palavras-chave:

Gênero;, Literatura Queer;, Reconhecimento Lésbico.

Resumo

Este artigo apresenta os resultados de uma pesquisa bibliográfica que teve o objetivo de analisar a humanização em “Flor e Rosa: uma história de amor entre iguais”, de Benilda Regina Paiva de Brito. A escolha por analisar este livro vai ao encontro temporal da narrativa e a escassez na literatura do tema por ele abordado, pois as relações homoafetivas envolvendo mulheres lésbicas e LGBTQIA+ só ganharam visibilidade na literatura infantojuvenil brasileira no final dos anos 1990. Desse modo, concluímos que o corpus analisado aufere novas possibilidades de entendimento para o campo das sexualidades homoafetivas, especialmente quando debate os novos arranjos afetuosos, visibilizados através do amor lésbico.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Márcio Antônio Gatti, Universidade Federal de São Carlos (UFSCar)

Graduado em Letras, Mestre e Doutor em Linguística. É professor no Departamento de Ciências Humanas e Educação (DCHE) da Universidade Federal de São Carlos (UFSCar) – Campus Sorocaba.

Referências

BEAUVOIR, Simone de. O segundo sexo. Tradução de Sérgio Milliet. 2. ed. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 2009.

BRASIL. Brasil sem homofobia: programa de combate à violência e à discriminação contra GLTB e promoção da cidadania homossexual. Brasília: Ministério da Saúde, 2004. Disponível em:< http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/brasil_sem_homofobia.pdf>. Acesso em: 1 jan. 2021.

______. Ministério da Justiça. Secretaria Nacional de Segurança Pública. Caderno Temático de Referência: atendimento e investigação de crimes com motivação homofóbica. Relatório Analítico 4. Brasília, DF, 2016.

BRITO, Benilda Regina Paiva de. Flor e Rosa: uma história de amor entre iguais. Belo Horizonte: Mazza Edições, 2011.

BUTLER, Judith. Problemas de gênero: feminismo e subversão da identidade. Tradução de Renato Aguiar. 18. ed. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2019. (Coleção Sujeito e História).

CARDOSO, Jéssica Matos; SOARES, Alex Sales; LIMA, Carlos Henrique Lucas. A Subversão de Gênero e o Gênero da Subversão. Cadernos de gênero e diversidade, v. 3, n. 4, p. 133-144, out/dez. 2017. Disponível em: < https://periodicos.ufba.br/index.php/cadgendiv/article/view/22356>. Acesso em: 1 jan. 2021.

COLOMER, Teresa. Introdução à literatura infantil e juvenil atual. Tradução de Laura Sandroni. São Paulo: Global, 2017.

COSSON, Rildo. Letramento literário: teoria e prática. São Paulo: Contexto, 2007.

DIAS, Diego Madi. Brincar de gênero, uma conversa com Berenice Bento. Cadernos Pagu, n. 43, p. 475-497, jul/dez. 2014. Disponível em: <https://www.scielo.br/pdf/cpa/n43/0104-8333-cpa-43-0475.pdf>. Acesso em: 3 jan. 2021.

DURÃO, Fabio Akcelrud. Metodologia da pesquisa em literatura. São Paulo: Parábola, 2020.

EBERSOL, Isadora; BUSSOLETTI, Denise Marcos. O conto da Aia: o corpo feminino e a existência lésbica como agente de resistência. Revista Periódicus, v. 2, n. 13, p. 132-150, maio/out. 2020. Disponível em: < https://periodicos.ufba.br/index.php/revistaperiodicus/article/view/30535 >. Acesso em: 1 jan. 2021.

FACCO, Lúcia. Era uma vez um casal diferente: a temática homossexual na educação literária infanto-juvenil. São Paulo: Summus, 2009.

FERREIRA, Aurélio Buarque de Holanda. Novo Aurélio Século XXI: o dicionário da língua portuguesa. 3. ed. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1999.

FOUCAULT, Michel. História da sexualidade 1: a vontade de saber. Tradução de Maria Thereza da Costa Albuquerque. 8. ed. Rio de Janeiro/São Paulo: Paz e Terra, 2019. (Coleção Biblioteca de Filosofia).

FOUCAULT, Michel. Vigiar e punir: nascimento da prisão. Tradução de Raquel Ramalhete. Petrópolis: Vozes, 1987.

GOMES JUNIOR, João. Reminiscências da infância viada: reflexões sobre o controle escolar da (homos)sexualidade. Revista Brasileira de Estudos da Homocultura, v. 3, n. 9, p. 213-231, 2020. Disponível em: < https://periodicoscientificos.ufmt.br/ojs/index.php/rebeh/article/view/10276>. Acesso em: 1 out. 2020.

KUMPERA, Julia Aleksandra Martucci. Lesbianidade e branquitude. Revista Brasileira de Estudos da Homocultura, v. 2, n. 4, p. 136-145, out/dez. 2019. Disponível em: <https://periodicoscientificos.ufmt.br/ojs/index.php/rebeh/article/view/10172>. Acesso em: 1 jan. 2021.

LOURO, Guacira Lopes (Org.). O corpo educado: pedagogias da sexualidade. Tradução de Tomaz Tadeu da Silva. 4. ed. Belo Horizonte: Autêntica Editora, 2018.

LOURO, Guacira Lopes. Um corpo estranho: ensaios sobre sexualidade e teoria queer. 3. ed. Belo Horizonte: Autêntica Editora, 2018.

MACHADO, Thayse da Costa; DEBUS, Eliane Santana Dias. Para pensar os identificadores da literatura afro-brasileira nos livros infantis: A menina que tinha um céu na boca, de Júlio Emílio Braz. Revista Intersaberes, v. 13, n. 30, p. 580-592, set/dez. 2018. Disponível em: < https://www.revistasuninter.com/intersaberes/index.php/revista/article/view/1444>. Acesso em: 1 jan. 2021.

MAINGUENEAU, Dominique. Discurso literário. Tradução de Adail Sobral. 2. ed. São Paulo: Contexto, 2018.

MARTÍNEZ, María Teresa Garzón. Oxímoron. Blanquitud y feminismo descolonial en Abya Yala. Revista Descentrada, v. 2, n. 2, p. 1-12, 2018. Disponível em: <http://www.memoria.fahce.unlp.edu.ar/library?a=d&c=arti&d=Jpr8906>. Acesso em: 1 jan. 2021.

MARTINS, José Geovânio Buenos Aires et al. Sexualidades e bullying homofóbico na escola. Revista Intersaberes, v. 14, n. 32, p. 445-472, maio/ago. 2019. Disponível em: < https://www.uninter.com/intersaberes/index.php/revista/article/view/1594>. Acesso em: 1 jan. 2021.

MASIERO, Clara Moura. Mobilização do direito e enfrentamento ao preconceito: os movimentos feminista, negro e LGBTQ e a Constituição de 1988. Revista de Direito Brasileira, v. 21, n. 8, p. 84-107, set/dez. 2018. Disponível em: < https://indexlaw.org/index.php/rdb/article/view/4117>. Acesso em: 1 jan. 2021.

MICHELS, Eduardo; MOTT, Luiz. Mortes violentas de LGBT+ no Brasil - 2018. Grupo Gay da Bahia, 2018. Disponível em:< https://homofobiamata.files.wordpress.com/2019/01/relatorio-2018-1.pdf>. Acesso em: 1 jan. 2021.

MOLINIER, Pascale; WELZER-LANG, Daniel. Feminilidade, masculinidade, virilidade. In: HIRATA, Helena. (Org.). Dicionário crítico do feminismo. São Paulo: Editora Unesp, 2009. p. 101-102.

MOREIRA, Wanessa de Góis; CALIXTO, Thayanne Guilherme; RODRIGUES, Hermano de França. Tornar-se pai: da tradição aos modelos homoparentais. In: IV CONGRESSO NACIONAL DE EDUCAÇÃO, 2017, João Pessoa. Anais... João Pessoa: CONEDU, 2017. p. 1-8.

OBSERVATÓRIO de mortes violentas de LGBTI+ no Brasil. Florianópolis: Editora Acontece Arte e Política LGBTI+, 2021. Disponível em: < https://observatoriomortesviolentaslgbtibrasil.org/parcial-setembro-2021>. Acesso em: 22 dez. 2021.

OLIVEIRA, Amanda Maria Garcia Holgado de. O lugar do corpo feminino em narrativas e canções contemporâneas brasileiras. Revista Água Viva, v. 5, n. 3, p. 1-11, set/dez. 2020. Disponível em: < https://periodicos.unb.br/index.php/aguaviva/article/view/25755>. Acesso em: 1 jan. 2021.

OLIVEIRA, Barbara de Paula; CARNEIRO, Rosamaria Giatti. O reconhecimento de si de pessoas trans: infância, sexualidade e alteridade. Revista Periódicus, v. 2, n. 11, p. 182-194, maio/out. 2019. Disponível em: <https://cienciasmedicasbiologicas.ufba.br/index.php/revistaperiodicus/article/view/27340>. Acesso em: 1 jan. 2021.

OLIVEIRA, João Manuel de. Desobediências de gênero. Salvador, BA: Editora Devires, 2017.

PARENTE, Jeanderson Soares; MOREIRA, Felice Teles Lira dos Santos; ALBUQUERQUE, Grayce Alencar. Violência física contra lésbicas, gays, bissexuais, travestis e transexuais no interior do nordeste brasileiro. Revista de Salud Pública, v. 20, n. 4, p. 445-452, jan. 2018. Disponível em: < http://mr.crossref.org/iPage?doi=10.15446%2Frsap.v20n4.62942 >. Acesso em: 1 jan. 2021.

PEREIRA, Adriana Soares et al. Metodologia da pesquisa científica. Santa Maria, RS: UFSM, NTE, 2018.

RIBEIRO, Djamila. Lugar de fala. São Paulo: Pólen, 2019. (Feminismos Plurais).

SANTANA, Wilder Kleber Fernandes de; MELO, Weslei Chaleghi de. Notas crítico-sociológicas sobre a literatura como horizonte de humanização. Revista Água Viva, v. 5, n. 3, p. 1-15, set/dez. 2020. Disponível em: < https://periodicos.unb.br/index.php/aguaviva/article/view/31020>. Acesso em: 1 jan. 2021.

SILVA, Priscila Elisabete da. O conceito de branquitude: reflexões para o campo de estudo. In: MÜLLER, Tânia; CARDOSO, Lourenço. (Orgs.). Branquitude: estudos sobre a identidade branca no Brasil. Curitiba: Appris, 2017. p. 22-33.

SILVEIRA, Rosa Maria Hessel; KAERCHER, Gládis E. da Silva. Dois Papais, Duas Mamães: novas famílias na literatura infantil. Educação & Realidade, v. 38, n. 4, p. 1191-1206, out/dez. 2013. Disponível em: < https://www.scielo.br/pdf/edreal/v38n4/10.pdf>. Acesso em: 1 jan. 2021.

SOUSA, Benedito Teixeira de. Entre o pavor e o prazer: infância homoafetiva na literatura brasileira. Curitiba: Appris, 2016.

SOUZA, Daniela. Performances trans incomodam? Quando a vida em público é passível de violência. Revista Periódicus, v. 1, n. 11, p. 176-191, maio/out. 2019. Disponível em: < https://periodicos.ufba.br/index.php/revistaperiodicus/article/view/29304>. Acesso em: 1 jan. 2021.

SOUZA, Shirley. Amor entre meninas. São Paulo: Panda Books, 2006.

Downloads

Publicado

2023-01-30

Como Citar

MARTINS, José Geovânio Buenos Aires; GATTI, Márcio Antônio. A literatura como horizonte de humanização em Flor e Rosa: uma história de amor entre iguais. Revista Água Viva, [S. l.], v. 7, n. 1, 2023. Disponível em: https://periodicos.unb.br/index.php/aguaviva/article/view/42504. Acesso em: 17 abr. 2024.