TRADUZIR O FEMINISMO: UM SUBSÍDIO DECOLONIZADOR

Autores

  • Cibele de Guadalupe Sousa Araujo Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Goiás
  • Dennys Silva-Reis Universidade Federal do Acre (UFAC)

DOI:

https://doi.org/10.26512/aguaviva.v6i3.38053

Palavras-chave:

Diáspora negra, Feminismos Negros, Estudos da Tradução, Teoria Decolonial, Pensadoras Negras Brasileiras

Resumo

O presente artigo considera a tradução como subsídio fundamental para a leitura, o letramento e a ressignificação no e do processo de decolonização do pensamento feminista. O artigo contextualiza o papel da tradução na Era da Informação, relembrando a história do movimento feminista universalista, diferenciando-o do feminismo geograficamente e eticamente localizado, que é capaz de contemplar as diferentes opressões vividas por mulheres negras, latinas e indígenas, entre outras, para argumentar que a tradução tem sido uma ferramenta importante para essas mulheres conhecerem melhor às Outras e a si mesmas. Além disso, destaca-se a falta de traduções de obras de renomadas pensadoras feministas negras estrangeiras, no mercado editorial brasileiro, e as obras literárias e teóricas de escritoras e intelectuais negras brasileiras publicadas no exterior por meio de tradução, principalmente em inglês e francês, são mapeadas. Além disso, são apontadas importantes contribuições de pensadoras negras brasileiras, cujas obras refletem sobre a relação entre tradução e feminismo no Brasil, apesar da inegável ausência de propagação de outros feminismos no e do Brasil. Por fim, o artigo defende que a tradução deve ser um ato de todas e todos e em todas as esferas, tanto na prática quanto na teoria, e vice-versa, no Brasil e no mundo.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Métricas

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

Cibele de Guadalupe Sousa Araujo, Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Goiás

Cibele de Guadalupe Sousa Araújo has a double degree in Portuguese and English teaching from the Federal University of Goiás. She holds a master’s and a doctorate degree in Letters and Linguistics, with concentration in Literary Studies, by the same University. She teaches Portuguese and English at the Federal Institute of Education, Science and Technology of Goiás. As a researcher, she is interested in Anglophone African Literature, Translation Studies and Literature Teaching.

Dennys Silva-Reis, Universidade Federal do Acre (UFAC)

Dennys Silva-Reis is a professor at the Federal University of Acre (UFAC), a translator, and a researcher in the fields of Translation Studies, Interart Studies and Francophone Studies. He has a Bachelor of Arts degree in Translation and a degree in French Language and Literature (UnB). He holds a master's degree in Translation Studies (PSOTRAD/UnB) and a doctorate in Literature and Social Practices (PSOLIT/UnB). He writes on the blog Historiografia da Tradução no Brasil (Historiography of Translation in Brazil) since 2015.

Referências

ALVAREZ, S. A. Introduction to the project ant the volume/ Enacting a translocal femininist politics of translation. In: ALVAREZ et alii. Translocalites/translocalidades – Feminist politics of Translation in the Latina/a Américas. Durham/London: Duke University Press, 2014.

ALVAREZ, S. E.; CALDWELL, K. L.; LAO-MONTES, A. “Translations across Black Feminist Diasporas”. In: Meridians: feminism, race, transnationalism - African Descendant Feminisms in Latin America. Volume 14, Number 2, 2016, pp. V-IX.

BRACKE, M. A.; MORRIS, P.; RYDER, E. ‘Introduction. Translating Feminism: Transfer, Transgression, Transformation (1950s– 1980s)’ In: Gender & History. Vol.30 No.1 March 2018, pp. 214–225.

CARDOZO, C. P. Outras falas: feminismos na perspectiva de mulheres negras brasileiras. Tese de doutorado. Programa de Pós-Graduação em Estudos de Gênero, Mulher e Feminismo. Salvador: Universidade Federal da Bahia, 2012.

CARRASCOSA, D. (org.). Traduzindo no Atlântico Negro: Cartas Náuticas Afrodiaspóricas para Travessias Literárias. Salvador: Ogum’s Toques Negros, 2017.

COLLINS, P. H. “Comment on Hekman's "Truth and Method: Feminist Standpoint Theory Revisited": Where' the Power?”. In: Signs, Vol. 22, No. 2, 1997.

COLLINS, P. H. Aprendendo com a outsider within: a significação sociológica do pensamento feminista negro Tradução de Juliana de Castro Galvão. In: Revista Sociedade e Estado – Volume 31, Número 1 Janeiro/Abril 2016. p. 99-127

COSTA, C. de L. As teorias feministas nas Américas e a política transnacional da tradução. Revista Estudos Feministas, Florianópolis, v. 8, n. 2, p. 43-48, set./dez. 2000.

CRENSHAW, K. Documento para o encontro de especialistas em aspectos da discriminação racial relativos ao gênero. Estudos Feministas. Tradução de Liane Schneider. Ano 10. 2002/1. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/ref/v10n1/11636.pdf. Consultado em: nov/ 2018.

CRONIN, M. The Translation Age: Translation, Technology, and The New Instrumentalism. In: VENUTI, Lawrence. The Translation Studies Reader. Oxon: Routledge, 2012. pp: 469-482

CURIEL, O. P. Hacia la construción de um feminismo descolonizado. In: MIÑOSO, Yuderkys Espinosa; CORREAL, Diana Gómez, MOÑOZ, Karina Ochoa. Tejiendo de outro modo: Feminismo, epistemologia y apuestas descoloniales em Abya Yala. Popayán: Editorial Universidad del Cauca, 2014.

FOUGEYROLLAS-SCHWEBEL, D. Movimentos Feministas. Tradução de Vivian Aranha Sabioa. In: HIRATA, Helena; LABORIE, Françoise; DOARÉ; Hélène Le ; SENOTIER, Danièle. (orgs.) Dicionário crítico do feminismo. São Paulo: Editora UNESP, 2009. pp: 144-149

HARAWAY, D. Des signes, des cyborgs et des femmes: la réinvention de la nature. Tradução de Oristelle Bonis. Arles/França: Éditions Jacquelines Charbons/Actes Sud, 2009.

LEFEVERE, A. Tradução, reescrita e manipulação da fama literária. Tradução de Claudia Matos Seligmann. Bauru: EDUSC, 2007.

MOUFFE, C. The Return of the Political. Londres – New York: Verso, 1993.

REIS, L. Entendendo a Travessia: por uma tradução escrevivente. In: CARRASCOSA, Denise (org.) Traduzindo no Atlântico Negro: Cartas Náuticas Afrodiaspóricas para Travessias Literárias. Salvador: Ogum’s Toques Negros, 2017.

RIBEIRO, D. O que é lugar de fala? Belo Horizonte: Letramento/Justificando, 2017.

ROCHA, A. M. Corporal(idade) discursiva à sombra da hierarquia e do poder: a relação entre Oyewumí e Foucault. Dissertação de mestrado em filosofia. Pós-graduação em Filosofia. Universidade de Goiás (UFG), 2018.

SANTOS, T. N. Letramento e tradução no espelho de Oxum: teoria lésbica negra em auto/re/conhecimentos. 2014. 185f Tese (Doutorado em Estudos da Tradução). Universidade Federal de Santa Catarina, Santa Catarina. 2014.

SPIVAK, G. C. Translation as Culture. Parallax. vol. 6, no. 1, p. 13-24, 2000.

VENUTI, L. The Scandals of Translation: Towards an Ethics of Difference. New York: Routledge, 1998.

Downloads

Publicado

2022-02-02

Como Citar

ARAUJO, C. de G. S.; SILVA-REIS, D. TRADUZIR O FEMINISMO: UM SUBSÍDIO DECOLONIZADOR. Revista Água Viva, [S. l.], v. 6, n. 3, 2022. DOI: 10.26512/aguaviva.v6i3.38053. Disponível em: https://periodicos.unb.br/index.php/aguaviva/article/view/38053. Acesso em: 9 ago. 2022.

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)