O movimento de luta antimanicomial e os desafios em contextos de crise

Autores

  • Mirella de Lucena Mota Universidade Federal de Pernambuco
  • Jorge Luiz da Silva Universidade Federal de Pernambuco
  • Jorge Lyra Universidade Federal de Pernambuco

DOI:

https://doi.org/10.26512/ser_social.v19i41.14954

Palavras-chave:

Luta Antimanicomial, Saúde Mental, Autonomia

Resumo

Este trabalho tem por objetivo refletir sobre o cenário sócio-histórico do movimento de Luta Antimanicomial no Brasil e sobre a noção de autonomia que envolve os sujeitos políticos deste campo. Espera-se aprofundar os estudos sobre a atuação do movimento social na construção da política de saúde mental e demonstrar alternativas possíveis aos desafios atuais. Consiste em um estudo teórico, de natureza qualitativa, em que se realizou uma revisão bibliográfica nas Bases Scielo e BVS, utilizando os descritores: saúde mental, luta antimanicomial e autonomia. Como resultados temos que a emergência de uma pluralidade de movimentos sociais e mobilizações políticas, que permitiram que os diversos sentidos da emancipação fossem articulados com o projeto de uma democracia radical, tornou necessário estreitar o vínculo fundamental entre uma teoria crítica da sociedade e o quadro de problemas da teoria política, voltados aos estudos da esfera pública e da sociedade civil, da democracia e do direito. 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Mirella de Lucena Mota, Universidade Federal de Pernambuco

Assistente Social pela Universidade Federal de Pernambuco (UFPE), especialista em Saúde Mental pela Universidade de Pernambuco (UPE), Mestre em Psicologia pela UFPE, Doutoranda em Serviço Social pela UFPE, Pesquisadora do Grupo de Estudos e Pesquisas sobre ética (GEPE/UFPE) e do Núcleo Feminista de Pesquisas em Gênero e Masculinidades (GEMA/UFPE).

Jorge Luiz da Silva, Universidade Federal de Pernambuco

Graduação em Psicologia pela Faculdade Frassinetti do Recife (FAFIRE), Mestrando em Psicologia pela Universidade Federal de Pernambuco e Pesquisador do Núcleo Feminista de Pesquisas em Gênero e Masculinidades (GEMA/UFPE). 

Jorge Lyra, Universidade Federal de Pernambuco

Psicólogo, docente de ensino superior; Doutor em Ciências (saúde pública); Mestre em Psicologia Social. Departamento de Psicologia/ Psicologia Social. 

Referências

ALMEIDA, E. H. R. de. Dignidade, autonomia do paciente de doença mental. Bioética, v. 18, n. 2, p. 381-395, 2010.

AMARANTE, P. Novos sujeitos, novos direitos: o debate em torno da reforma psiquiátrica. Cadernos de Saúde Pública, v. 11, n. 3, p. 491-494, 1995.

______. Reforma Psiquiátrica e Epistemologia. Cadernos Brasileiros de Saúde Mental, v. 1, n. 1, p. 34-41, jan.-abr./2009.

ANDRADE, A. P. M. O gênero no movimento da reforma psiquiátrica brasileira. In: MALUF, S. W.; TORNQUIST, C. S. (Orgs.) Gênero, saúde e aflição: abordagem antropológica. Florianópolis: Letras Contemporâneas, 2010.

ANDRADE, A. P. M.; MALUF, S. W. Do hospital psiquiátrico para a cidade: itinerários e experiências de sujeitos nos processos de desinstitucionalização. In: GUANAES-LORENZI, C. et al. (Orgs.) Psicologia social e saúde:

da dimensão cultural à político-institucional. Florianópolis: Bosque, 2015.

AREJANO, C. B.; PADILHA, M. I. C. S.; ALBUQUERQUE, G. L. Reforma Psiquiátrica: uma análise das relações de poder nos serviços de atenção à saúde mental. Revista Brasileira de Enfermagem, v. 5, n. 56, p. 549-54, 2003.

ARRUDA, M. Trabalho emancipado. In: Cattani, A. D. (Org.). A outra economia. Porto Alegre: Veraz, 2003.

BASAGLIA, F. A instituição negada. Rio de Janeiro: Graal, 1985.

BEZERRA, E.; DIMENSTEIN, M. Os Caps e o trabalho em rede: tecendo o apoio matricial na Atenção Básica. Psicologia Ciência e Profissão, v. 28, n. 3, p. 632-645, 2008.

BIROLI, F. Autonomia, opressão e identidades: a ressignificação da experiência na teoria política feminista. Estudos Feministas, v. 21, n. 1, p. 81-105, 2013.

BOSI, M. L. M. Determinantes sociais em saúde (mental): analisando uma experiência não governamental sob a ótica de atores implicados. Revista Brasileira de Epidemiologia, p. 126-135, 2014.

BRASIL. Lei nº 10.216, de 6 de abril de 2001. Dispõe sobre a proteção e os direitos das pessoas portadoras de transtornos mentais e redireciona o modelo assistencial em saúde mental. D.O.U. Brasília-DF, 2001.

______. Lei nº 10.708, de 31 de julho de 2003. Institui o auxílio-reabilitação psicossocial para pacientes acometidos de transtornos mentais egressos de internações. D.O.U. Brasília, DF, 2003.

______. Portaria nº 3.088, de 23 de dezembro de 2011. Institui a Rede de Atenção Psicossocial para pessoas com sofrimento ou transtorno mental e com necessidades decorrentes do uso de crack, álcool e outras drogas, no âmbito do Sistema Único de Saúde (SUS). D.O.U. Brasília-DF, 2011.

FILIZOLA, C. L. A.; TEIXEIRA, I. M. C.; MILIONI, D. B.; PAVARINI, S. C. I. Saúde mental e economia solidária: a família na inclusão pelo trabalho. Revista da Escola de Enfermagem da USP; v. 45 (2), p. 418-25, 2012.

GONÇALVES, A. A doença mental e a cura: um olhar antropológico. Millenium, v. 30, p. 159-171, 2004.

GONDIM, G. O território da saúde: a organização do sistema de saúde e a territorialização. Território, ambiente e saúde, v. 1, p. 237-256, 2008.

MELO, R. Teoria crítica e os sentidos da emancipação. Cadernos CRH, Salvador, v. 24, n. 62, p. 249-262, ago./2011.

MINISTÉRIO DA SAÚDE. Residências terapêuticas: o que são, para que servem. Série F. Comunicação e Educação em Saúde. Brasília-DF, 2004.

NETTO, J. P.; BRAZ, M. Economia política: uma introdução crítica, v. 6, São Paulo: Cortez 2007.

PAIM , J.; Travassos , C.; Almeida , C.; Bahia , L.; Macin ko, J. O sistema de saúde brasileiro: história, avanços e desafios. Saúde no Brasil 1. The Lancet, v. 377, p. 11-31, 2011.

ROSA, L. C. S; CAMPOS, R. T. O. Saúde mental e classe social: Caps, um serviço de classe e interclasses. Serviço Social e Sociedade, n. 114, p. 311-331, 2013.

ROTELLI, F.; AMARANTE, P. Reformas psiquiátricas na Itália e no Brasil: aspectos históricos e metodológicos. In: BEZERRA JÚNIOR, B.; Amarante, P. (Orgs.) Psiquiatria sem hospício: contribuições ao estudo da reforma psiquiátrica. Rio de Janeiro: Relume-Dumará, 1992.

SADE, R. M. S. Portas abertas: do manicômio ao território. Entrevistas triestinas. Marília: Oficina Universitária/São Paulo: Cultura Acadêmica, 2014.

SANTOS, A. M. C. C. dos. Articular saúde mental e relações de gênero: dar voz aos sujeitos silenciados. Ciência & Saúde Coletiva, v. 14, n. 4, p. 1.177-1.182, 2009.

SANTOS, N. R. Sistema Único de Saúde ”“ 2010: espaço para uma virada. O Mundo da Saúde, São Paulo, v. 34, n. 1, p. 8-19, 2010.

SILVA, A. T.; BARROS, S.; OLIVEIRA, M. A. F. Políticas de saúde e de saúde mental no Brasil. Revista da Escola de Enfermagem da USP, v. 36(1), p. 4-9, 2002.

STEFANO, C. D. Problemas e incomodidades a propósito de la autonomía: algunas consideraciones desde el feminismo. In: CASTELLS, C. Perspectivas feministas en teoría política. Barcelona: Paidós, 1996.

VASCONCELOS, E. M. Crise Mundial, conjuntura política e social no Brasil, e os novos impasses teóricos na análise da reforma psiquiátrica no país. Cadernos Brasileiros de Saúde Mental, v. 4, n. 8, p. 8-21, jan.-jun./2012.

______. (Org.) Desafios políticos da reforma psiquiátrica brasileira. São Paulo: Hucitec, 2010.

______. Epistemologia, diálogos e saberes: estratégias para práticas interparadigmáticas em saúde mental. Saúde Mental, v. 1, n. 1, jan.-abr./2009.

VERAS, M. A loucura entre nós. 2 ed. Rio de Janeiro: ContraCapa, 2014.

ZAMBILLO, M.; PALOMBINI, A. de L. O conceito de autonomia e seus usos possíveis na saúde mental. In: GUANAES, C. et al. (Orgs.) Psicologia social e saúde: da dimensão cultural à político-institucional. Florianópolis:

Bosque, 2015.

Downloads

Publicado

02/06/2018

Como Citar

DE LUCENA MOTA, Mirella; SILVA, Jorge Luiz da; LYRA, Jorge. O movimento de luta antimanicomial e os desafios em contextos de crise. SER Social, [S. l.], v. 19, n. 41, p. 519–536, 2018. DOI: 10.26512/ser_social.v19i41.14954. Disponível em: https://periodicos.unb.br/index.php/SER_Social/article/view/14954. Acesso em: 28 fev. 2024.