Socialidades alternativas: sobre o conceito de cultura dos Karajá de Buridina

Main Article Content

Eduardo S. Nunes

Resumo

O conceito de ‘cultura’ vem aparecendo, de maneira cada vez mais proeminente, no cenário político indígena e isso justamente em um momento em que tal conceito vem sofrendo tantas críticas que muitos antropólogos e antropólogas deixaram mesmo de usá-lo. O presente artigo visa tratar de uma dimensão pouco explorada desse debate: o uso indígena do conceito de ‘cultura’ em um contexto entre-si. Mais precisamente, o objetivo é perseguir o próprio conceito indígena de cultura, tratando de sua relação, por um lado, com o conceito antropológico e, por outro, com a vida indígena.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Métricas

Carregando Métricas ...

Article Details

Como Citar
Nunes, E. S. (2013). Socialidades alternativas: sobre o conceito de cultura dos Karajá de Buridina. Arquivos Do CMD, 1(1). https://doi.org/10.26512/cmd.v1i1.7496
Seção
Artigos de Dossiê
Biografia do Autor

Eduardo S. Nunes, Universidade de Brasília

Bacharel e Mestre em Antropologia pela Universidade de Brasília (UnB) e doutorando em antropologia pela mesma instituição.

Referências

Baldus, Hebert. 1948. Os Karajá. Em. As tribos dos Araguaia e o Serviço de Proteção aos Ãndios. Revista do Museu Paulista, n. s., vol. II.pp. 145-154.

Braga, André G. 2002. A demarcação de Terras Indígenas como processo de reafirmação étnica: o caso dos Karajá de Aruanã. Monografia de graduação, DAN/UnB.

Cardoso de Oliveira, Roberto. 1972[1964]. O índio e o mundo dos brancos. São Paulo: Pioneira.

Cardoso de Oliveira, Roberto. 2000. Etnicidade, eticidade e globalização. Em. O trabalho do antropólogo. Brasília: Paralelo 15; São Paulo: UNESP. pp. 169-88.

Carneiro da Cunha, Manoela. 2009. “Cultura” e cultura: conhecimentos tradicionais e direitos intelectuais. Em. Cultura com aspas e outros ensaios. São Paulo: Cosac & Naify. pp. 311-373.

Coelho de Souza, Marcela S. 2004. Parentes de Sangue: Incesto, substância e relação no pensamento Timbira. Mana (10)1. pp. 25-60.

Coelho de Souza, Marcela S. 2010. A vida material das coisas intangíveis. Em. COELHO DE SOUZA, M. S.; COFFACI DE LIMA, E. C. (Orgs.). Conhecimento e Cultura: Práticas de transformação no mundo indígena. Brasília: Athalaia. pp. 205-228.

Deleuze, Gilles. 1996. O atual e o virtual. Em: Deleuze: filosofia virtual. ALLIEZ, E. São Paulo: Editora 34.

Deleuze, Gilles.2006[1968]. Diferença e repetição. Rio de Janeiro: Graal.

Donahue, George. 1982. A contribution to the eth-nography of the Karajá indians of central Brazil. Tese de Doutorado, Universidade da Virgínia. 344 pp.

Ehrenreich, Paul. 1948. Contribuições para a etnologia do Brasil. Revista do Museu Paulista, vol. 2. pp. 7-135.

Gow, Peter. 2003. “Ex-cocama”: identidades em transformação na Amazônia Peruana. Mana (9)1. pp. 57-79.

Kelly, Jose A. 2011. State healthcare and Yanoma-mi transformations: a symmetrical ethnography. Tucson: Arizona University Press.

Krause, Fritz. 1941. Nos Sertões do Brasil. Revista do Arquivo Municipal de São Paulo, vol. 78. pp. 233-256.

Mccallum, Cecilia. 1998. Alteridade e sociabilidade Kaxinauá: perspectivas de uma antropologia da vida diária. Revista Brasileira de Ciências Sociais, vol. 13, n. 38. pp. 127-136.

Mota, Olga M. 2004. Os Karajá, o Rio Araguaia e os Outros: territorialidades em conflito. Dissertação de Mestrado. Programa de Pós-Graduação em Geografia, UFG.

Nunes, Eduardo S. 2009a. A cruz e o itxe(k)ò: mestiçagem, mistura e relação entre os Karajá de Bu-ridina (Aruanã ”“ GO). Monografia de Graduação, DAN/UnB.

Nunes, Eduardo S. 2009b. No centro da cidade: descompassos entre as noções e práticas territoriais dos Karajá de Buridina e dos não-índios de Aruanã (GO). Anais da II Reunião Equatorial de Antropologia e XI Reunião de Antropólogos do Norte - Nordeste. 19 a 22 de Agosto. Natal, Rio Grande do Norte.

Nunes, Eduardo S. 2012a. No asfalto não se pesca. Parentesco, mistura e transformação entre os Karajá de Buridina (Aruanã ”“ GO). Dissertação de mes-trado, PPGAS-DAN/UnB).

Nunes, Eduardo S. 2012b. A fractalidade da pessoa misturada: sobre as relações dos Karajá de Buridina com os brancos. Anais da 28ª Reunião Brasileira de Antropologia. São Paulo, 02 a 05 de julho de 2012.

Overing, Joana. 1999. O elogio do cotidiano: a confiança e a arte da vida social em uma comunidade amazônica. Mana 5(1). pp. 81-106.

Pétesch, Nathalie. 1992. La pirogue de sable. Modes de représentations e d’organization d’une société du fleuve: les Karajá de l’Araguaia (Brésil central). Tese de Doutorado. Paris, Université de Paris X (Natèrre).

Pimentel da Silva, Maria do Socorro. 2009. Reflexões sociolingüísticas sobre línguas ameaçadas. Goiânia: Editora da UCG.

Portela, Cristiane. 2006. Nem ressurgidos, nem emergentes: A resistência histórica dos Karajá de Buridina em Aruanã ”“ GO (1980-2006). Dissertação de mestrado. Departamento de História, UFG.

Rival, Laura. 1998. Androgynous parents and guest child: the Huaorani couvade. The Journal of the Royal Anthropological Institute, vol. 4, n. 4. pp. 619-642.

Rodrigues, Patrícia M. 1993. O povo do meio: tempo, cosmo e gênero entre os Javaé da Ilha do Bananal. Dissertação de Mestrado. PPGAS-DAN/UnB.

Rodrigues, Patrícia M. 2008. A caminhada de Tany~xiwè: uma teoria Javaé da história. Tese de Doutorado, Departamento de Antropologia da Universidade de Chicago. Chicago, Illinois.

Sahlins, Marshall. 1997a. O “pessimismo sentimen-tal” experiência etnográfica: por que a cultura não é um “objeto” em via de extinção (parte I). Mana 3(1). pp. 41-73.

Sahlins, Marshall. 1997b. O “pessimismo sentimental” experiência etnográfica: por que a cultura não é um “objeto” em via de extinção (parte II). Mana 3(2). pp. 103-150.

Santos-Granero, Fernando. 2009. Hybrid bodyscapes. A visual history of Yanesha patterns of cultural change. Current Anthropology, vol. 50, n. 4.pp.477-512.

Strathern, Marilyn. 1988. The gender of the gift: problems with women and problems with soci-ety in Melanesia. London: University of California Press.

Toral, André A. 1992. Cosmologia e Sociedade Karajá. Dissertação de mestrado. PPGAS-Museu Nacional, UFRJ.

Turner, Terence. 1993. Da cosmologia a História: resistência, adaptação e consciência social entre os Kayapó. Em. VIVEIROS DE CASTRO, E. B.; CAR-NEIRO DA CUNHA, M. M. (orgs.). Amazônia: et-nologia e história indígena. São Paulo: NHIIUSP/Fapesp. pp.43-66.

Vilaça, Aparecida. 2002. Making kin out of others in Amazonia. The Journal of the Royal Anthropo-logical Institute, vol. 8, n. 2. pp. 347-365.

Viveiros de Castro, Eduardo B. 2002a. O nativo relativo. Mana 8(1). pp.113-148.

Viveiros de Castro, Eduardo B. 2002b. Perspecti-vismo e multinaturalismo na América indígena. Em. A inconstância da alma selvagem. São Paulo: Cosac & Naify. pp. 345-399.

Viveiros de Castro, Eduardo B. 2004. Perspectival anthropology and the method of controlled equivo-cation. Tipití: Journal of the Society for the Anthro-pology of Lowland South America, vol. 2, n. 1. pp. 3-22.

Wagner, Roy. 1972. Habu: the innovation of mean-ing in Daribi religion. Chicago: Chicago University Press.

Wagner, Roy. 1981. The invention of culture. Chi-cago and London: The University of Chicago Press.

Wüst, Irmhild. 1975. A cerâmica Karajá de Aruanã. Anuário de Divulgação Científica, vol. 2, n. 2. pp. 95-165.