Geopolítica do conhecimento e teoria um estudo sobre a circulação de teoria nas revistas de ciências sociais brasileiras

Main Article Content

Matheus Almeida Pereira Ribeiro

Resumo

Este paper discute a geopolítica da produção e circulação de conhecimento a partir do caso brasileiro. Realizou-se um levantamento quantitativo e análise qualitativa do conteúdo  de artigos publicados em 22 das principais revistas de ciências sociais brasileiras, de 2010 a 2018, com foco na discussão sobre teoria social. Interessou-se por estudar em que medida o debate na área de teoria, realizado neste intervalo, expressa as relações de poder de globais no  campo do conhecimento. Foi possível notar que a maior parte das contribuições de estrangeiros, nas revistas brasileiras, é realizada por intelectuais do Norte Global e que as publicações destes  pesquisadores tinham um caráter mais inovador e propositivo no campo da teoria social, em comparação com a dos brasileiros, latino-americanos e africanos. Argumenta-se que o debate realizado em revistas brasileiras na área de teoria, expressa a divisão internacional do trabalho  intelectual que situa os países do Norte enquanto local de enunciação com maior poder de influência nos princípios teóricos que direcionam o trabalho das ciências sociais

Downloads

Não há dados estatísticos.

Métricas

Carregando Métricas ...

Article Details

Como Citar
Ribeiro, M. A. P. (2023). Geopolítica do conhecimento e teoria: um estudo sobre a circulação de teoria nas revistas de ciências sociais brasileiras. Arquivos Do CMD, 10(1), 290–314. Recuperado de https://periodicos.unb.br/index.php/CMD/article/view/51690
Seção
Esboço de Letras
Biografia do Autor

Matheus Almeida Pereira Ribeiro, UnB

Doutorando em Sociologia pela Universidade de Brasília e bolsista CAPES.

Referências

ALATAS, Hussein. Intellectual imperialism: definition, traits, and problems. Asian Journal of Social Science, v. 28, n. 1, p. 23-45, 2000.

ALATAS, Syed Farid. Academic dependency in the social sciences: Reflections on India and Malaysia. American Studies International, v. 38, n. 2, p. 80-96, 2000.

ALATAS, Syed Farid. Academic dependency and the global division of labour in the social sciences. Current Sociology, v. 51, n. 6, p. 599-613, 2003.

ALATAS, Syed Farid; SINHA, Vineeta. Sociological Theory Beyond the Canon. Springer, 2017.

BALLESTRIN, Luciana. América Latina e o giro decolonial. Revista Brasileira de Ciência Política, v. 11, p. 89, 2013.

BEIGEL, Fernanda. Introduction: Current tensions and trends in the World Scientific System. Current Sociology. 2014.

BURAWOY, Michael; Chang, Mau-kuei & hsieh, Michelle Fei-yu (eds.). Facing an unequal world: challenges for a global sociology. 3 vols. Taipei, Academia Sinica. (2010).

COMAROFF, Jean; COMAROFF, John L. Theory from the South: Or, how Euro-America is evolving toward Africa. In: Anthropological Forum. Routledge, 2012. p. 113-131.

CONNELL, Raewyn. Southern theory: The global dynamics of knowledge in social science. Allen & Unwin, 2007.

CONNELL, Raewyn. Learning from each other: Sociology on a world scale. The ISA handbook of diverse sociological traditions, p. 52-66, 2010.

CONNELL, Raewyn. A iminente revolução na teoria social. Revista Brasileira de Ciências Sociais, v. 27, n. 80, p. 09-20, 2012.

COSTA, Sergio. Teoria por adição. Horizontes das Ciências Sociais: Sociologia. São Paulo: ANPOCS, p. 25-51, 2010.

DUSSEL, Enrique. Europa, modernidade e eurocentrismo em Lander. Edgardo (org.) A Colonialidade do Saber: eurocentrismo e ciências sociais–perspectivas latinoamericanas, p. 55-70, 2000.

FIELD, Andy. Descobrindo a estatística usando o SPSS-2. Bookman Editora, 2009. GINGRAS, Yves; MOSBAH-NATANSON, Sébastien. Where are social sciences produced? Europe, v. 47, n. 43.8, p. 46.1, 2010.

GROSFOGUEL, Ramón. Para descolonizar os estudos de economia política e os estudos póscoloniais: transmodernidade, pensamento de fronteira e colonialidade global. Revista Crítica de Ciências Sociais, n. 80, p. 115-147, 2008.

GUERREIRO RAMOS, Alberto. A redução sociológica. Rio de janeiro: Editora UFRJ, 1996.

HANAFI, Sari; ARVANITIS, Rigas. The marginalization of the Arab language in social science: Structural constraints and dependency by choice. Current Sociology, v. 62, n. 5, p. 723-742, 2014

HEILBRON, Johan. The social sciences as an emerging global field. Current Sociology, v. 62, n. 5, p. 685-703, 2014.

HEILBRON, Johan; SORÁ, Gustavo; BONCOURT, Thibaud (Ed.). The Social and Human Sciences in Global Power Relations. Palgrave Macmillan, 2018.

HOUNTONDJI, Paulin J. Producing Knowledge in Africa Today the Second Bashorun MKO Abiola Distinguished Lecture. African Studies Review , v. 38, n. 03, p. 1-10, 1995.

HOUNTONDJI, Paulin J. (Ed.). Endogenous knowledge: Research trails. African Books Collective, 1997.

KEIM, Wiebke. Social sciences internationally: The problem of marginalisation and its consequences for the discipline of sociology. African Sociological Review/Revue Africaine de Sociologie, v. 12, n. 2, 2008.

KEIM, Wiebke. Counterhegemonic currents and internationalization of sociology: Theoretical reflections and an empirical example. International Sociology, v. 26, n. 1, p. 123-145, 2011.

LANDER, Edgardo et al. (Ed.). A colonialidade do saber: eurocentrismo e ciências sociais: perspectivas latino-americanas. CLACSO, Consejo Latinoamericano de Ciencias Sociales. Conselho Latino-americano de Ciências Sociais, 2005.

LYNCH, Cyril; EDWARD, Christian. Por Que Pensamento eNão Teoria? A Imaginação Político-Social Brasileira e o Fantasma da Condição Periférica (1880-1970). Dados-Revista de Ciências Sociais, v. 56, n. 4, 2013.

MAIA, João Marcelo Ehlert. Pensamento brasileiro e teoria social: notas para uma agenda de pesquisa. 2009.

MAIA, João Marcelo E. O pensamento social brasileiro e a imaginação pós-colonial. Revista Estudos Políticos, n. 02, 2010.

MALDONADO-TORRES, Nelson. A topologia do ser e a geopolítica do conhecimento. Modernidade, império e colonialidade. Revista Crítica de Ciências Sociais, n. 80, p. 71-114, 2008.

MIGNOLO, Walter D. Histórias locais-projetos globais: colonialidade, saberes subalternos e pensamento liminar. Ed. UFMG, 2003.

PATEL, Sujata (Ed.). The ISA handbook of diverse sociological traditions. Sage, 2009.

QUIJANO, Aníbal. Coloniality of power and Eurocentrism in Latin America. International Sociology, v. 15, n. 2, p. 215-232, 2000.

RIBEIRO, Matheus A. P. As expressões da divisão internacional do trabalho intelectual em revistas internacionais de teoria social. Dissertação de Mestrado. UnB. Brasília. 2018.

ROSA, Marcelo C. A África, o Sul e as ciências sociais brasileiras: descolonização e abertura. Sociedade e Estado, v. 30, n. 2, p. 313-321, 2015.

ROSA, Marcelo C; Ribeiro, Matheus A. P. Como se faz teoria social no Brasil? Hagiografia, extroversão intelectual e avanços (2010–2019). BIB. n.94. 2020.

SAID, Edward. Orientalism. 1978. New York: Vintage, v. 199, 1979.

SANTOS, Boaventura de Sousa. Para além do pensamento abissal: das linhas globais a uma ecologia de saberes. Novos estudos-CEBRAP, n. 79, p. 71-94, 2007.

SAPIRO, Gisèle. Globalization and cultural diversity in the book market: The case of literary translations in the US and in France. Poetics, v. 38, n. 4, p. 419-439, 2010.

SPIVAK, Gayatri Chakravorty. Pode o subalterno falar?. Editora UFMG, 2010.

DE FARIA TAVOLARO, Sergio Barreira. Imagens de uma outra modernidade: Gilberto Freyre e o espaço-tempo latino-americano. Política & Sociedade, v. 15, n. 34, p. 196-231, 2016.

UNESCO. World Social Science Report 2010. Paris: UNESCO Publishing. 2010.