Batidas e notas sobre turismo e modos de viver e festejar música eletrônica

Main Article Content

Cássio Novo

Resumo

O presente artigo investe nas possíveis aproximações entre práticas e estudos relacionados com geografia, turismo e modos de viver e festejar música eletrônica contemporaneamente de maneira a apresentar desafios e possibilidades de se entender clubes, eventos e festivais de música eletrônica como campos de possibilidades para estudos e dinâmicas atinentes à atividade turística. Reunindo produções bibliográficas e informações colhidas em trabalhos de campo no âmbito de abordagens humanistas culturais do espaço geográfico rumos possíveis são destacados para articular geografia e turismo no contexto da Era da Experiência em sociedades de fim de semana.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Métricas

Carregando Métricas ...

Article Details

Como Citar
Novo, C. (2021). Batidas e notas sobre turismo e modos de viver e festejar música eletrônica. Arquivos Do CMD, 8(1), 69–97. https://doi.org/10.26512/cmd.v8i1.34123
Seção
Artigos de Dossiê

Referências

BONDÍA, L. J. Notas sobre a experiência e o saber de experiência. Universidade de Barcelona, Espanha. 2002.

BOSSO, Julia Nicolosi; CARVALHO, Alissandra Nazarethi. Tomorrowland Brasil e Itu/SP: um estudo de caso sobre a relação entre um grande evento e um pequeno município. In:Revista Iberoamericana de Turismo ”“ RITUR, Penedo, vol. 6, n.2, p. 92-117, 2016.

CARBALLO, C. y FLORES, F. Territorios, fiestas y paisajes peregrinos. Cartografías sociales de lo sagrado en el siglo XXI, Buenos Aires: Imprenta Editorial, 2016.

CAVALCANTI, Maria Laura Viveiros de Castro. O rito e o tempo. Ensaios sobre o carnaval. 1. ed. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1999. v. 1. 111p.

CHIAVERINI, Tomás. Festa infinita: o entorpecente mundo das raves. São Paulo: Ediouro, 2015.

CLAVAL, Paul. O tema da religião nos estudos geográficos. Espaço e cultura. Rio de Janeiro: UERJ, NEPEC, RJ, nº 3, 1996.

______. Terra dos homens: a geografia. Tradução de Domitila Madureira. São Paulo: Contexto, 2010.

CORRÊA, Roberto Lobato; ROSENDAHL, Zeny. Literatura, Música e Espaço: Uma Introdução. In: CORRÊA, Roberto Lobato; ROSENDAHL, Zeny (Orgs.). Literatura, música e espaço. Rio de Janeiro: EDUERJ, 2007.

_______. Caminhos paralelos e entrecruzados. São Paulo: Editora Unesp, 2018.

COSGROVE, Denis. Mundos de Significados. Geografia e Imaginação. In: CORRÊA, Roberto Lobato; ROSENDAHL, Zeny (Orgs.). Geografia Cultural: Um Século (2). Rio de Janeiro: EDUERJ, 2000.

DUVIGNAUD, Jean. Festas e civilizações. Fortaleza: UFCE/Rio de Janeiro: Tempo Brasileiro, 1977.

FERREIRA, Felipe. O lugar do carnaval: espaço e poder na festa carnavalesca do Rio de Janeiro, Paris e Nice (1850-1930). Tese. (Doutorado em geografia) ”“ Programa de Pós-graduação em Geografia, Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2002.

______. Inventando carnavais: o surgimento do carnaval carioca no século XIX e outras questões carnavalescas. 1. ed. Rio de Janeiro: Editora UFRJ, 2005.

FLORES, F. y OVIEDO, M. Imaginarios turísticos, construcción de atractivos y New Age. El caso de San Marcos Sierras (Argentina). Revista Estudios y Perspectivas en Turismo, v. 26, n. 2, CEIT, Buenos Aires, 2017, pp. 493-508.

GORGONE PAMPÍN, A. Nomadismo turístico en la Patagonia: prácticas, espacios y reflexividades en un marco intersubjetivo. Ponencia presentada en el II Coloquio latinoamericano: Territorios, Fiestas y Paisajes peregrinos, Luján-Quilmes, 2017.

Graham St John ed. The Local Scenes and Global Culture of Psytrance. New York: Routledge, 2010.

HAESBAERT, Rogerio. Reflexões geográficas em tempos de pandemia. Espaço e Economia. Revista brasileira de geografia econômica, 2020.

LIPOVETSKY, Gilles; ROUX, Elyette. O Luxo eterno: da idade do sagrado ao tempo das marcas. São Paulo: Companhia das Letras, 1998.

LINDÓN, A. y D. HIERNAUX (2010), Los giros de la geografía humana. Desafíos y horizontes, México-Barcelona; Antrophos.

LOWENTHAL, David. Geografia, experiência e imaginação: em direção a uma epistemologia geográfica. In: CHRISTOFOLETTI, Antonio (org.). Perspectivas da Geografia. São Paulo: Difel, 1982.

MAIA, Carlos Eduardo Santos. Soltando o verbo: ratos e urubus, diretamente o povo escolhia o presidente. Textos escolhidos de cultura e arte populares. v. 7, n. 2, p. 109 ¬ 125, 2010.

MAFFESOLI, Michel. O tempo das tribos: o declínio do individualismo nas sociedades de massa. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2010.

MASSEY, Doreen. Um sentido global do lugar. In: ARANTES, Antônio (Org.). O espaço da diferença. Campinas: Papirus, 2000. p. 176-185.

NOVO, Cássio Lopes da Cruz. A concentração de blocos carnavalescos: espaços pseudo sagrados na folia momesca. In: CONGRESSO INTERNACIONAL DE NÚCLEO DE ESTUDOS DAS AMÉRICAS, 4., 2014, Rio de Janeiro. Apresentação... Rio de Janeiro, Nucleas, 2014.

RELPH, Edward. Reflexões sobre a emergência, aspectos e essência do lugar. In: MARANDOLA JR., Eduardo.; HOLZER, Werther; OLIVEIRA, Lívia de. (orgs.). Qual o espaço do lugar?: geografia, epistemologia, fenomenologia. São Paulo: Ed. Perspectiva, 2012, pp. 17”“32.

ROSENDAHL, Zeny. Espaço, cultura e religião: dimensões de análise. In: Introdução à geografia cultural, 5ª ed., Rio de Janeiro, Bertrand Brasil, 2011.

________. Tempo e Temporalidade, Espaço e Espacialidade: a temporalização do Espaço Sagrado. In: Espaço e Cultura, UERJ, RJ, N.35, p. 09-35, Jan./Jun., 2014.

SARMENTO, J. Festivais de Música de Verão: artes performativas, turismo e território. Geo-Working Papers, Guimarães, Série investigação 2007/13, p. 1-23. Acesso em: 09/08/2020.

SEAMON, D. Seamon, D. A Geography of the Lifeworld. New York: St. Martin’s, 2011.

SILVA, Anelino Francisco da. Festas Geográficas: de carnavais a eventos juninos e populares. Natal, RN: EDUFRN, 2013.

SOARES, Maria Carolina S. A festa não tem fim: experiências compartilhadas por fãs de música eletrônica no Facebook e em festivais. 2016. 138 f. : Il. Orientadora: Laura Graziela F. F. Gomes. Dissertação de Mestrado ”“ Universidade Federal Fluminense. Departamento de Antropologia, 2016.

St. JOHN, Graham. Liminal Culture and Global Movement: The Transitional World of Psytrance. In: Grahan St John (ed.), The Local Scenes and Global Culture of Psytrance. pp. 220-246. New-York: Routledge, 2010.

______. In Simone Krüger and Ruxandra Trandafoiu eds, The Globalization of Musics in Transit: Musical Migration and Tourism, New York: Routledge, pp 160”“182, 2014.

______.Weekend Societies: Electronic Dance Music Festivals and Event-cultures. Bloomsbury Publishing USA, 2017.

STOREY, John. Teoria cultural e cultura popular: uma introdução. São Paulo: Editora Sesc, 2015.

TOSUN, C. Host perceptions of impacts: A comparative tourism study. In: SARMENTO, J. Festivais de Música de Verão: artes performativas, turismo e território. Geo-Working Papers, Guimarães, Série investigação 2007/13, p. 1-23.

TUAN, Y. Espaço e Lugar: a perspectiva da experiência. Eduel: Londrina, 2013.

______. Geografía romántica: en busca del paisaje sublime; traducido del inglés por Borja Nogué ; edición de Joan Nogué. - Madrid : Biblioteca Nueva, 2015.