A Tecnologia como Ferramenta de Justiça Social:

Lógica e experiências sociais de apropriação de aplicativos de benefício social no Distrito Federal

  • Ludmila Condé
Palavras-chave: Aplicativos, Aplicativos sociais, Benefício social, Brasil 4D, Cidadania, Direito social, Inclusão digital, Interatividade, Justiça social, Construção de tecnologia, TV Digital

Resumo

Esse trabalho tem o objetivo de apontar afinidades entre atores sociais relevantes na construção sociotécnica do aplicativo Brasil 4D, discutindo os valores incorporados ao código técnico da tecnologia e a intervenção epistêmica e ética da “racionalização democrática” na configuração normativa desse dispositivo de inclusão digital. Partiu-se da premissa da teoria crítica, na vertente marcuseana, de que os valores incorporados à tecnologia são “socialmente determinados” e, por conseguinte a tecnologia não seria neutra, ou seja, ela é influenciada por interesses e processos públicos e submetida a controle humano também do tipo não instrumental. O trinômio construção sociotécnica, atores sociais relevantes e racionalização democrática é considerado aqui no intuito de traçar o contexto o qual a tecnologia está ambientada, levando em conta que o seu design tecnológico não é simplesmente definido, mas resultam de negociações entre intencionalidades da concepção, os usos efetivos do aplicativo e as expectativas de seus usuários.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

AKRICH, Madeleine. The De-Scription of Tecnical Objects. In: Shaping technology/building society: studies in socialtechnical change / edited by Wiebe E. Bijer and John Law. 1994.

ELBANKS, Virginia. Digital Dead End: Fighting for Social Justice in the Information Age. Massachusetts Institute of Technology. First MIT Press paperback edition, 2012.

FEENBERG, A.. O que é a Filosofia da Tecnologia? . In: NEDER, P. (org.). A teoria crítica de Andrew Feenberg: racionalização democrática, poder e tecnologia. Brasília: Observatório do movimento pela tecnologia social na América Latina, 2010.

GUIMARÃES, Mário José. Sociabilidade e tecnologia no ciberespaço. In: Theophilos Rifitis et al..(Orgs.). Antropologia no ciberespaço. Florianópolis. Editora da UFSC. 2010. p.47-70.

LÉVY, Pierre. A inteligência coletiva - por uma antropologia do ciberespaço. São Paulo. Edições Loyola. 8ª ed.. 2011. [1ª ed. 1994]

MÁXIMO, Maria. Da metrópole às redes sociotécnicas: a caminho de uma antropologia no ciberespaço. In: Theophilos Rifitis et al..(Orgs.). Antropologia no ciberespaço. Florianópolis. Editora da UFSC. 2010. p.29-45.

SIMONDON. Gilbert. El modo de existência de los objetos técnicos. Buenos Aires. Prometeo Livros. 2007 [1ª ed. 1958].

LEAL, Sayonara. A TV digital interativa brasileria como ferramenta de política pública para inclusão digital: o middleware Ginga à provação da justiça social. CyE Año VII Nº 13 Primer Semestre 2015.

NATANSOHN, Graciela. O que tem a ver as tecnologias digitais com o gênero? In: Graciela Natansohn (Org.) Internet em código feminino: teorias e práticas. 1ª ed. Ciudad Autônoma de Buenos Aires: La Crujía, 2013.

HABERMAS, J. Técnica e ciência como Ideologia. In: HABERMAS, J. Técnica e Ciência e como ideologia; Lisboa (Portugal): Edições 70, 2006.

Publicado
2019-01-31