Dar um bale: Ativismo materno na busca por serviços a bebês com Síndrome Congênita do Vírus Zika no Recife

  • Lays Venâncio Lira
Palavras-chave: Microcefalia, Maternidade, Zika, Epidemia, Antropologia

Resumo

Muitas ocorrências de uma doença transmitida por um vírus pouco conhecido despertaram grande atenção e preocupação das autoridades brasileiras e internacionais em 2015: o Zika vírus. A doença causada por este vírus (a Zika), é transmitida principalmente pelo mosquito Aedes aegypti – o mesmo vetor transmissor dos conhecidos vírus da Dengue e da Chikungunya. A epidemia ganhou ainda mais repercussão após vir a conhecimento público o grande número de nascimentos de bebês com microcefalia e outras anomalias congênitas e, até o início de 2016, sua suposta relação com o vírus da Zika. Hoje, dois anos depois do reconhecimento do surto, os desafios que se apresentam são outros, em especial para as chamadas “mães de micro”, que são as principais cuidadoras dessas crianças. A presente pesquisa tem como foco a análise antropológica da categoria “bale”, percebida em campo e contextualizada no fenômeno da síndrome, especialmente da microcefalia, no Recife/PE, como forma da expressão da mulher cuidadora na busca por atendimento nos serviços de saúde e direitos nas instituições municipais de saúde.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ALVES, Gabriel. “Microcefalia ligada ao zika é severa em 71% dos casos, diz estudo”. Folha de São Paulo, 23/01/2016.

MLAKAR, Jernej et al. Zika Virus Associated with Microcephaly. The New England Journal of Medicine, 2016; 374:951-958. March 10, 2016.

OLIVEIRA, Wanderson K. de et al. Zika Virus Infection and Associated Neurologic Disorders in Brazil. The New England Journal of Medicine, 2017; 376; 16. April 20, 2017.

BONETTI, Alinne de L. Não basta ser mulher, tem de ter coragem: uma etnografia sobre gênero, poder, ativismo feminino popular e o campo político feminista de Recife - PE. 2007. Tese (Doutorado em Ciências Sociais) - Instituto de Filosofia e Ciências Humanas, Universidade Estadual de Campinas.

COLLUCCI, Cláudia e GERAQUE, Eduardo. “Estudos apontam maior taxa de microcefalia em era pré-zika”. Folha de São Paulo, 15/02/2016.

FONSECA, Claudia. Apresentação - de família, reprodução e parentesco: algumas considerações. Cad. Pagu, Campinas , n. 29, p. 9-35, Dec. 2007 .

LAGUARDIA, Josué; PENNA, Maria Lúcia. Definição de caso e vigilância epidemiológica. Inf. Epidemiol. Sus, Brasília , v. 8, n. 4, p. 63-66, dez. 1999. Disponível em <http://scielo.iec.gov.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0104-16731999000400005&lng=pt&nrm=iso>.

LOWY, IIana: Vírus, Mosquitos e Modernidade, 2006: Fiocruz. Disponível em <http://static.scielo.org/scielobooks/7h7yn/pdf/lowy-9788575412398.pdf>

OMER B, Saad e BEIGI H, Richard. “Pregnancy in the Time of Zika : Addressing Barriers for Developing Vaccines and Other Measures for Pregnant Women”. JAMA, March 22/29, 2016 Volume 315, Number 12.

PRESSE, France. “Zika: entenda o que significa uma emergência de saúde pública global”. G1, 3 de fev. 2016. Disponível em: <http://g1.globo.com/bemestar/noticia/2016/02/zika-entenda-o-que-signifia-uma-emergencia-de-saude-publica-global.html>

Publicado
2019-01-31