A construção da imagem eleitoral do candidato João Dória em 2016: uma análise qualitativa a partir da Folha Online

  • Alberto Luís Araújo SILVA FILHO Instituto de Ciência Política, Universidade Federal do Piauí
  • Isadora Lemos Vaz CAMPOS Instituto de Ciência Política, Universidade Federal do Piauí
Palavras-chave: Política e Comunicação

Resumo

O presente estudo se insere na subárea de pesquisas da ciência política relacionada à comunicação política. As últimas eleições municipais, ocorridas em 2016, foram marcadas pelo esgotamento dos êxitos eleitorais do Partido dos Trabalhadores e pela ascensão de candidatos conservadores em todo o país. Um deles ganhou grande evidência, não só pelos números elevados de vantagem sobre o segundo colocado – então prefeito Fernando Haddad – mas também por se constituir enquanto um autoproclamado outsider do mundo político que galgou conquistar a prefeitura da cidade mais populosa do país, São Paulo: João Dória Jr. O objetivo deste artigo consiste em analisar, por meio do método da análise de conteúdo, como se constituiu a conversão do empresário em candidato a partir da imagem eleitoral. Para isso, serão mapeadas notícias do portal de notícias mais lido na capital paulista: o site da Folha de São Paulo, objetivando identificar as abordagens predominantes sobre a campanha de Dória e a quantidade de vezes na qual o conteúdo relacionado à mesma é evidenciado. Com isso, pretende-se contribuir para investigações referentes ao recrudescimento na seleção democrática de figuras políticas provenientes de fora das elites políticas consolidadas.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

BEZERRA, Ada Kesea Guedes. SILVA, Fabio Ronaldo da. O marketing político e a importância da imagem-marca em campanhas eleitorais majoritárias. 2005.

BOURDIEU, Pierre. La represéntation politique Éléments pour une théorie du champ politique. Actes de la recherche em sciences sociales. Anné 1981. Volume 36. Numéro 1. pp.3-24.

GALINDO, Daniel. Do marketing político ao marketing do político. In QUEIROZ, Adolpho C.F. MACEDO, R. G. (org.). A Propaganda Política no Brasil contemporâneo. Cátedra UNESCO. Metodista de Comunicação São Bernardo do Campo. 2008.

LIMA, Venício. Revisitando as sete teses sobre mídia e política no Brasil. Comunicação & Sociedade, ano 30, n.51, janeiro a junho de 2009.

MANIN, Bernand. As metamorfoses do governo representativo. Revista Brasileira de Ciências Sociais, São Paulo, ano 10, n.29, 1995.

McCOMBS, Maxwell. SHAW, Donald. The agenda setting function of mass media. The Public Opinion Quarterly, Vol.36, n.2 (Summer 1972).

MIGUEL, Luis Felipe. Mídia e eleições: a campanha de 1998 na Rede Globo. Dados, vol. 42, nº 2. Rio de Janeiro, 1999,__________________. Discursos cruzados: telenoticiários, HPEG e a construção da agenda eleitoral. Sociologias, ano 6, n.11, janeiro a junho de 2004.

__________________. Falar bonito: o Kitsch como estratégia discursiva. Revista Brasileira de Ciência Política, nº 6. Brasília, julho - dezembro de 2011, pp. 183-202. 2011

MUNDIM, P.S. Cientistas políticos, comunicólogos e o papel da mídia nas teorias da decisão do voto. Revista Política Hoje, v.19, n.2, 2010.

NOELLE NEUMANN, E. Pesquisa eleitoral e clima de opinião. Opinião Pública, v.I, n.2, dezembro de 1993.

RIBEIRO, P. F. Um partido em mutação: a transformação do PT e seus reflexos sobre as campanhas presidenciais (1989-2002). 184 f. Dissertação (Mestrado em Ciências Sociais). Centro de Educação e Ciências Humanas, Universidade Federal de São Carlos, São Carlos, 2004.

RUBIM, A.A.C.; COLLING, L. Mídia, cultura e eleições presidenciais no Brasil contemporâneo. Comunicação e Política. Covilhã: Universidade da Beira Interior, 2005.

RUBIM, A.A.C.; AZEVEDO, F.A. Mídia e política no Brasil: textos e agendas de pesquisa. Lua Nova, n.43, 1998.

WEBER, M.H. O estatuto da imagem pública na disputa política. Ecopós, v.12, n.3, setembro a dezembro de 2009.

Publicado
2017-12-24