EDUCAÇÃO, BIOÉTICA E CIDADANIA: APROXIMAÇÕES, CONVERGÊNCIAS E TRANSVERSALIDADES NA PERSPECTIVA DA TEORIA CRÍTICA

  • Nilo Agostini
Palavras-chave: Educação, Bioética, Cidadania, Saúde, Ética

Resumo

Este texto parte de uma investigação teórica buscando tecer as convergências e transversalidades entre educação, bioética e cidadania, através de algumas de suas interfaces. Parte do diálogo em construção entre os sujeitos ativos nestes campos. Assim, a educação investe no sujeito e, permeada pela ética, tece aproximações e identifica transversalidades com a bioética e a cidadania, apostando sempre na emergência do sujeito ético. Capaz de ação e reflexão – ser da práxis – este sujeito investe na transformação da realidade e de si mesmo. Faz da bioética um campo de diálogo que prima pela vida, com atenção à saúde pública. Foca a cidadania como construção histórica, na conquista, incorporação e consolidação de direitos, como é o da saúde. Investe na emancipação dos sujeitos e comunidades, capazes de uma autorreflexão crítica, de assumir compromissos históricos e de buscar alternativas no conjunto da vida social.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

AGOSTINI, N. Bioética: delimitações protetoras da vida. Revista Communio, v. 18, n. 87, p. 137-158, 2003.

______. Ética: diálogo e compromisso. São Paulo: FTD, 2010.

BENEVIDES, M. V. de M. Cidadania e Democracia. Lua Nova. Revista de Cultura e Política, v. 33, p. 5-16, 1994.

BERLINGUER, G. Questões de vida. Ética, ciência, saúde. São Paulo: APCE/Hucitec/CEBES, 2993.

______. Bioética cotidiana. Brasília: UNB, 2004.

BORDENAVE, J. D. O que é participação. São Paulo: Brasiliense, 1986.

BUSS, P. M. Promoção da saúde e qualidade de vida. Ciência & Saúde Coletiva, v. 5, n. 1, p. 163-177, 2000.

CORTINA, A., & MARTINEZ, E. Ética. São Paulo: Loyola, 2005.

DUSSEL, E. Filosofia da libertação: crítica à ideologia da exclusão. São Paulo: Paulus. 1995.

FERREIRA A. B. H. Novo Dicionário da Língua Portuguesa. (2ª ed.) Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1986.

FOUCAUL, M. Microfísica do poder. Rio de Janeiro: Graal, 2001.

FREIRE, P. Educação e mudança. 30ª ed. São Paulo: Paz e Terra, 2007.

______. Pedagogia da autonomia: saberes necessários à prática educativa. 49ª ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 2014.

GARRAFA, V. Dimensão da Ética em Saúde Pública. São Paulo: Universidade de São Paulo, Faculdade de Saúde Pública, 1995.

______. Da bioética de princípio a uma bioética interventiva. Bioética, v. 13, n. 1, p. 125-134, 2005.

GARRAFA, V., KOTTOW, M., & SAADA, A. Bases conceituais da Bioética: enfoque latino-americano. São Paulo: Gaia, 2006.

GUEIROS, M. J. G. Serviço Social e Cidadania. Rio de Janeiro: Agir, 1991.

HOTTOIS, G. Qu ́est-ce que la bioéthique?Paris: Vrin, 2004.

HUBER, W. Direitos humanos: um conceito e sua história. Concilium, n. 144, p. 7-17, 1997.

JENNINGS, B. et al. New Choices, New Responsibilities: Ethical Issues in the Life Sciences: A Teaching Resource on Bioethics for High School Biology Courses. USA: Hastings Center, Ringbound edition, 1991.

JUNGES, J. R. Direito à saúde, biopoder e bioética. Interface – Comunicação, Saúde, Educação, v. 13, n. 29, p. 285-295, 2009.

JUNQUEIRA, S.R., & JUNQUEIRA, C.R. Bioética e saúde pública. In: RAMOS, D. L. P. (Ed.). Bioética, pessoa e vida. São Caetanos do Sul: Difusão, p. 78-92, 2009.

LA TAILLE, Y., SOUZA, L., & VIZIOLLI, L. Ética e educação: uma revisão da literatura educacional. Educação e Pesquisa, v. 30, n. 1, p. 91-108, 2004.

LEITE, S. N., & TONOLLI, L. M. Uma terceira via para a gente aprender as coisas femininas... perspectivas sobre o desenvolvimento de um projeto de promoção de saúde e cidadania de meninas. Interface – comunicação, saúde, educação, v. 14, n. 35, p. 933-942, 2010.

LIPOVETSKY, G. O crepúsculo do dever. A ética indolor dos novos tempos democráticos. Lisboa: Dom Quixote, 1994.

MCLAREN, P. A vida nas escolas: Uma introdução à pedagogia crítica nos fundamentos da educação. 2ª ed. Porto Alegre: Artes Médicas, 1997.

MORIN, E. (1984). Ciência com consciência. Portugal: Europa-América, 1984.

MOURA, J. B. V. S. et al. Perspectiva da epistemologia histórica e a escola promotora de saúde. História, Ciências, Saúde – Manguinhos, v. 14, n. 2, p. 489-501, 2007.

NOGUEIRA, R.P. Higiomania: a obsessão com a saúde na sociedade contemporânea. In: VASCONCELOS, E. M. (Ed.). A saúde nas palavras e nos gestos: reflexões da rede educação popular e saúde. São Paulo: Hucitec, p. 63-72, 2001.

PAIM. J. S. Saúde coletiva como compromisso: a trajetória da Abrasco. Caderno Saúde Pública, v. 23, n. 10, p. 2521-2, 2007. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0102-311X2007001000030. Acesso: 01/08/2016.

RODRIGUES, N. Educação: Da formação humana à construção do sujeito ético. Educação & Sociedade, v. 76, n. 22, p. 232-257, 2001.

SANTOS, E. V. M. Cidadania, conhecimento, ciência e educação CTS: Rumo a “novas” dimensões epistemológicas. Revista CTS, v. 2, n. 6, p. 137-157, 2005.

SAUL A. M., & SILVA, A. F. G. Uma leitura a partir da epistemologia de Paulo Freire: a transversalidade da ética na educação, currículo e ensino. Revista Cocar, v. 6 n. 11, p. 7-15, 2012.

SEVERINO, A. J. A busca de sentido da formação humana: tarefa da filosofia da Educação. Educação e Pesquisa, v. 32, n. 3, p. 619-634, 2006.

SFEZ, L. A saúde perfeita: crítica de uma nova utopia. São Paulo: Loyola, 1996.

SIEGWALT, G. L’université, les sciences et la théologie: Un projet de dialogue interdisciplinaire. In: SIEGWALT, G. (Ed.). La nature a-t- elle um sens? Civilisation technologique et conscience chrétienne devant l’ inquiétude écologique. Strasbourg: CERIT, p. 7-14, 1980.

SILVA, P. F. Formação em bioética: proposta para uma educação em valores. Revista Pandora Brasil, v. 28, 2011. Disponível em:http://revistapandorabrasil.com/revista_pandora/seculo/paulo.pdf. Acesso: 01/08/2016.

SILVA, E. M., & PRATA, R. V. Educação em saúde e cidadania: uma análise das articulações das ideias de cidadania nos periódicos de educação em saúde:Atas do IX Encontro Nacional de Pesquisa em Educação em Ciências – IX ENPEC, Águas de Lindóia, SP: Associação Brasileira de Pesquisa em Educação em Ciências, 2013. Disponível em: www.nutes.ufrj.br/abrapec/ixenpec/arquivos/Livro_WEB.pdf. Acesso em: 10/08/2016.

UNESCO. Declaração Universal sobre Bioética e Direitos Humanos. Brasília: Cátedra Unesco da UnB, Sociedade Brasileira de Bioética, 2005.

URTIAGA, M. E. O. Ética, Bioética e cidadania. Revista Acadêmica de Medicina, v. 7, n. 1/2, p. 3-4, 2002.

VIEIRA, J. B., & VERDI, M. I. M. Interfaces entre Saúde coletiva e bioética a partir de um estudo da publicação de autores vinculados à pós-graduação em saúde coletiva no Brasil. Interface – Comunicação Saúde Educação, v. 15, n. 36, p. 21-37, 2011.

VILANOVA, R. A. Cidadania nos livros didáticos de ciências: mudança discursiva, mediações e tensões na dinâmica de produção das coleções didáticas para a educação pública. Tese de Doutorado em Educação, Rio de Janeiro: Pontifícia Universidade Católica, 2011.

Publicado
2018-12-21
Seção
Dossiê: "Teoria Crítica e Educação na atualidade: olhares plurais"