O USO DO SMARTPHONE E A CONSTRUÇÃO DE SENTIDO

  • Ana Carolina Kastein Barcellos
Palavras-chave: Compreensão Leitora; Indústria Cultural; Tecnologia.

Resumo

O objetivo da pesquisa é apresentar embates e discutir perspectivas sobre a atualidade do conceito de indústria cultural para analisar o uso do smartphone e seus derivados e sua relação com a compreensão leitora e a construção de sentido. A questão que norteia a pesquisa é: Após o término da educação básica e diante do uso constante da linguagem imagética presente nos conteúdos acessados pelos smartphones e seus derivados, é possível o sujeito fazer uma leitura, de forma crítica e dialética de, por exemplo, uma charge? Em que medida, isso poderia ocorrer? A hipótese da pesquisa é que, ao realizar a leitura no aparato, a palavra perde relevância comparada à imagem que é percebida, visualizada, mais do que pensada/entendida e o seu conceito se reduz a uma função icônica. Por isso, o campo semântico se limita a associações automáticas e, dessa forma, operacionalizam-se as leituras. A pesquisa empírica realizada foi desenvolvida com a participação de estudantes com idades entre 17 e 19 anos, ou seja, que já concluíram a educação básica e ingressaram em uma universidade. O instrumento de pesquisa aplicado foi uma questão escrita a partir de uma charge com um assunto vinculado ao dia a dia dos participantes e, uma entrevista previamente formulada.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ADORNO, T. W.; HORKHEIMER. M. Dialética do Esclarecimento: Fragmentos filosóficos. Rio de Janeiro: Zahar, 1985.ADORNO. Educação e emancipação. São Paulo: Paz e Terra, 2006.BENJAMIN, W. Obras escolhidas. Magia e técnica, arte e política. São Paulo: Editora Brasiliense 1994.BOCK, F.W. Novas mídias e ideologia: sobre a crítica do esclarecimento digitalizado. In: Teoria crítica na era digital. Desafios. PUCCI, B.; FRANCO R.; GOMES, L.R.(Org.).1. Coleção Teoria Crítica. São Paulo: Nankin, 2014 (pp.265-289). COMITÊ GESTOR DA INTERNET NO BRASIL. (2015). Disponível em http://agenciabrasil.ebc.com.br/pesquisa-e-inovacao/noticia/2015-09/815-milhoes-de-brasileiros-acessam-internet-pelo-celular-aponta Acesso em 15 de jun 2016.COSTA, B.C.G. Indústria cultural e digitalização da informação: mudanças de plataformas de racionalidade técnica. In: Teoria crítica na era digital. Desafios. MAIA, F.A.; ZUIN, A.A.S.; LASTÓRIA, L.A.C.N. (Org.) 2. Coleção Teoria Crítica. São Paulo: Nankin, 2015. (pp.155-166) COSTA, B. C. G. da. Dialética do esclarecimento: a sociedade da sensação e da (des) informação. In: RAMOS-DE-OLIVEIRA, N; PUCCI, B; ZUIN, A. A. S. (Orgs.) Ensaios frankfurtianos. São Paulo: CORTEZ, 2004, pp.175-188.GLOBALWEBINDEX. (2015) Disponível em http://www.globalwebindex.net/blog/fast-growth-nations-clock-up-the-most-hours-for-mobile-web-usage Acesso em 17 de jun 2016.KASSAB,A. Sob a mira da metralhadora audiovisual. In: Jornal da UNICAMP,Campinas, 2010, out XXIV n. 477. Disponível emhttp://www.unicamp.br/unicamp/unicamp_hoje/ju/outubro2010/ju477_pag0607.phpAcesso em 30 marc 2016.KOCH, I. G. V. Desvendando os segredos do texto. 6ª ed. São Paulo: Cortez, 2009.MOZZILA.ORG. (2016). Disponível em https://www.mozilla.org/pt-BR/internet-health/ Acesso em set 2016.PAZ, O. Chiapas: hechos, dichos y gestos. Obra completa. Barcelona, Galaxia Gutemberg/ Circulo de leitores: 2002, p. 546. IN: VARGAS LOSA, M. A civilização do espetáculo. Uma radiografia do nosso tempo e da nossa cultura. Trad. Ivone Benedetti. Rio de Janeiro: Objetiva, 2013.PUCCI, B.; FRANCO R.; GOMES, L.R.(Org.) Teoria crítica na era digital. Desafios.1. Coleção Teoria Crítica. São Paulo: Nankin, 2014.

PUCCI, B. (org.) Teoriacrítica e educação. A questão da formação cultural na Escola de Frankfurt. Petrópolis: Ed Vozes / São Carlos: Ufscar, 2007.PUCCI, B. A Dialética negativa enquanto metodologia de pesquisa em educação atualidades Revista Científica e-curriculumv. 8, n.1 (2012). Disponível em http://revistas.pucsp.br/index.php/curriculum/article/view/9030/6630RELATÓRIO DE SAÚDE NA INTERNET. (2016). Disponível em https://internethealthreport.org/v01/decentralization/. Acesso em dez 2016.TÜRCKE. C. Sociedade Excitada: filosofia da sensação. Editora Unicamp: Campinas, 2010.TÜRCKE, C. Hiperativos! Abaixo a cultura do déficit de atenção. São Paulo: Paz e Terra, 2016

Publicado
2018-12-21
Seção
Dossiê: "Teoria Crítica e Educação na atualidade: olhares plurais"