METAgraphias


Imagem para capa da revista

Muitas vezes, para que uma iniciativa prossiga em suas intenções, palavras devem adquirir certas especificidades, o que implica na elaboração de sentidos (sensoriais e cognitivos).

Estas supostas especificidades engendram a definição conceitual das próprias palavras a serem utilizadas, o que pode acontecer (e geralmente acontece) com outras palavras. Ou seja: as palavras, enquanto elementos estilísticos e discursivos, são metalinguísticas em si mesmas. No entanto, considerando que as visualidades compõem conteúdo fundante deste projeto editorial, cujo enfoque é a elaboração de conteúdos bibliográficos para formatos não-bibliomórficos, talvez seja sensato pleitear outras possibilidades de apresentação.

Deste modo, conceitos e palavras também ganham espaço para que sejam apresentados como se fossem imagens. Assim, a relação entre palavras e visualidades não fica restrita à ilustração, à decoração cognitiva, ao supérfluo e desnecessário. O que sinceramente, sem implicar juízos, não precisa ser qualquer coisa além de qualidades desejadas, caso seja a intenção. No mais, REALizem o impossível. Sempre.