Estado da arte da língua Kinikinau: estudos descritivos, sociolinguísticos e comparativos

  • Andérbio Márcio Silva Martins Universidade Federal da Grande Dourados
  • Gabriel Barros Viana de Oliveira Universidade de Brasília
Palavras-chave: Língua Kinikinau. Família Aruák. Estado da arte

Resumo

Objetivamos neste estudo apresentar o estado da arte da língua Kinikinau, uma língua Aruák (cf. Aikhenvald 1999: 67) localizada atualmente no pantanal sul-matogrossense e que se encontra em estágio moribundo (menos de 7 falantes), conforme Oliveira (2017). Chamamos a atenção para a quantidade de trabalhos descritivos existentes e apresentamos alguns questionamentos acerca dos estudos comparativos, na tentativa de que sejam vistos como formas provisórias de se compreender a língua e as mudanças pelas quais passou ao longo do tempo. O artigo está dividido da seguinte maneira: na seção 1, fazemos uma pequena apresentação sobre o povo Kinikinau, sobre a situação sociolinguística crítica em que a língua se encontra e sobre a literatura linguística da língua Kinikinau; na seção 2, tratamos do que se pensava ser o único estudo dessa língua no século XIX; na seção 3, tratamos dos estudos realizados no século XX; e na seção 4, apresentamos os estudos desenvolvidos no século XXI. Por fim, na seção 5, tecemos algumas considerações finais sobre o assunto.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Andérbio Márcio Silva Martins, Universidade Federal da Grande Dourados

Professor do programa de Pós-Graduação em Letras da Faculdade de Comunicação, Artes e Letras da Universidade Federal da Grande Dourados (PPG Letras/FACAALE/UFGD).

Gabriel Barros Viana de Oliveira, Universidade de Brasília

Doutorando no programa de Pós Graduação em Linguística da Universidade de Brasília

Referências

Aikhenvald, Alexandra Y. 1999. The Arawak language family. In R.M.W. Dixon; Alexandra Y. Aikhenvald (eds.). The Amazonian Languages, pp. 65-105. Cambridge: Cambridge University Press.

Anchieta, Joseph de. 1595. Arte de grammatica da lingua mais usada na Costa do Brasil. Coimbra: Antonio de Mariz.

Bendor-Samuel, John. 1961a. An outline of the gramatical and phonological structure of Terêna. (Part 1. Arquivo Linguístico 090). Brasília: Summer Institute of Linguistics (SIL).

Bendor-Samuel, John. 1961b. An outline of the gramatical and phonological structure of Terêna. (Part 2. Arquivo Linguístico 091). Brasília: Summer Institute of Linguistics (SIL).

Bendor-Samuel, John. 1966. Some prosodic features in Terena. In R. H. Robins (ed.). In memory of J. R. Firth, pp. 348-355. Londres: Longmans.

Brinton, Daniel. 1891. The American race. Nova York: Hodgges Publisher.

Campbell, Lyle. 1997. American Indian Languages: The historical linguistics of Native America. Oxford: Oxford University Press.

Campbell, Lyle. 1998. Historical Linguistics. Edinburgh: Edinburgh University Press.

Campbell, Lyle. 2012. Classification of the indigenous languages of South America. In Lyle Campbell; Verónica Grondona (eds.). The indigenous of South America: a comprehensive guide, pp. 59-166. Berlim: Mouton de Gruyter.

Canazilles, Karolinne Sotomayor A.. 2013. A produção e comercialização do artesanato Kinikinau em Mato Grosso do Sul. (Dissertação de mestrado em Meio Ambiente e Desenvolvimento Regional). Campo Grande, Mato Grosso do Sul: UNIDERP.

Canazilles, Karolinne Sotomayor A.; Santos, Karen Silva; Matias, Rosimary; Bono, José Antônio M.; Alves, Gilberto L.. 2013. Qualidade da água empregada na confecção do artesanato cerâmico Kinikinau, Mato Grosso do Sul. Anais do V Seminário Povos Indígenas e Sustentabilidade, pp. 52-62, Campo Grande, Mato Grosso do Sul: Universidade Católica Dom Bosco – UCDB.

Canazilles, Karolinne Sotomayor A.; Alves, Gilberto L.; Matias, Rosimary. 2013. Os Kinikinau: trajetória histórica e a reinvenção do artesanato. Albuquerque 5: 99-120.

Canazilles, Karolinne Sotomayor A.; Alves, Gilberto L.; Matias, Rosimary. 2015. Comercialização do artesanato Kinikinau na cidade ecoturística de Bonito, Mato Grosso do Sul, Brasil. Pasos 13: 1171-1182.

Carvalho, Fernando Orphão. 2016. Terena, Chané, Guaná and Kinikinau are one and the same language: Setting the Record Straight on Southern Arawak Linguistic Diversity. LIAMES. Línguas Indígenas Americanas 16: 39-57.

Castelnau, Frasncis. 1949. Expedição às regiões centrais da América do Sul. São Paulo: Cia. Ed. Nacional, 2 v.

Castro. Iara Quelho de. 2005. Nas lutas pela defesa de direitos, as alianças possíveis: os Kinikinau no movimento indígena. Londrina: Simpósio.

Castro, Iara Quelho de. 2010. De Chané-Guaná a Kinikinau: da construção da etnia ao embate entre o desaparecimento e a persistência. (Tese de doutorado em História). Campinas: Universidade Estadual de Campinas, Instituto de Filosofia e Ciências Humanas.

Castro. Iara Quelho de. 2011. Os Chané-Guaná e os europeus na constituição do Gran Chaco Colonial. Anais do Simpósio Nacional de História, pp. 6-11. São Paulo: ANPUH.

Couto, Valéria Guimarães de Carvalho. 2006. A língua Kinikinau: estudo do vocabulário e conceitos gramaticais. (Dissertação de mestrado em Letras). Três Lagoas, Mato Grosso do Sul: Universidade Federal de Mato Grosso do Sul.

Couto, Valéria Guimarães de Carvalho. 2017. KINIKINAU: um recorte sociolinguístico. In Giovanni José da Silva; Ayla Vilela Bolzan; Rosaldo A. Souza (eds.). Kinikinau: arte, história, memória e resistência, pp. 115-134. Curitiba: Editora CRV.

Dietrich, João Evaldo Ghizoni. 2012. A identidade Kinikinau como máquina de guerra para a ocupação e manutenção territorial no Mato Grosso do Sul. (Monografia de graduação em Geografia). Jardim, Mato Grosso do Sul: Universidade Estadual de Mato Grosso do Sul.

Dietrich, João Evaldo Ghizoni. 2014. Territorialidade Kinikinau: estudo sobre a desterritorialização/territorializanteda etnia. Anais do VII Congresso Brasileiro de Geógrafos. Vitória, Espírito Santo: Universidade Federal do Espírito Santo.

Dietrich, João Evaldo Ghizoni. 2015. Identidade Kinikinau como máquina de guerra para a ocupação e manutenção territorial no Mato grosso do Sul. (Dissertação de mestrado em Geografia). Dourados: Universidade Federal da Grande Dourados.

Eastlack, Charles. 1968. Terema (Arawakan) pronouns. International Journal of American Linguistics 34: 1-8.

Ekdahl, Muriel; Butler, Nancy. 1969. Terêna dictionary. (Arquivo Linguístico 069). Brasília: Summer Institute of Linguistics (SIL).

Ekdahl, Muriel; Butler, Nancy. 1979. Aprenda Terêna. Brasília: Summer Institute of Linguistics (SIL).

Fabre, Alain. 2005. Diccionario etnolingüístico e guía bibliográfica de los pueblos indígenas sudamericanos. Disponível em (http://www.ling.fi/Entradas%20diccionario/Dic=Arawak.pdf). (Acesso 11/03/2017).

Figueira, Luis. 1687. Arte de grammatica da lingua brasilica. Lisboa: Miguel Deslandes.

Fonseca, João Severiano da. 1899. Voyage autour du Brésil. Edition pour les Américanistes. Rio de Janeiro: Librairie A. Lavignasse Filho & C..

Hock, Hans Henrich. 1991. Principles of historical linguistics. Berlin: Mouton de Gruyter.

José da Silva, Giovanni. 2007. Ressurgidos, emergentes, resistentes: reflexões sobre as presenças indígenas Atikum, Kamba e Kinikinau em Mato Grosso do Sul. Anais da 5ª Semana de História, pp. 87. Três Lagoas, Mato Grosso do Sul: Universidade Federal de Mato Grosso do Sul.

José da Silva, Giovanni. 2014. Histórias de admirar: os Kinikinau. Aquidauana, Mato Grosso do Sul: Jornal O Pantaneiro.

José da Silva, Giovanni.; Souza, José Luis. 2003. O despertar da fênix: a educação escolar como espaço de afirmação da identidade étnica Kinikinau em MS. Sociedade e Cultura 6(2): 50-60.

José da Silva, Giovanni.; Souza, José Luis. 2005. O Curso de Formação de Professores Kadiwéu e Kinikinau: limites e avanços de uma experiência pedagógica intercultural. Anais do 15º Congresso de Leitura do Brasil, pp. 30. Campinas: Unicamp.

José da Silva, Giovanni.; Souza, José Luis. 2008. História, etnicidade e cultura em fronteiras: os Kinikinau em Mato Grosso do Sul. In Luís M Rocha; Sérgio G. Baines (eds.). Fronteiras e espaços interculturais, pp. 33-50. Goiânia: UCG.

José da Silva, Giovanni.; Souza, José Luis. 2017. A diáspora Kinikinau: a trajetória histórica de um grupo indígena “extinto” (Séculos XX e XXI). In Giovanni José da Silva; Ayla Vilela Bolzan; Rosaldo A. Souza (eds.). Kinikinau: arte, história, memória e resistência, pp. 167-177. Curitiba: Editora CRV.

Kaufman, Terrence. 1990. Language history in South America: what we know and how to know more. In David Payne (ed.). Amazonian Linguistics – studies in lowland South American languages, pp. 13-73. Austin: University of Texas Press.

Laverger. 1862. Diário do reconhecimento do rio Paraguai desde a cidade de Assunção até o Paraná, 1845. Revista Trimestral do Instituto Histórico, Geográfico e Etnográfico do Brasil 25: 222.

Loukotka, Chestmir. 1932. La família Kamakan del Brasil. Revista del Instituto de Etnología de la Universidad Nacional de Tucumán 1(2): 493-524.

Loukotka, Chestmir. 1968. Classification of South American Indian languages. (Reference Series 7). Los Angeles: University of California.

Mason, John Alden.1946. The languages of South American indians. In Julian Steward (ed.). Handbook of South American Indians, pp. 157-317. Washington: Government Printing Office.

Montoya, Antonio Ruiz de. 1639. Tesoro de la lengua guarani. Madrid: publicado por Luan Sánchez.

Montoya, Antonio Ruiz de. 1640. Arte, y bocabulario de la lengua guarani. Madrid: publicado por Luan Sánchez.

Moutinho, Joaquim Ferreira. 1869. Noticia sobre a província de Matto Grosso: seguida d’um roteiro da viagem da sua xcapital a’ S. Paulo. São Paulo: Typografia de Henrique Schroeder.

Payne, David L.. 1991. A classification of maipuran (Arawakan) languages based on shared lexical retentions. In Desmond Derbyshire; Geoffrey K. Pullum (eds.). Handbook of amazonian languages, vol. III, pp. 355-499. Berlin: Mouton de Gruyter.

Roberto, Inácio. 2017. Povo Indígena Kinikinau. In Giovanni José da Silva; Ayla Vilela Bolzan; Rosaldo A. Souza (eds.). Kinikinau: arte, história, memória e resistência, pp. 161-165. Curitiba: Editora CRV.

Rodrigues, Aryon Dall’Igna. 1999. Macro-Jê. In R.M.W. Dixon; Alexandra Y. Aikhenvald (eds.). The Amazonian Languages, pp. 164-206. Cambridge: Cambridge University Press.

Rosa, Andréa M.. 2010. Aspectos morfológicos do Terena (Aruák). (Dissertação de Mestrado em Linguística). Belo Horizonte, Minas Gerais: Universidade Federal de Minas Gerais.

Santos, Lucicleide Gomes (2009). Os Kinikinawa: uma etnia em processo de afirmação étnica. Anais do IV Congresso Internacional de História, pp. 4705-4716. Maringá, Paraná: CHICHETC.

Silva, Denise. 2013. Estudo lexicográfico da língua Terena. (Tese de Doutorado em Linguística e Língua Portuguesa). Araraquara, SP: UNESP, Faculdade de Ciências e Letras.

Silva, Verone Cristina da. 2001. Missão, aldeamento e cidade: os Guaná entre os Albuquerque e Cuiabá. (Dissertação de Mestrado em História). Cuiabá, Mato Grosso: Universidade Federal de Mato Grosso.

Souza, Ilda de. 2007. Índios Kinikinau: aspectos etnolinguísticos. Tellus 7: 103-133.

Souza, Ilda de. 2008. Koenukunoe Emo ‘u: a língua dos índios Kinikinau. (Tese de doutorado em Linguística. Campinas: Universidade Estadual de Campinas, Instituto de Estudos da Linguagem.

Souza, Ilda de. 2009. Kinikinau: uma língua à beira da extinção. Guavira Letras 8: 149-165.

Souza, Ilda de. 2015. Concordância: verbos e nomes na língua Kinikinau. Web-Revista SOCIODIALETO 5: 112-134.

Souza, Ilda de.. 2017. KINIKINAU: a língua silenciada. In Giovanni José da Silva; Ayla Vilela Bolzan; Rosaldo A. Souza (eds.). Kinikinau: arte, história, memória e resistência, pp. 71-96. Curitiba: Editora CRV.

Souza, Rosaldo A.. 2012. Sustentabilidade e processo de reconstrução identitária entre o povo indígena Kinikinau (Koinukunôen em Mato Grosso do Sul). (Dissertação de mestrado em Desenvolvimento Sustentável, modalidade: Sustentabilidade junto a Povos e Terras Indígenas. Brasília: Universidade de Brasília.

Souza, Rosaldo A. Sustentabilidade na reconstrução identitária do povo indígena Kinikinau. In Giovanni José da Silva; Ayla Vilela Bolzan; Rosaldo A. Souza (eds.. Kinikinau: arte, história, memória e resistência, pp. 135-160. Curitiba: Editora CRV.

Steinen, Karl von der. 1940. Entre os aborígenes do Brasil Central. São Paulo: Dep. De Cultura.

Taunay, Alfredo D’Escragnolle. 1940. Entre nossos índios: Chanés, Terenas, Kinikinaus, Guanás, Laianas, Guatós, Guaycurus, Caingangs. São Paulo: Companhia Melhoramentos.

Taunay, Alfredo D’Escragnolle. 1948. Memórias do Visconde de Taunay. São Paulo: IPE.

Taunay, Alfredo D’Escragnolle. 1997. A Retirada da Laguna: episódio da guerra do Paraguai. São Paulo: Companhia das Letras.

Thomason, Sarah G.; Kaufman, Terrence. Language contact, creolization and genetic linguistics. 1988. Los Angeles: University California Press.

Publicado
2018-12-20
Seção
Artigos

##plugins.generic.recommendByAuthor.heading##