Caminhos da distopia no romance contemporâneo: a espera sem horizontes do individualismo niilista

Palavras-chave: distopia, individualismo, cinismo

Resumo

Peter Sloterdijk, ao caracterizar o individualismo “pós-social” da contemporaneidade para descrever o que considera o niilismo pós-moderno, apresenta um tipo de homem que renuncia à continuidade por meio da procriação e da transmissão da herança, em nome de seus próprios privilégios, numa espiral de egoica autossatisfação. O romance Heranças, de Silviano Santiago (2008), em sua contracena de pastiche e rebaixamento com o célebre Memórias póstumas de Brás Cubas, de Machado de Assis (1880), ao replicar o personagem machadiano na figura petulante de Walter, encena com requintes esta nova humanidade. A conduta cínica que o singulariza, gravada no estilo de sua narrativa autoconsciente, constitui a mais genuína encarnação da “falsa consciência esclarecida”. Isto porque, a saga deste “réu confesso”, após uma existência infecunda, consuma a sinergia da ambição pessoal com os imperativos de um sistema econômico corrupto e injusto. Nesse sentido, Heranças, pela voz de seu narrador e pseudoautor, e pela emulação que esta representa diante da dicção do inesquecível “defunto-autor” machadiano, reelabora a assepsia da estilística machadiana, rebaixando-a a uma dicção exibicionista de cafajeste.

Downloads

Não há dados estatísticos.
Publicado
2019-02-15
Como Citar
Dias, Ângela M. (2019). Caminhos da distopia no romance contemporâneo: a espera sem horizontes do individualismo niilista. Estudos De Literatura Brasileira Contemporânea, (56), 1-8. https://doi.org/10.1590/2316-40185619