Caminhos da distopia no romance contemporâneo: a espera sem horizontes do individualismo niilista

Palavras-chave: distopia, individualismo, cinismo

Resumo

Peter Sloterdijk, ao caracterizar o individualismo “pós-social” da contemporaneidade para descrever o que considera o niilismo pós-moderno, apresenta um tipo de homem que renuncia à continuidade por meio da procriação e da transmissão da herança, em nome de seus próprios privilégios, numa espiral de egoica autossatisfação. O romance Heranças, de Silviano Santiago (2008), em sua contracena de pastiche e rebaixamento com o célebre Memórias póstumas de Brás Cubas, de Machado de Assis (1880), ao replicar o personagem machadiano na figura petulante de Walter, encena com requintes esta nova humanidade. A conduta cínica que o singulariza, gravada no estilo de sua narrativa autoconsciente, constitui a mais genuína encarnação da “falsa consciência esclarecida”. Isto porque, a saga deste “réu confesso”, após uma existência infecunda, consuma a sinergia da ambição pessoal com os imperativos de um sistema econômico corrupto e injusto. Nesse sentido, Heranças, pela voz de seu narrador e pseudoautor, e pela emulação que esta representa diante da dicção do inesquecível “defunto-autor” machadiano, reelabora a assepsia da estilística machadiana, rebaixando-a a uma dicção exibicionista de cafajeste.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ASSIS, Machado de (1980). Instinto de nacionalidade. In: COUTINHO, Afrânio (Org.). Caminhos do pensamento crítico, v. 1. Rio de Janeiro: Pallas, p. 355-363.

ASSIS, Machado de (1962). Memórias póstumas de Brás Cubas. São Paulo: Edigraf.

FOUCAULT, Michel (2001). Estética: literatura e pintura, música e cinema. Tradução de Inês Autran Dourado Barbosa. Rio de Janeiro: Forense Universitária.

LIMA, Luiz Costa (1981). Dispersa demanda (ensaios sobre literatura e teoria). Rio de Janeiro: Francisco Alves.

LYOTARD, Jean-François (1987). O pós-moderno explicado às crianças. Tradução de Tereza Coelho. Lisboa: Publicações Dom Quixote.

SAFATLE, Vladimir (2008). Cinismo e falência da crítica. São Paulo: Boitempo.

SANTIAGO, Silviano (2008). Heranças. Rio de Janeiro: Rocco.

SCHWARZ, Roberto (1990). Um mestre na periferia do capitalismo. São Paulo: Duas Cidades.

SLOTERDIJK, Peter (1999). No mesmo barco:ensaio sobre a hiperpolítica. Tradução de Claudia Cavalcanti. São Paulo: Estação Liberdade.

SLOTERDIJK, Peter (2012). Crítica da razão cínica. Tradução de Marco Casanova, Paulo Soethe, Pedro Costa Rego, Maurício Mendonça Cardozo, Ricardo Hiendlmayer. São Paulo: Estação Liberdade.

TORRES FILHO, Rubens Rodrigues (1987). Ensaios de filosofia ilustrada. São Paulo: Editora Brasiliense.

Publicado
2019-02-15
Como Citar
Dias Ângela M. (2019). Caminhos da distopia no romance contemporâneo: a espera sem horizontes do individualismo niilista. Estudos De Literatura Brasileira Contemporânea, (56), 1-8. https://doi.org/10.1590/2316-40185619