Despindo a narrativa: uma poética felina (apontamentos acerca da alteridade)

Palavras-chave: animal, humano, fronteira, alteridade

Resumo

A partir dos estudos culturais, a interdisciplinaridade das ciências trouxe à tona temas como a questão do ser humano e/ou animal. Nesse espaço denominado animais studies se embrenharam pesquisadores como Jacques Derrida e J. M. Coetzee (escritos sobre o animal), Michael Foucault (loucura e animalidade), Deleuze e Guattari (a noção de devir animal), Peter Singer e Giorgio Agamben (abordagens bioéticas), Eduardo Viveiros de Castro (estudos etnológicos), Maria Ester Maciel (zoopoética), entre outros. Esses estudos se justificam não só pelas preocupações de ordem ecológica, que têm se intensificado atualmente, mas também por certa curiosidade e interesse por parte dos pesquisadores, no que tange à nossa relação com os outros seres e ainda por uma espécie de crise do humano, que tem suscitado muitas discussões entre os pesquisadores. A partir da obra As horas nuas, de Lygia Fagundes Telles, estudamos a construção do lugar fronteiriço entre o humano e o animal no romance e sob a perspectiva teórica dos Estudos animais. Trata-se, assim, de um texto em que procuramos discutir o lugar desse absolutamente outro em nossa sociedade.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

AGAMBEN, Giorgio (2002). Homo Sacer: o poder soberano e a vida nua I. Tradução de Henrique Burigo. Belo Horizonte: Editora UFMG.
BATAILLE, Georges (1993). Teoria da religião. Tradução de Sergio Goes de Paula e Viviane de Lamare. São Paulo: Ática.
CASTRO, Eduardo Viveiros de (2008). Eduardo Viveiro de Castro. Coleção Encontros. Rio de Janeiro: Bico do Azougue.
COETZEE, J. M. (2002). A vida dos animais. Tradução de José Rubens Siqueira. São Paulo: Companhia das Letras.
COMPAGNON, Antoine (2001). O demônio da teoria: literatura e senso comum. Tradução de Cleonice Paes Barreto Mourão e Consuelo Fortes Santiago. Belo Horizonte: Editora da UFMG.
DELEUZE, Gilles; GUATTARI, Félix (2012). Mil platôs: capitalismo e esquizofrenia, v. 4. 2. ed. Tradução de Suely Rolnik. São Paulo: Ed. 34.
DELEUZE, Gilles; PARNET, Claire (1998). Diálogos. Tradução de Eloisa Araújo Ribeiro. São Paulo: Escuta.
DERRIDA, Jacques (2001). Posições/Jacques Derrida. Tradução de Tomaz Tadeu da Silva. Belo Horizonte: Autêntica.
DERRIDA, Jacques (2002). O animal que logo sou. Tradução de Fábio Landa. São Paulo: Unesp.
DIMAS, Antonio (2009). Garras de veludo. In: TELLES, Lygia Fagundes. Antes do baile verde. São Paulo: Companhia das Letras, p. 181-196.
FOUCAULT, Michel (2010a). História da loucura. Tradução de José Teixeira Coelho Neto. São Paulo: Perspectiva.
FOUCAULT, Michel (2010b). O corpo utópico. Página/12, Buenos Aires, p. 10, 29 out.
FREUD, Sigmund (1990a). Totem e tabu. In: FREUD, Sigmund. Edição standard brasileira das obras psicológicas completas de Sigmund Freud. Rio de Janeiro: Imago. v. 13. p. 11-125
FREUD, Sigmund (1990b). O futuro de uma ilusão, o mal-estar da civilização e outros trabalhos (1927-1931). In: FREUD, Sigmund. Edição standard das obras psicológicas completas de Sigmund Freud. Rio de Janeiro: Imago. v. 21.
GOMES, Carlos Magno Santos (2013a). As faces da escritora no romance de Lygia Fagundes Telles. Mesa redonda. In: COLÓQUIO MULHERES EM LETRAS, 5., 18 a 20 abr., Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte.
GOMES, Carlos Magno Santos (2013b). Leituras da violência nos contos de Lygia Fagundes Telles. In: COLÓQUIO MULHERES EM LETRAS, 5., 18 a 20 abr., Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte.
KAFKA, Franz (1991). A metamorfose. Tradução de Modesto Carone. São Paulo: Editora Brasiliense.
LUCENA, Suênio Campos de (2013). Representações da memória e da família em Lygia Fagundes Telles. Mesa redonda. In: COLÓQUIO MULHERES EM LETRAS, 5., 18 a 20 abr., Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte.
MACIEL, Maria Esther (Org.) (2011). Pensar / escrever o animal: ensaios de zoopoética e biopolítica. Florianópolis: Editora da UFSC.
SANTIAGO, Silviano (2009). O avesso da festa. In: TELLES, Lygia Fagundes. Ciranda de pedra. São Paulo: Companhia das Letras.
SINGER, Peter (2008). Libertação animal. Porto: Via Óptima.
TELLES, Lygia Fagundes (1989). As horas nuas. Rio de Janeiro: Nova Fronteira.
TELLES, Lygia Fagundes (2009). Ciranda de pedra. São Paulo: Companhia das Letras.
Publicado
2019-02-06
Como Citar
da Conceição TolentinoE., & Maria de OliveiraL. (2019). Despindo a narrativa: uma poética felina (apontamentos acerca da alteridade). Estudos De Literatura Brasileira Contemporânea, (56), 1-11. https://doi.org/10.1590/2316-4018565