O jovem cinema e o crepúsculo da ópera: sobre a herança wagneriana na música de Luís de Freitas Branco para o filme Frei Luís de Sousa (1950)

##plugins.themes.bootstrap3.article.main##

Manuel Deniz Silva

Resumo




Este artigo propõe uma análise do uso da técnica do leitmotiv na música composta por Luís de Freitas Branco (1890-1955) para o filme Frei Luís de Sousa (António Lopes Ribeiro, 1950). Numa primeira parte, problematizamos a influência dos modelos britânicos da época e em particular das adaptações shakespearianas de Laurence Olivier. Depois, tentamos compreender de que forma Freitas Branco procurou transferir para o contexto fílmico uma determinada relação entre música e narrativa herdada do “drama musical” wagneriano, assim como o seu impacto na leitura política e estética que o filme faz da obra de Almeida Garrett. Enfim, partimos dos percursos cruzados de Freitas Branco e William Walton para interrogar de forma mais geral a relação entre ópera e cinema no período do pós-Segunda Guerra Mundial.




Downloads

Não há dados estatísticos.

##plugins.themes.bootstrap3.article.details##

Como Citar
Deniz SilvaM. (2019). O jovem cinema e o crepúsculo da ópera: sobre a herança wagneriana na música de Luís de Freitas Branco para o filme Frei Luís de Sousa (1950). Dramaturgias, (10), 60-90. https://doi.org/10.26512/dramaturgias.v0i10.24926
Seção
Dossiê

Referências

ACCIAIUOLI, M. Os cinemas de Lisboa: um fenómeno urbano do século XX. Lisboa: Bizâncio, 2012.
ARROYO, A. Singularidades da Minha Terra (na Arte e na Mística). Porto: Renascença Portuguesa, 1917.BARREIROS, A. N. “A Música” In: Frei Luís de Sousa, Cinema São Jorge, pro-grama de sala, 1950.
BRAGA, T. História da Litteratura Portugueza, vol. 24 (“Garrett e os Dramas Romanticos”). Porto: Livraria Chardron, 1905.
BRANCO, L. de F. “Música e instrumentos” In:A Questão Ibérica, Lisboa: Integralismo Lusitano, 1916.BRANCO, L. de F., “Polifonia vocal (a cappella)” In: Ema Câmara Reis, Divulgação Musical II (1929-1933), Lisboa: [Tipografia da Seara Nova], 1934.BRANDÃO, S. “Frei Luís de Sousa” In: Grande Plano, n.º 2, 1950.
BRIBITZER-STULL, M. Understanding the Leitmotif: From Wagner to Hollywood Film Music. Cambridge: Cambridge University Press, 2015.
CASSUTO, Á. (ed.) Joly Braga Santos, uma vida e uma obra. Alfragide: Caminho, 2018.CASTRO, P. F. de. “O que é, afinal, um Leitmotiv?” In: Siegfried, Richard Wagner, Teatro Nacional de São Carlos, pp. 122-142, 2008.CRUZ, J. de M. António Lopes Ribeiro. Lisboa: Cinemateca Portuguesa, 1983.CUNHA, P. Uma nova história do novo cinema português. Lisboa: Outro Modo, 2018.
CYMBRON, L. “As óperas garrettianas e as suas fontes” In: Leituras: revista da Biblioteca Nacional, Série 3, n.º 4, Abril-Outubro 1999, pp. 279-284.DELGADO, A., A. Telles e N. B. Mendes. Luís de Freitas Branco. Lisboa: Caminho, 2007.FERREIRA, C. O. (coord.) O cinema português através dos seus filmes. Porto: Campo das Letras, 2007.FERREIRA, M. C. “Frei Luís de Sousa” In:Folhas da Cinemateca, 8 de Novembro de 1990.FERRO, A. Teatro e Cinema (1936-1949). Lisboa: SNI, 1950.
GARRETT, A. [1843] Frei Luís de Sousa / Um auto de Gil-Vicente. Pref. de Teófilo Braga, Porto: Chardron, s. d.GEADA, E. O Imperialismo e o Fascismo no Cinema. Lisboa: Moraes Editores, 1977.
GORBMAN, C. Unheard Melodies: Narrative Film Music. Bloomington: Indiana University Press, 1987.
JOHNSON, R. “Frei Luís de Sousa, António Lopes-Ribeiro, Portugal (1950)” In: Carolin Overhoff Ferreira (coord.), O cinema português através dos seus filmes, Porto: Campo das Letras, 2007.
LEÇA, C. de P. “Luís de Freitas Branco, compositor de música para cinema” In: Arte musical 10-11 (Janeiro/Março/Abril/Junho de 1998).
LLOYD, S. “Film Music” In: Stewart R. Craggs (ed.) William Walton: Music and Literature. Aldershot: Ashgate, 1999, 109-31.
LEONARD, K. P.Shakespeare, Madness, and Music: Scoring Insanity in Cinematic Adaptations. Plymouth: Scarecrow Press, 2009.MACNAB, G. J. Arthur Rank and the British Film Industry. London: Routledge, 1993.
MARKS, M. Music and the Silent Film. Oxford: Oxford University Press, 1997.
MATA, F. “Frei Luís de Sousa” In: O Século, 22 de Setembro de 1950.
MITCHELL, D. “Opera in London: Troilus and Cressida” In: The Musical Times 96 (1955a): 36–37.
MITCHELL, D. “‘Troilus and Cressida’: Two Further Opinions” In:Opera 6 (1955b): 88–91.
MORAIS, A. J. B. de. “Vinte anos de cinema português, 1930-1950: conteúdos e políticas” In: O Estado Novo das Origens ao Fim da Autarcia (1926-1959). Lisboa: Editorial Fragmentos, vol. 2, 1987.
MORRA, I. Twentieth-Century British Authors and the Rise of Opera in Britain. Aldershot, Burlington: Ashgate, 2007.
NEVES, C. das e G. Campos. Cancioneiro de musicas populares. Vol. II. Porto: Typ. Occidental, 1895.
OTTAWAY, H. “William Walton” In: Stanley Sadie (ed.) The New Grove Dictionary of Music and Musicians. London: Macmillan, 1980, vol. 20, pp. 195-200.
PAES, J. “O cinema com música de Joly Braga Santos” In: CASSUTO, Álvaro (ed.), Joly Braga Santos, uma vida e uma obra. Alfragide: Caminho, 2018.
PINA, I. Neoclassicismo, nacionalismo e latinidade em Luís de Freitas Branco, entre as décadas de 1910 e 1930. Dissertação de mestrado em Ciências Musicais, NOVA FCSH, 2016.
RAMOS, J. L. “Luís de Freitas Branco” In:Dicionário do Cinema Português (1895-1961). Alfragide: Caminho, 2011, pp. 59-60.
RIBEIRO, A. L. “Agradecimento àqueles a quem devo a realização do filme Frei Luís de Sousa” In: Frei Luís de Sousa, Cinema São Jorge, programa de sala, 1950.
RIBEIRO, A. L. [1950] Frei Luís de Sousa. DVD, ref. 1882/03, Lisboa: Madragoa Filmes, 2003.
SEABRA, J. África nossa: o império colonial na ficção cinematográfica portuguesa(1945-1974). Coimbra: Imprensa da Universidade de Coimbra, 2014.
SILVA, M. D. “O projecto nacionalista do Renascimento Musical (1923-1946): ‘reaportuguesar’ a música portuguesa” In: Ler História 46 (2004): 27-57.
SILVA, M. D. “Luís de Freitas Branco” In: Salwa Castelo-Branco (coord.), Enciclopédia da Música em Portugal no Século XX. Lisboa: Círculo de Leitores/Temas e Debates, vol. 1, 2010, pp. 158-164.
SILVA, M. D. “Salazar’s dictatorship and the paradoxes of State music: Luís de Freitas Branco’s ill- fated Solemn Overture 1640 (1939)” In: Esteban Buch, Igor Contreras e Manuel Deniz Silva (ed.), Composing for the State: Music in 20th-Century Dictatorships. Farnham: Ashgate Publishing and Cini Foundation, 2016, pp. 144-167. SOUSA, M. L. M. de. “Frei Luís de Sousa. Do drama à ópera” In: Revista da Biblioteca Nacional, Série 2, 8. 2 (1993): 195-202.TORGAL, L. R. “Introdução” In: Luís Reis Torgal (coord.), O cinema sob o olhar de Salazar. Lisboa: Temas e Debates, 2001a, pp. 13-39.
TORGAL, L. R. “Propaganda, ideologia e cinema no Estado Novo. A ‘conver-são dos descrentes’” In: Luís Reis Torgal (coord.), O cinema sob o olhar de Salazar. Lisboa: Temas e Debates, 2001b, pp. 64-91.
VAL-SERINO, Armando do, “A estreia de ‘Frei Luís de Sousa’, no S. Jorge” In:República, 22 de Setembro de 1950.