A paixão política de Platão

sobre cercas filosóficas e sua permeabilidade

  • Gabriele Cornelli

Abstract

O presente artigo se propõe abordar a questão da relação entre a filosofia e a política, partindo do debate intelectual sobre ética e política do V-IV século em Atenas. Debate, este, que acontece na esteira do surgimento de uma nova individualidade, marcada pela descoberta da tragicidade alma. Destaca-se no interior deste debate a redefinição de uma postura filopolítica, em toda sua ambigüidade histórica e idealidade ética. Aristófanes, Tucídides, Eurípides, Górgias e, obviamente, o próprio Platão estão empenhados na definição da possibilidade (ou menos) de encontro entre filosofia e cidade, público e privado, justiça e interesses, indivíduo e comunidade. A solução platônica para o problema revela complexidade e articulação típicas de seu pensamento: o filósofo que se repara da tempestade atrás de uma cerca acadêmica (Resp. 496d) é o mesmo que, “para não parecer somente palavra a ele mesmo” (VII Epist. 328c) zarpa em direção ao incerto projeto siracusano.

Downloads

Download data is not yet available.
Published
2010-04-07
How to Cite
CornelliG. (2010). A paixão política de Platão. Archai: The Origins of Western Thought, (2), 15-30. Retrieved from http://periodicos.unb.br/index.php/archai/article/view/1267

Most read articles by the same author(s)

1 2 3 > >>