Parentesco por brincadeira no alto rio Iaco

  • Marcos de Almeida Matos UFAC
Palavras-chave: Parentesco, relações jocosas, teoria da ação, teoria da brincadeira

Resumo

Partindo de uma descrição do modo como fui recebido na terra indígena por meus anfitriões, busco mostrar como se estrutura o parentesco entre os Manxineru que habitam a Terra Indígena Mamoadate, no alto rio Iaco, afluente do rio Purus. As ideias de “brincadeira” e “respeito” são recrutadas como conceitos chave para a tematização dessas relações, que são também determinadas como relações de trocas ou de compartilhamento. Antes que a composição de grupos sociais e de uma sociologia, esses modos de relação correspondem a algo como uma “teoria da ação”, ou, mais precisamente, uma teoria da brincadeira.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ALBERT, Bruce; KOPENAWA, Davi. 2015. A Queda do Céu: Palavras de um xamã yanomami. Tradução Beatriz Perrone-Moisés. São Paulo: Cia das Letras.
ALLARD, Olivier. 2010. Morality and Emotion in the Dynamics of an Amerindian Society (Warao, Orinoco Delta, Venezuela). Tese [Doutorado em Antropologia Social]. Cambridge: University of Cambrigde.
BATESON, Gregory. 1972. Steps to an Ecology of Mind. Chicago: The University of Chicago Press.
BATESON, Gregory. 2008. Naven: um exame dos problemas sugeridos por um retrato compósito da cultura de uma tribo da Nova Guiné, desenhado a partir de três perspectivas. Tradução Magda Lopes. São Paulo: EDUSP.
BONILLA, Oiara; CAPIBERIBE, Artionka. 2014. “L’invasion du Congrès: Contre qui luttent les Indiens”. Les Temps Modernes, 678: 108-121.
BRASIL, Lucas Artur. 2013. A Língua Manxineru e a Relação de Parentesco Junto aos Animais da Floresta Amazônica. Monografia [Formação Docente para Indígenas]. Cruzeiro do Sul: Universidade Federal do Acre, Campus Floresta.
COELHO DE SOUZA, Marcela Stockler. 2004. “Parentes de sangue: incesto, substância e relação no pensamento Timbira”. Mana, 10,1: 25-60.
EWART, Elizabeth. 2013. Space and society in central Brazil: a Panará ethnography. London: Bloomsbury.
FLORIDO, Marcelo Pedro. 2008. As Parentológicas Arawá e Arawak: um estudo sobre parentesco e aliança. Dissertação [Mestrado em Antropologia Social]. São Paulo: Universidade de São Paulo.
GOW, Peter. 1989. “The Perverse Child: Desire in a Native Amazonian Subsistence Economy”. Man, New Series, 24,4: 567-582.
GOW, Peter. 1991. Of Mixed Blood. Kinship and history in Peruvian Amazon. Oxford: Claredon Press.
GOW, Peter. 1997. “O Parentesco Como Consciência Humana: o caso dos Piro”. Mana, 3, 2: 39-65.
GOW, Peter. 2000. “Helpless: The Affective Preconditions of Piro Social Life”. In: Joanna Overing e Alan Passes (eds.). The Anthropology of Love and Anger: The Aesthetics of Conviviality in Native Amazonia. Londres: Routledge, pp. 46-63.
HANSON, Rebecca. 2010. A Grammar of Yine (Piro). Tese [Doutorado em Linguistica]. Bundoora: La Trobe University.
KELLY, José Antônio. 2011. State Healthcare and Yanomami Transformations. Tucson: The University of Arizona Press.
MATOS, Marcos de Almeida. 2018. Organização e história dos Manxineru do alto rio Iaco. Tese [Doutorado em Antropologia Social]. Florianópolis: Universidade Federal de Santa Catarina.
MATTESON, Esther. 1954. “The Piro of the Urubamba”. Kroeber Anthropological Society Papers, 10: 29-99.
MAUSS, Marcel. 2013. “Joking relations”. Tradução Jane I. Guyer. Hau: Journal of Ethnographic Theory, 3, 2: 317–34.
RADCLIFFE-BROWN, A. R. 1940. “On Joking Relationships”. Africa: Journal of the International African Institute, 13, 3: 195-210.
SISKIND, Janet. 1973. To Hunt in the Morning. New York: Oxford University Press.
STRATHERN, Marilyn. 1988. The Gender of the Gift: Problems with Women and Problems with Society in Melanesia. Chicago: University of Chicago Press.
VIENNE, Emmanuel de. 2012. “’Make yourself uncomfortable’ Joking relationships as predictable uncertainty among the Trumai of Central Brazil”. HAU: Journal of Ethnographic Theory, 2, 2: 163–87.
VIVEIROS DE CASTRO, Eduardo. 1992. From the Enemy’s Point of View: Humanity and Divinity in an Amazonian Society. Tradução Catherine V. Howard. Chicago: The University of Chicago Press.
VIVEIROS DE CASTRO, Eduardo. 2002. A Inconstância da Alma Selvagem e outros ensaios de antropologia. São Paulo: Cosac & Naify.
VIVEIROS DE CASTRO, Eduardo. 2015a. The Relative Native: Essays on Indigenous Conceptual Worlds. Chicago: Hau Books.
VIVEIROS DE CASTRO, Eduardo. 2015b. Metafísicas Canibais: elementos para uma antropologia pós-estrutural. São Paulo: Cosac & Naify.
WAGNER, Roy. 2010. A invenção da cultura. Tradução Marcela Coelho de Souza e Alexandre Morales. São Paulo: Cosac & Naify.
WALKER, Harry. 2013. Under a Watchful Eye: Self, Power, and Intimacy in Amazonia. Berkeley: University of California Press.
Publicado
2018-11-23
Como Citar
MatosM. de A. (2018). Parentesco por brincadeira no alto rio Iaco. Anuário Antropológico, 43(2). https://doi.org/10.4000/aa.3249