Nordestes em curadorias um relato de pesquisa

##plugins.themes.bootstrap3.article.main##

Pedro Ernesto Freita Limas

Resumo

O presente texto consiste em um relato da minha pesquisa de doutorado na qual investigo o impacto das curadorias de “artistas nordestinos” de Moacir dos Anjos nas obras desses. Para isso, propomos uma possível genealogia do que seria uma “nordestinidade” nas artes visuais e discutimos como o trabalho de Anjos, partindo de um referencial teórico pós-colonial para discutir arte e identidade, trata de questões como a expectativa do que seria “regional” e “local”. Entendendo suas curadorias como um projeto, abordamos também sua dimensão política na medida em que participa de um contexto de adensamento de instituições artísticas de uma cidade, Recife, que tradicionalmente é tida como “periférica” ou “fora do eixo” no campo das artes.

Downloads

Não há dados estatísticos.

##plugins.themes.bootstrap3.article.details##

Como Citar
LimasP. E. F. (2019). Nordestes em curadorias. Arquivos Do CMD, 5(2). https://doi.org/10.26512/cmd.v5i2.22022
Seção
Memórias de Pesquisa

Referências

ALBUQUERQUE JUNIOR, Durval Muniz de. A invenção do Nordeste e outras artes. Recife: FUNDAJ, Editora Massangana; São Paulo: Cortez, 1999.

ANJOS, Moacir dos et al. Nordestes. [catálogo] São Paulo: Sesc Pompéia, Fundação Joaquim Nabuco, 1999.

______. Desmanche de bordas: notas sobre identidade cultural no Nordeste do Brasil. In: HOLLANDA, Heloisa Buarque; RESENDE, Beatriz (orgs.). Artelatina: cultura, globalização e identidades. Rio de Janeiro: Aeroplano, 2000. p.45-59.

______ et al. Gilvan Samico. Recife: Prefeitura do Recife, Museu de Arte Moderna Aloisio Magalhães (MAMAM), 2005b. (coleção artistas do MAMAM).

REZENDE, Renato; BUENO, Guilherme. Conversas com curadores e críticos de arte. Rio de Janeiro: Editora Circuito, 2013.

COCCHIARALE, Fernando; FREIRE, Cristina; MOREIRA, Jailton; ANJOS, Moacir dos (coords.). Mapeamento nacional da produção emergente: Rumos Itaú Cultural Artes Visuais 2001/2003. São Paulo: Itaú Cultural, 2002.

DINIZ, Clarissa. Crachá: aspectos da legitimação artística (Recife – Olinda, 1970 a 2000). Recife: Fundação Joaquim Nabuco, Editora Massangana, 2008.

FARIAS, Agnaldo. Dragões e leões. In: Ceará e Pernambuco – Dragões e leões. [catálogo] Fortaleza: Centro Dragão do Mar de Arte e Cultura, 1998.

Mapeamento Nacional da Produção Emergente: Rumos Itaú Cultural Artes Visuais 1999/2000. São Paulo: Itaú Cultural: Imprensa Oficial do Estado: Editora da Unesp, 2000.

LIMA, Joana D’Arc. Cartografias das artes plásticas no Recife dos anos 1980: deslocamentos poéticos entre as tradições e o novo. Tese de Doutorado apresentada ao Programa de Pós-Graduação em História da Universidade Federal de Pernambuco, Recife, 2011. Professor Orientador Dr. Antônio Paulo Rezende.

PENNA, Maura. O que faz ser nordestino: Identidades sociais, interesses e o “escândalo” Erundina. São Paulo: Cortez, 1992.

PINHEIRO, Jane. Arte contemporânea no Recife dos anos 90: Grupo Camelo, Grupo Carga e Descarga e Betânia Luna. Dissertação de Mestrado apresentada ao Curso de Pós-Graduação em Antropologia do Centro de Filosofia e Ciências Humanas da Universidade Federal de Pernambuco, Recife, 1999. Professora Orientadora Dra. Danielle Perin Rocha Pitta.

RAMÍREZ, Mari Carmen. Identidad o legitimación? Apuntes sobre la globalización y el arte em América Latina. In: HOLLANDA, Heloisa Buarque.; RESENDE, Beatriz (orgs.). Artelatina: cultura, globalização e identidades. Rio de Janeiro: Aeroplano, 2000. p.11-34.

RAMOS, Everardo. Do mercado ao museu: a legitimação artística da gravura popular. In: Visualidades. Goiânia, v. 8, n. 1, jan/jun 2010. p. 38-57.

TEJO, Cristiana. Não se nasce curador, torna-se curador. In: RAMOS, Alexandre Dias (org.). Sobre o ofício do curador. Porto Alegre: Zouk, 2010. p. 149-163.

______ (Coord.). Panorama do pensamento emergente. Porto Alegre: Zouk, 2011.