Drama, performance e experiência

o desfile de Carnaval do maracatu Nação Iracema

  • Danielle Maia Cruz
Palavras-chave: CARNAVAL, DRAMA, MARACATU, PERFORMANCE

Resumo

Este artigo interpreta o desfile carnavalesco dos maracatus, na cidade de Fortaleza, a partir das noções de drama, performance e experiência formuladas por Victor Turner e Richard Schechner. Dentre as agremiações, tomará para análise especialmente o Nação Iracema. Parte-se do entendimento do Carnaval como drama social e drama estético, compreendendo a vida como espelho da arte, em que indivíduos, por meio de performancesmúltiplas, vivenciam experiências, dramatizam questões da vida social e evidenciam tensões em torno de elementos performáticos centrais no maracatu cearense. No plano teórico, o artigo visa contribuir no campo de estudos da performance e dos rituais, problematizando a oposição entre indivíduo e sociedade que marca a produção clássica no campo de análise dos rituais.  Foca-se no modo como os performers do Nação Iracema se constituem enquanto sujeitos, apreendendo a relação dos mesmos com a audência e o amplo repertório cênico mobilizado para a apresentação carnavalesca. 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

AGIER, Michel. Anthropologie du Carnaval: la Ville, la Fête et l’Afrique à Bahia. Marseille: Parenthèses/IRD, 2000,

BARROSO, Gustavo. Coração de Menino: Memórias de Gustavo Barroso. 2. ed. Fortaleza: UFC, 2002.

CAVALCANTI, Maria Laura Viveiros de. Carnaval Carioca: dos Bastidores ao Desfile. Rio de Janeiro: Funarte; UFRJ, 2006.

CERTEAU, Michel de. A Invenção do Cotidiano: Artes de Fazer. 13. ed. Petrópolis, RJ: Vozes, 2007.

CRUZ, Danielle Maia. Maracatus no Ceará: Sentidos e Significados. Fortaleza: Edições UFC, 2011.

______. “Maracatu New York: Transregional Flows between Pernambuco, New York, and New Orleans”. Canadian Journal of Latin American and Caribbean Studies, 2012, 37(74): 81-108.

______. Tempo de Carnaval em Fortaleza: Blocos de pré-carnaval, maracatus e a política de editais. Tese de Doutorado, Universidade Federal do Ceará – Fortaleza, 2013.

DAMATTA, Roberto. “Apresentação”. In: Arnold Van Gennep, Os Ritos de Passagem. Petrópolis, RJ: Vozes. 1987, pp. 9-20.

______. Carnaval, Malandros e Heróis: por uma Sociologia do Dilema Brasileiro. Rio de Janeiro: J. Zahar, 1997.

DAWSEY, John C. “Turner, Benjamin e Antropologia da Performance: o Lugar Olhado (e Ouvido) das Coisas”. Campos, 2006, 7(2): 17-25.

DOUGLAS, Mary. Pureza e Perigo. São Paulo: Perspectiva, 1974.

FARIAS, Edson Silva. Ócio e negócio: Festas populares e entretenimento-turismo no Brasil. Tese de Doutorado em Ciências Sociais, Instituto de Filosofia e Ciências Humanas, Universidade de Campinas – Campinas, SP, 2000.

GOMES, Nilma Lino. Sem Perder a Raiz: Corpo e Cabelo como Símbolos da Identidade Negra. Belo Horizonte: Autêntica, 2006.

MARQUES, Janote Pires. Festas de Negros em Fortaleza: Territórios, Sociabilidades e Reelaborações (1871-1900). Fortaleza: Expressão Gráfica, 2009.

MILITÃO, João Wanderley Roberto. Maracatu Az de Ouro: 70 Anos de Memórias, Loas e Batuques. Fortaleza: OMNI; Solar, 2007.

NOGUEIRA, Carvalho. “Carnaval de rua, desafio ao Paço”. Jornal O Povo, Fortaleza, 8 fev. 1991. Especial Carnaval 91, pp. 4E.

NOGUEIRA, José. Fortaleza Velha: Crônicas. 2. ed. Fortaleza: UFC, 1981.

PONTE, Sebastião Rogério. Fortaleza Belle Époque: Reformas Urbanas e Controle Social (1860-1930). 3. ed. Fortaleza: Fundação Demócrito Rocha, 2001.

QUEIROZ, Maria Isaura Pereira de. Carnaval Brasileiro: o Vivido e o Mito. São Paulo: Brasiliense, 1999.

SCHECHNER, Richard. Between Theater and Anthropology. Philadelphia: The University of Pennsylvania Press, 1985.

______. “Victor Turner’s Last Adventure”. In: Victor Turner, The Anthropology of Performance. New York: PAJ Publications. 1987, pp. 7-20.

______. Performance Theory. New York: Routledge, 1988.

______. “Pontos de Contato entre o Pensamento Antropológico e Teatral”. Cadernos de Campo, 2011 (20): 213-236.

______. “A Rua é o Palco”. In: Zeca Ligiéro (org.), Performance e Antropologia de Richard Schechner. Rio de Janeiro: Mauad. 2012, pp. 155-181.

______. “Pontos de Contato Revisitados”. In: John Dawsey et al. (org.), Antropologia e Performance: Ensaios Napedra. São Paulo: Terceiro Nome. 2013, pp. 37-65.

______; APPEL, Willa (org.). By Means of Performance: Intercultural Studies of Theatre and Ritual. Cambridge, UK: Cambridge University Press, 1990.

TURNER, Victor. From Ritual to Theatre: the Human Seriousness of Play. New York: PAJ Plublications, 1982.

______. The Anthropology of Experience. Urbana; Chicago: University of Illinois Press, 1986.

______. “The Anthropology of Performance”. In: Victor Turner (comp.), The Anthropology of Performance. New York: PAJ Plublications. 1987, pp. 72-98.

______. “Dewey, Dilthey e Drama: um Ensaio em Antropologia da Experiência (primeira parte), de Victor Turner”. Cadernos de Campo, 2005a (13): 177-185.

______. “Victor Turner e a Antropologia da Experiência”. Cadernos de Campo, 2005b, (13): 163-176.

VALLE, Carlos Guilherme Octaviano do. “Compreendendo a Dança do Torém: Visões de Folclore, Ritual e Tradição entre os Tremembé do Ceará”. Anthropológicas, 2005, 16(2): 187-228.
Publicado
2019-01-16
Como Citar
Cruz, D. (2019). Drama, performance e experiência. Arquivos Do CMD, 5(2). https://doi.org/10.26512/cmd.v5i2.22008
Seção
Artigos de Dossiês