https://periodicos.unb.br/index.php/rgs/issue/feed Revista Eletronica Gestão & Saúde 2020-02-04T12:55:06-03:00 Andrea Gonçalves gestaoesaude@unb.br Open Journal Systems <p align="justify">Órgão oficial de divulgação científica do Núcleo de Estudos em Educação, Promoção da Saúde e Projetos Inclusivos – NESPROM do Centro de Estudos Avançados Multidisciplinares – CEAM da Universidade de Brasília. Missão: promover a disseminação do conhecimento científico nas áreas de enfermagem, gestão e políticas de saúde através da publicação arbitrada de artigos que contribuam para a expansão destas áreas e para a fundamentação das atividades dos profissionais.&nbsp;</p> https://periodicos.unb.br/index.php/rgs/article/view/28392 O “não lugar” das Organizações Sociais e a busca dos gestores pela eficiência no SUS 2020-02-04T12:54:45-03:00 Tânia Regina Krüger tania.kruger@ufsc.br Cyntia de Oliveira Nogueira Bastos cyntiaonb@gmail.com <p>O objetivo deste texto é identificar e analisar como as Organizações Sociais (OS) na gestão dos serviços do Sistema Único de Saúde (SUS) se apresentam nos municípios de Santa Catarina, por meio de estudo dos Planos Municipais de Saúde no quadriênio 2018-2021 e nas leis que Instituem o Programa Municipal de Incentivo às Organizações Sociais. Trata-se de uma pesquisa exploratória, por meio de estudo bibliográfico e documental, que contemplou 23 municípios distribuídos entre as oito macrorregiões de Santa Catarina. Na primeira parte são apresentadas as tendências teórico-políticas e técnicas em relação ao SUS e modelos de gestão, problematizando os argumentos da retórica neoliberal e o ocultamento da natureza privada das OS. Na segunda parte, os resultados da pesquisa documental evidenciam que Planos Municipais de Saúde tornam invisíveis as OS, enquanto em 10 municípios há leis que instituem o Programa das Organizações Sociais. Os Planos, de modo geral, usam uma linguagem genérica que não nos permite interpretar se estão em conformidade com os fundamentos do SUS. Apenas um município faz a defesa franca da gestão pública do SUS. A insuficiência de financiamento é o problema &nbsp;pontado pela maioria como o principal desafio da gestão e a narrativa técnico-gerencial da eficiência é referência para descrição dos problemas e das prioridades.</p> 2020-02-01T00:00:00-03:00 Copyright (c) 2020 Revista Eletronica Gestão & Saúde https://periodicos.unb.br/index.php/rgs/article/view/28404 Transitional Care Model: Um Novo Modelo De Gestão De Cuidados Na Comunidade 2020-02-04T12:54:51-03:00 Tiago Filipe Rodrigues Nascimento tiago.filipedonascimento@gmail.com Maria de Lourdes Varandas lcosta@esel.pt <p>As admissões hospitalares têm aumentado, sendo que a taxa de reinternamento hospitalar aumentou aproximadamente 8%. É fundamental adotar medidas que visem diminuir estes valores e consolidem uma transição efetiva entre cuidados de saúde primários e hospitalares. Este artigo tem como objetivo demonstrar uma ferramenta para reduzir os reinternamentos hospitalares dos utentes com fragilidade, em contexto domiciliário, com recurso ao <em>Transitional Care Model </em>(TCM). O trabalho é de natureza quantitativa, descritiva e exploratória, segundo a metodologia do processo de planeamento em saúde, aplicação no domicílio da <em>Edmonton Frail Scale</em>, Escala de Quedas de Morse e ainda a aplicação de questionário sociodemográfico. A amostra é constituída por 37 utentes, 78,4% mulheres, 100% reformados, 67,6% de classe baixa, 91,8% tiveram, pelo menos, uma ida ao serviço de urgência hospitalar, 97,3% apresentam médio a elevado risco de queda, 63% com fragilidade moderada a severa. Considerando a elevada fragilidade do idoso no domicílio, a aplicação deste modelo permitirá reduzir as barreiras existentes entre os níveis de cuidados, com ganhos em saúde bem como custo-efetividade pela redução do número de dias de internamento. Teremos, assim, a prevenção de complicações e melhoria da gestão da doença crônica através da aplicação de um novo modelo de gestão de cuidados.</p> 2020-02-01T00:00:00-03:00 Copyright (c) 2020 Revista Eletronica Gestão & Saúde https://periodicos.unb.br/index.php/rgs/article/view/28626 Alguns insights em Startups um novo paradigma para a tríplice aliança ciência, tecnologia e inovação 2020-02-04T12:54:57-03:00 Jorge Guerra Pires jorgeguerrapires@yahoo.com.br <p>Atualmente, a taxa de empreendedorismo da população adulta brasileira é 38%, realidade que pode propiciar a criação de <em>startups</em>. Não existe uma definição única para <em>startup</em>, mas a visão mais aceita a define como um ‘modelo de negócio’ interino, cujo objetivo é alcançar um modelo de negócio escalável e repetitivo. O objetivo principal deste artigo é abordar as <em>startups</em> de forma introdutória, adotando como foco o Brasil e a área de saúde. Apesar das peculiaridades do Brasil, dentre as quais o fato de que grande parte da pesquisa é financiada pelo governo, o País é bastante ‘globalizado’, o que torna teorias desenvolvidas em outros países válidas para nossa realidade. Tal observação, entre outros fatores, motivou a escrita do artigo baseado quase exclusivamente em materiais escritos na língua inglesa. Conclui-se, como resultado das leituras, que <em>startup</em> é um conceito presente no Brasil e, adicionalmente, que <em>startups</em> na área de saúde precisam de atenção especial.</p> 2020-02-01T00:00:00-03:00 Copyright (c) 2020 Revista Eletronica Gestão & Saúde https://periodicos.unb.br/index.php/rgs/article/view/27141 Bem-estar no Trabalho: Evidências na Indústria da Construção 2020-02-04T12:55:01-03:00 Felipe de Sá Moreira samoreira@ufpa.br Luiz Maurício Furtado Maués maues@ufpa.br Ana Carolina de Albuquerque Freitas carol.albuquerquef@gmail.com Claudionor Andrade Farias Júnior claudionorfj@gmail.com <p>Trabalhadores que atuam na indústria da construção são expostos a diversos fatores estressantes, e realizam tarefas exigentes em ambientes de trabalho perigosos, afetando a saúde, a segurança e o bem-estar. O objetivo desta pesquisa é identificar os principais aspectos que estão sendo relacionados ao bem-estar no trabalho (BET) em profissionais do setor da construção. O método consiste na execução de uma Revisão Sistemática da Literatura (RSL) em 10 bases de dados internacionais. Um total de 93 publicações apontou 89 aspectos relacionados ao tema. Dentre os principais aspectos encontrados, 31% referem-se a medidas de BET e estresse, 19,8% a saúde física, 14,5% a segurança, 6,1% a saúde mental e 4,4% a aspectos gerais. Os achados desta pesquisa refletem razoavelmente a singularidade dos profissionais da indústria da construção e ratificam a necessidade de uma abordagem convergente a respeito do tema, que, certamente, poderia proporcionar práticas mais eficientes e objetivas de fomento ao bem-estar</p> 2020-02-01T00:00:00-03:00 Copyright (c) 2020 Revista Eletronica Gestão & Saúde https://periodicos.unb.br/index.php/rgs/article/view/29497 Editorial 2020-02-04T12:54:44-03:00 luana silva lopes lluana681@gmail.com Andrea Gonçalves andreagon@unb.br 2020-02-04T00:00:00-03:00 Copyright (c) 2020 Revista Eletronica Gestão & Saúde