Políticas de saúde, organização e mobilidade social em uma região rural brasileira

perspectivas dos informantes chave

Autores

DOI:

https://doi.org/10.26512/gs.v11i2.29441

Palavras-chave:

Saúde da família. Políticas de saúde. Atenção básica. Estimativa Rápida Participativa.

Resumo

Esta investigação objetivou analisar as políticas de saúde, a comunicação e a mobilidade social em uma região rural pertencente à área de abrangência de uma Unidade de Saúde da Família (USF), utilizando-se para coleta de dados o Método de Estimativa Rápida Participativa, por meio de entrevistas semiestruturadas com informantes chave, sendo 13 membros das associações de moradores e seis trabalhadores de uma Equipe de Saúde da Família (EqSF). Para o  processamento dos dados, empregou-se a análise de conteúdo, modalidade temática, evidenciando os núcleos de sentido, que foram agrupados em temas: programa do governo municipal ineficaz frente às necessidades de saúde; desafios no acesso aos serviços de saúde dos diferentes níveis de atenção à saúde; a polaridade em relação ao processo de trabalho na Atenção Básica à Saúde (ABS); desafios frente à implementação dos Conselhos de Saúde; limites e possibilidades do acesso dos moradores da área rural à urbana. Esse processo permitiu identificar insatisfação com a atuação do poder público, limitações e potencialidades da USF no atendimento às necessidades de saúde e desinformação sobre a organização e funcionamento do Sistema Único de Saúde (SUS): desafios para a promoção do cuidado na perspectiva da integralidade.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Cecilio LCO. As necessidades de saúde como conceito estruturante na luta pela integralidade e equidade na atenção em saúde. In: Pinheiro R, Mattos RA. Os sentidos da integralidade na atenção e no cuidado à saúde. Rio de Janeiro: IMS-UERJ/ABRASCO. 2001. p. 39-64.

Pessoa VM, Almeida MM, Carneiro FF. Como garantir o direito à saúde para as populações do campo, da floresta e das águas no Brasil? Saúde Debate. 2018; 42(1): 302-314.

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Retratos da Atenção Básica no Brasil 2012: Áreas Específicas. Brasília. 2015; 4: p. 134.

Murphy P, Burge F, Wong ST. Measurement and rural primary health care: a scoping review. Rural and Remote Health. 2019; 19:4911.

Oliveira AR. O trabalho do enfermeiro na Atenção Primária à Saúde rural no Brasil. Belo Horizonte: Escola de Enfermagem, Universidade Federal de Minas Gerais. 2019.

Costa AM, Vieira NA. Participação e controle social em saúde. In: Fundação Oswaldo Cruz. A saúde no Brasil em 2030 - prospecção estratégica do sistema de saúde brasileiro: organização e gestão do sistema de saúde. Rio de Janeiro: Fiocruz/Ipea/Ministério da Saúde/Secretaria de Assuntos Estratégicos da Presidência da República. 2013. 3: p. 237-271.

Oliveira VE. Saúde Pública e Políticas Públicas: campos próximos, porém distantes. Saúde Soc. 2016.; 25(4): 880-894.

Costa MA, organizador. O Estatuto da Cidade e a Habitat III: um balanço de quinze anos da política urbana no Brasil e a nova agenda urbana. In: Carvalho CHR. Mobilidade Urbana: avanços, desafios a perspectivas. Brasília: Ipea. 2016; p. 345-361.

Tancredi FB, Barrios, SRL, Ferreira, JHG. Planejamento em Saúde. São Paulo: Fundação Peirópolis. 2002.

Minayo MCS. O desafio do conhecimento: pesquisa qualitativa em saúde. São Paulo: Hucitec; 2014.

Bolognesi AA, Santos BP, Rezende KTA, Silva PSM. A região rural do território de uma USF: as políticas de saúde, a organização e a mobilidade social. In: Anais do 8º Congresso Ibero-Americano em Investigação Qualitativa. 2019 jul. 16-19; Lisboa.

Oliveira EM. Determinantes sócio-históricos do cuidado na Estratégia de Saúde da Família: a perspectiva de usuários da área rural. Saúde soc. 2015; 24(3): 901-913.

Stein AT, Ferri CP. Inovação e avanços em atenção primária no Brasil: novos desafios. Rev Bras Med Fam Comunidade. 2018; 12(39): 1-4.

Shimizu HE, Trindade JS, Mesquita MS, Ramos MC. Avaliação do Índice de Responsividade da Estratégia de Saúde da Família da zona rural. Rev Esc Enferm USP. 2018; 52:e-03316.

Pinto AGA, Jorge MSB, Marinho MNASB, Vidal ECF, Aquino PS. Vivências na Estratégia Saúde da Família: demandas e vulnerabilidades no território. Rev Bras Enferm. 2017; 70(5): 920-7.

Dassah E, Aldersey H, McColl MA, Davison C. Factors affecting access to primary health care services for persons with disabilities in rural areas: a “best-fit” framework synthesis. Global Health Research and Policy. Canadá, 2018; 3:36.

Carey TA, Sirett D, Russell D, Humphreys JS, Wakerman J. What is the overall impact or effectiveness of visiting primary health care services in rural and remote communities in high-income countries? A systematic review. BMC Health Services Research. Australia, 2018; 18:476.

Oliveira AMC, Dallari SG. Participação social no contexto da Atenção Primária a Saúde: um estudo de caso das Comissões Locais de Saúde do SUS de Belo Horizonte. Physis Revista de Saúde Coletiva. 2015; 25(4): 1059-1078.

Publicado

2020-08-27

Como Citar

1.
Bolognesi A, Pavan dos Santos B, Terezinha Alves Rezende K, Sylvana Martins da Silva P. Políticas de saúde, organização e mobilidade social em uma região rural brasileira: perspectivas dos informantes chave. Rev. G&S [Internet]. 27º de agosto de 2020 [citado 26º de setembro de 2020];11(2):178-94. Disponível em: https://periodicos.unb.br/index.php/rgs/article/view/29441

Edição

Seção

Artigos de Pesquisa

##plugins.generic.recommendByAuthor.heading##