Reflexões nascidas do empírico

possibilidades e limitações da teoria da luta por reconhecimento na fundamentação de políticas públicas e práticas emancipatórias

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5281/zenodo.2613152

Palavras-chave:

Brasil, Cartografia social, Consultório na rua, Limitações, Luta por reconhecimento, População em situação de rua, Possibilidades

Resumo

Resumo: O texto reflete teoricamente acerca das potencialidades e limitações da teoria do reconhecimento em fundamentar políticas públicas e práticas emancipatórias a partir da experiência empírica de uma pesquisa cartográfica no Consultório na Rua, dispositivo de saúde voltado para a prestação de cuidados à população em situação de rua no Brasil. A pesquisa foi realizada com usuários de profissionais de saúde do serviço e contou com observação participante, o registro em diário de campo e entrevistas semiestruturadas voltadas para explorar a percepção dos usuários e profissionais acerca das potencialidades e limitações do serviço. Compreende-se que apenas as experiências de injustiça e sofrimento não são suficientes para desencadear lutas por reconhecimento que demandam uma disposição crítica capaz de articular tais experiências. Reflete-se sobre o modo como o cuidado é ofertado no Consultório na Rua e as barreiras que se interpõem para o desenvolvimento da criticidade e mobilização de lutas por reconhecimento. A partir da experiência empírica, bem como do aporte teórico de autores como Foucault e Bourdieu, reflete-se acerca das limitações da teoria da luta por reconhecimento como projeto teórico emancipatório. Por último, a partir de um diálogo com a pedagogia crítica de Paulo Freire são contempladas as possibilidades emancipatórias da teoria da luta por reconhecimento.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Publicado

2018-11-14

Como Citar

Cesario, R. P., & Cavasin Zabotto Pulino, L. H. (2018). Reflexões nascidas do empírico: possibilidades e limitações da teoria da luta por reconhecimento na fundamentação de políticas públicas e práticas emancipatórias. Revista Do CEAM, 4(1), 9-25. https://doi.org/10.5281/zenodo.2613152

##plugins.generic.recommendByAuthor.heading##