Meshugá, de Jacques Fux: à roda de perguntas sumamente delicadas

Autores

DOI:

https://doi.org/10.1590/2316-40185810

Palavras-chave:

Jacques Fux, experimentalismo, figuras de escritor, narrativa contemporânea, antissemitismo

Resumo

Neste artigo, analisamos o romance Meshugá (2016), de Jacques Fux, procurando compreender como, em sua textualidade, operam-se três movimentos fundamentais, a saber: a criação de uma persona de escritor, o diálogo com as indefinições genéricas típicas da literatura contemporânea, e uma reflexão ética sobre os desafios e as possibilidades atuais para as literaturas ligadas à memória do holocausto e da perseguição aos judeus ao longo da história.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ADORNO, Theodor Ludwig Wiesengrund (1995). Educação e emancipação. Tradução de Wolfgang Leo Maar. Rio de Janeiro: Paz e Terra.
AGAMBEN, Giorgio (2008). O que resta de Auschwitz: o arquivo e a testemunha. Tradução de Selvino J. Assmann. São Paulo: Boitempo.
ALVES, Wanderlan (2012). Limites e intersecções do estético com o político no filme Janela indiscreta, de Alfred Hitchcock, e no conto “Sessão das quatro”, de Roberto Drummond. Estudos de Literatura Brasileira Contemporânea, n. 39, p. 151-180. On-line. Disponível em: https://bit.ly/2KW8G9c. Acesso em: 9 jun. 2018.
BARTHES, Roland (2013). Como viver junto. Tradução de Leyla Perrone Moisés. São Paulo: Martins Fontes.
BENVENISTE, Émile (1995). Problemas de linguística geral I. Tradução de Maria da Glória Novak e Maria Luisa Neri. Campinas: Pontes.
BORGES, Jorge Luis (1974). Obras completas (1923-1972). Buenos Aires: Emecé.
BOURRIAUD, Nicolas (2011). Formas de vida: a arte moderna e a invenção de si. Tradução de Dorothée de Bruchard. São Paulo: Martins Fontes.
DIDI-HUBERMAN, Georges (2011). Ante el tiempo: historia del arte y anacronismo en las imágenes. 3. ed. Tradução de Antonio Oviedo. Buenos Aires: Adriana Hidalgo.
ELIOT, Thomas Stearns (2000). La tradición y el talento individual. In: ELIOT, Thomas Stearns. Ensayos escogidos. Tradução de Pura López Clomé. México, D. F.: UNAM. p. 17-29.
FUKS, Julián (2015). A resistência. São Paulo: Companhia das Letras.
FUX, Jacques (2016). Meshugá. Rio de Janeiro: José Olympio.
FUX, Jacques; CEI, Vitor; CARNEIRO, Daiane (2012). O real e o paradoxo em Auschwitz. Revista contexto, Vitória, n. 22, p. 395-412. On-line. Disponível em: https://bit.ly/2L8uWM1. Acesso em: 9 jun. 2018.
GAGNEBIN, Jeanne Marie (2008). Apresentação. In: AGAMBEN, G. O que resta de Auschwitz: o arquivo e a testemunha. Tradução de Selvino J. Assmann. São Paulo: Boitempo. p. 9-17.
HUTCHEON, Linda (1985). Uma teoria da paródia. Lisboa: Edições 70.
HUTCHEON, Linda (1991). Poética do pós-modernismo. Rio de Janeiro: Imago.
JAMESON, Fredric (1996). Pós-modernismo: a lógica cultural do capitalismo tardio. Tradução de Maria Elisa Cevasco. São Paulo: Ática.
KLENGEL, Susanne (2017). Latinoamérica dejó de ser exótica. DW, Cultura, 25 abr. 2017. On-line. Disponível en: http://www.dw.com/es/literatura-latinoamérica-dejó-de-ser-exótica/a-38588955. Acesso em: 15 jul. 2017.
LACAN, Jacques (1998). Subversão do sujeito e dialética do desejo no inconsciente freudiano. In: LACAN, Jacques. Escritos. Rio de Janeiro: Jorge Zahar. p. 807-842.
LADDAGA, Reinaldo (2010). Estética de laboratorio: estrategias de las artes del presente. Buenos Aires: Adriana Hidalgo.
LINK, Daniel (2004). La ansiedad: novela trash. Buenos Aires: El cuenco de plata.
LUDMER, Josefina (2007). Literaturas posautónomas. Ciberletras, Bronx, n. 17, 2007. On-line. Disponível em: https://bit.ly/2HG8oSb. Acesso em: 10 ago. 2010.
LUDMER, Josefina (2010). Notas para literaturas posautónomas III. Blog de Josefina Ludmer. On-line. Disponível em: https://bit.ly/2ZpTuoR. Acesso em: 20 ago. 2014.
LUKÁCS, Georg (2000). Teoria do romance. Tradução de José Marcos Mariani de Macedo. São Paulo: Duas Cidades; Editora 34.
LUKÁCS, Georg (2009). O romance como epopeia burguesa. In: LUKÁCS, Georg. Arte e sociedade: escritos estéticos (1932-1967). Tradução de Carlos Nelson Coutinho e José Paulo Netto. Rio de Janeiro: UFRJ. p. 193-243.
RANCIÈRE, Jacques (2007). Será que a arte resiste a alguma coisa? In: LINS, Daniel. (Org.). Nietzsche, Deleuze, arte, resistência. Rio de Janeiro: Forense Universitária. p. 126-140.
SANTOS, Vitor Cei (2016). Matemática, autoficção e ficcionalização da história: entrevista com Jacques Fux. Revista Labirinto, Porto Velho, v. 25, n. 15, p. 323-329. Disponível em: https://bit.ly/2ZpZ8eJ. Acesso em: 9 jun. 2018.

Publicado

2019-10-30

Como Citar

ALVES, W. . Meshugá, de Jacques Fux: à roda de perguntas sumamente delicadas. Revista em Gestão, Inovação e Sustentabilidade, n. 58, p. 1-11, 30 out. 2019.