O MITO EM PLATÃO E A TRANSFORMAÇÃO DO HOMEM

Autores

Palavras-chave:

Platão. República. Mímesis. Mito. Imagem. Dialética.

Resumo

Existem muitas leituras padrões sobre os mitos platônicos, mas o trabalho em questão busca mostrar como o mito em Platão não é somente uma estratégia retórica frente às limitações da linguagem, mas, antes o mito oferece uma hipótese plausível. Além disso, é também uma mudança do homem em um nível muito profundo; uma vez que Platão admite, desde o início da República, o poder que as histórias exercem sobre a alma das crianças e como essas histórias guiam os homens para as virtudes ou para os vícios reprováveis. Logo, Platão, ciente do perigo que as más histórias podem ter sobre a conduta dos homens, não usa de maneira ingênua os mitos, pois conhece bem a polissemia que o mito admite devido a sua estrutura que permite múltiplos quadros de leitura. E, assim, Platão encontra uma saída para transcender as barreiras da linguagem através das imagens, pois o mito se mostra um campo inesgotável de significações.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Patrick Martins de Carvalho, Universidade de Brasília

Graduando em Filosofia pela Universidade de Brasília.

Referências

Fontes Primárias

PLATÃO. Fédon. Os Pensadores, tradução e notas de José Cavalcante de Souza, Jorge Paleikat e João Cruz Costa. Nova Cultural. 5º Edição, São Paulo, 1991.

________. Fedro. Tradução e notas de Pinharanda Gomes, Coleção de filosofia & Ensaios, Sexta edição, Guimarães Editores. Lisboa, 2000.

________. A República.11.a edição. Tradução e notas de Maria Helena da Rocha Pereira, Editora Fundação Calouste Gulbenkian Av. De Berna. Lisboa, 2008.

________. A República. Tradução de Leonel Vallandro, Ed. Especial Rio de janeiro: Nova Fronteira (Saraiva), 2011.

________. Teeteto. NOGUEIRA, A. M., & BOERI, M. Lisboa: Calouste Gulbenkian, 2005.

________. Timeu -Crítias. Tradução do grego, introdução e notas Rodolfo Lopes, Centro de Estudos Clássicos e Humanísticos, Coimbra, 2011.

Fontes Secundárias

BROCHARD, Victor. Les mythes dans la philosophie de Platon. In: La theorie platonicienne de la participation d’après le Parménide et le Sophiste (Études de philosophie ancienne et de philosophie moderne, Paris: Vrin, 1926)

HADOT, Pierre. O que é filosofia antiga?. Editora Loyola, tradução de Dion Davi Macedo, São Paulo, 1999.

BARROS, Gilda Naécia Maciel. Mito e Paideia, FEUSP, 2008. Acesso em 23/02/2013 em http://www.hottopos.com/notand_lib_10/gilda.pdf.

MUNIZ, Fernando. Os Filósofos e a arte -Platão Contra a Arte. Haddock-Lobo, diversos Autores. Editora Rocco, 2010.

SCHUHL, P.M. La fabulation platonicienne. Paris: PUF, 1947.

Publicado

2015-04-14

Como Citar

Martins de Carvalho, P. (2015). O MITO EM PLATÃO E A TRANSFORMAÇÃO DO HOMEM. Revista Perspectivas Do Desenvolvimento, 3(6), 150-160. Recuperado de https://periodicos.unb.br/index.php/perspectivasdodesenvolvimento/article/view/11656

Edição

Seção

Artigos