Indigenismo e políticas indigenistas em dois países americanos (Brasil e México)

Autores

  • Jean Paraizo Alves Ministério da Educação

DOI:

https://doi.org/10.26512/interethnica.v12i1.11883

Palavras-chave:

Indigenismo. Políticas Indigenistas. Brasil. Mexico

Resumo

As bases sobre as quais foram construídos o pensamento indigenista e a política indigenista pelos escritores e estados nacionais americanos, respectivamente, são aquelas resultantes dos primeiros contatos das civilizações e culturas que formam o “velho” e o “novo” mundo.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Jean Paraizo Alves, Ministério da Educação

Possui graduação em Ciências Sociais (bacharelado e licenciatura) pela Universidade Federal de Goiás (1991), em Direito pela Universidade Católica de Goiás (1994), mestrado em Sociologia pela Universidade Federal de Minas Gerais (1998) e doutorado em Ciências Sociais pela Universidade de Brasília. Realizou estágio doutoral (de março a setembro de 2004) no Centro de Investigaciones y Estudios Superiores en Antropología Social (CIESAS). Atualmente é Especialista em Políticas Públicas e Gestão Governamental (EPPGG) do quadro de pessoal do Ministério do Planejamento Orçamento e Gestão. Tem experiência acadêmica e profissional nas áreas de Gestão Governamental, Políticas Públicas, Sociologia e antropologia do Estado e sociedades indígenas, atuando principalmente nos seguintes temas: sociologia e antropologia política, educação, formação de professores, educação escolar indígena, sociologia da religião e estudos comparados sobre as américas.

Referências

BAINES, Stephen Grant. “Os Waimiri-Atroari e a Invenção Social da Etnicidade pelo Indigenismo Empresarial”. Anuário Antropológico 94. Rio de Janeiro/Brasília: DAN/UnB, 1995.

BAZÁN, M. C. Reforma del Estado: política social e indigenismo em México (1988-1996). México: UNAM/IIA, 1999.

BELTRÁN, Gonzalo Aguirre. El Pensar y el Quehacer Antropológico en México. Puebla:UAP, 1994.

CARDOSO DE OLIVEIRA, Roberto. A Crise do Indigenismo. Campinas: Unicamp, 1988.

FERNANDES, Florestan. A Função Social da Guerra na Sociedade Tupinambá. São Paulo: Ed. da USP, 1970.

FREYRE, Gilberto. Sobrados e mocambos. Rio de Janeiro: Record, 1996 [1936].

GAMIO, Manoel. Forjando Pátria. México: Porúa, 1982.

LEITÃO, Rosani Moreira. Escola, Identidade Étnica e Cidadania: comparando experiências e discursos de professores Terena (Brsil) e Purápecha (México). Brasília: CEPPAC/UnB (tese de doutorado), 2005.

LIMA, A. C. de S. Um Grande Cerco de Paz: poder tutelar, indianidade e formação do Estado no Brasil. Petrópolis: Vozes, 1995.

OLIVEIRA, A N. Fragmentos da Etnografia de uma Rebelião do Objeto: indigenismo e antropologia em tempos de autonomia indígena. Anuário Antropológico 98. Rio de Janeiro: Tempo Brasileiro,2002.

Downloads

Publicado

2014-05-28

Como Citar

ALVES, J. P. Indigenismo e políticas indigenistas em dois países americanos (Brasil e México). Revista de Estudos em Relações Interétnicas | Interethnica, [S. l.], v. 12, n. 1, p. 1–16, 2014. DOI: 10.26512/interethnica.v12i1.11883. Disponível em: https://periodicos.unb.br/index.php/interethnica/article/view/11883. Acesso em: 1 ago. 2021.