Inespecificidade e política na literatura brasileira recente

Autores

DOI:

https://doi.org/10.1590/2316-4018643

Palavras-chave:

Roy Frankel, inespecificidade, política

Resumo

“A gente escreve o que ouve e nunca o que houve”, essa frase de Oswald de Andrade, recuperada na epígrafe do livro Delírios de damasco de Veronica Stigger, nos provoca a um redimensionamento do que entendemos das escritas literárias. Do mesmo modo, convoca uma prática de escrita não coincidente consigo mesma. A essa não coincidência, chama-se, aqui nesse texto, inespecificidade, noção da autora Florencia Garramuño, que nos serve de aproximação à leitura do poema “Sessão” de 2017, de Roy David Frankel. Esse encontro, que centraliza o debate do texto, traz uma série de provocações às práticas literárias recentes e ao atual cenário político brasileiro figurado desde o golpe de Estado em 2016. O esforço é de tomar as práticas literárias atuais como espaço possível de construção política, sob a forma da impropriedade e da impertinência.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

FOLLAIN, Vera Lúcia (2019). Prefácio. In: VILLA-FORTE, Leonardo (2019). Escrever sem escrever: literatura e apropriação no século XXI. Rio de Janeiro: Editora PUC-Rio.

FRANKEL, Roy David (2017). Sessão. São Paulo: Editora Luna Parque.

GARRAMUÑO, Florencia (2014). Frutos estranhos: sobre a inespecificidade na estética contemporânea. Rio de Janeiro: Rocco.

KIFFER, Ana (2014). A escrita e o fora de si. In: KIFFER, Ana; GARRAMUÑO, Florencia (org.). Expansões contemporâneas – literatura e outras formas. Belo Horizonte: Editora UFMG.

OLINTO, Heidrun Krieger; SCHØLLHAMMER, Karl Erik (2016). O lugar da crítica na literatura e nas artes contemporâneas. In: OLINTO, Heidrun Krieger; SCHØLLHAMMER, Karl Erik; SIMONI, Mariana (org.). Literatura e artes na crítica contemporânea. Rio de Janeiro: Editora PUC-Rio.

SCHWARTZ, Roberto (1992). Nota sobre vanguarda e conformismo. In: SCHWARTZ, Roberto. O pai de família e outros estudos. Rio de Janeiro: Paz e Terra. p. 43-48.

SIGNORINI, Inês (2019). Escritas humanas, mas não humanísticas. Trabalhos em linguística aplicada, Campinas, v. 58, n. 2, p. 544-565, maio/ago.

VERONESE, Cosetta. Can the humanities become post-human? Relation. Beyond Anthropocentrism, v. 4, n. 1, p. 97-101, June.

VILLA-FORTE, Leonardo (2019). Escrever sem escrever: literatura e apropriação no século XXI. Rio de Janeiro: Editora PUC-Rio.

Downloads

Publicado

2021-11-07

Como Citar

César Thomaz, P. ., & Lucas Duarte, D. . (2021). Inespecificidade e política na literatura brasileira recente. Estudos De Literatura Brasileira Contemporânea, (64), 1–8. https://doi.org/10.1590/2316-4018643