Padê Editorial e Nega Lilu: representatividade feminina no mercado editorial independente

Autores

DOI:

https://doi.org/10.1590/2316-4018621

Palavras-chave:

mercado editorial independente, Padê Editorial, Nega Lilu, editoras mulheres

Resumo

Este artigo propõe-se a apresentar algumas considerações sobre duas editoras brasileiras pertencentes ao chamado mercado independente: Padê Editorial, fundada em 2015, e Nega Lilu, em 2013. Primeiramente, destacam-se alguns conceitos importantes para se pensar a cena independente, tais como o de “campo editorial”, de Pierre Bourdieu, e a própria noção de “independência”, ligada à busca por práticas editoriais que priorizam a bibliodiversidade, na busca por alternativas mercadológicas que não coloquem o lucro como principal finalidade. O escopo teórico do artigo está ancorado em John Thompson (2013), Gilles Colleu (2007) e José Muniz Jr. (2016). A seguir, é realizado o estudo de caso das editoras aqui elencadas, ao conferirem visibilidade às mulheres, às mulheres negras e às lésbicas, principalmente, além de estarem situadas fora do eixo Rio de Janeiro-São Paulo, dando visibilidade, ainda, aos autores da região Centro-Oeste, onde estão localizadas. Assim, tais práticas editoriais, que objetivam, inclusive, um apelo estético significativo, acabam por adquirir uma significação política, tornando-se capitais simbólicos primordiais para se pensar (e repensar) o cenário contemporâneo da edição no Brasil.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

BOURDIEU, Pierre (2001). A produção da crença: contribuição para uma economia dos bens simbólicos. Porto Alegre: Editora Zouk.

BOURDIEU, Pierre (2005). As regras da arte: gênese e estrutura do campo literário. São Paulo: Cia. das Letras.

BOURDIEU, Pierre (2018). Uma revolução conservadora na edição. Tradução de José de Souza Muniz Jr. e Luciana Salazar Salgado. Revista Política & Sociedade, Florianópolis, v. 17, n. 39, p. 198-249. Disponível em: https://bit.ly/3p3YaOM. Acesso em: 12 fev. 2019.

COLLEU, Gilles (2007). Editores independentes: da idade da razão à ofensiva? Rio de Janeiro: Libre.

DALCASTAGNÈ, Regina (2012). Literatura brasileira contemporânea: um território contestado. Vinhedo: Editora Horizonte.

KILOMBA, Grada (2019). Memórias da plantação: episódios de racismo cotidiano. Rio de Janeiro: Cobogó.

LIMA, Ana Christina da Rocha Lima (2017). Nádia Koller: memórias e receitas de Goyaz. Goiânia: Nega Lilu.

LUGONES, María (2019). Rumo a um feminismo decolonial. In: HOLLANDA, Heloisa Buarque de (Org.). Pensamento feminista: conceitos fundamentais. Rio de Janeiro: Bazar do Tempo. p. 357-377.

MAGALHÃES, Flávia Denise Pires de (2018). Feira de publicações independentes: uma análise da emergência desses encontros em Belo Horizonte (2010-2017) e dos eventos Faísca – Mercado Gráfico e Textura (2017-2018). 2018. 160 f. Dissertação (Mestrado em Estudos de Linguagens) – Centro Federal de Educação Tecnológica de Minas Gerais, Belo Horizonte.

MUNDIM, Larissa (2011). A perversão do enigma. Nega Lilu: experiência literária coletiva, Goiânia, 13 jan. Blog. Disponível em: http://negalilu.com.br/category/blog-nega-lilu

MUNDIM, Larissa (2015). Operação Kamikaze. Goiânia: Nega Lilu Editora.

MUNDIM, Larissa; PRADO, Valentina (2013). Sem palavras. Goiânia: Nega Lilu Editora.

MUNIZ JÚNIOR, José de Souza (2016). Girafas e bonsais: editores “independentes” na Argentina e no Brasil (1991-2015). Tese (Doutorado em Sociologia) – Universidade de São Paulo, São Paulo.

NASCIMENTO, Tatiana (2018). Entrevista. In: LEMES, Ana Emília. Editoras lésbicas brasileiras: algumas iniciativas no mercado editorial. Trabalho de conclusão de curso (Graduação em Letras) – Centro Federal de Educação Tecnológica de Minas Gerais, Belo Horizonte.

NOËL, Sophie (2018). La edición independiente crítica: compromisos políticos e intelectuales. Villa María: Eduvim.

POLESSO, Natália Borges (2018). Geografias lésbicas: literatura e gênero. Criação e Crítica, n. 20, p. 3-19. Dossiê Sáfico.

RIBEIRO, Ana Elisa (2019). Boitempo Editorial e Ivana Jinkings: um quarto de século de uma editora de esquerda no Brasil. Pontos de Interrogação, Alagoinhas, v. 9, n. 1, p. 201-226, jan.-jun.

SILVA, Nathanael Araújo da (2016). As pessoas dos livros e os livros das pessoas: uma etnografia sobre a produção e circulação de obras LGBTs. Dissertação (Mestrado em Ciências Sociais) – Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro.

THOMPSON, John B (2013). Mercadores de cultura: o mercado editorial no século XXI. São Paulo: Ed. Unesp.

Downloads

Publicado

2021-04-12

Como Citar

Pereira, M. do R. A. ., & Coutinho, S. M. . (2021). Padê Editorial e Nega Lilu: representatividade feminina no mercado editorial independente. Estudos De Literatura Brasileira Contemporânea, (62), 1–13. https://doi.org/10.1590/2316-4018621