Representações do sujeito poético lésbico

Autores

DOI:

https://doi.org/10.1590/2316-4018613

Palavras-chave:

lésbica, representações, sujeito poético

Resumo

Ao escrever “Heterossexualidade compulsória e existência lésbica”, a feminista radical e ativista lésbica Adrienne Rich pontua, entre tantas colocações pertinentes, a presença da marca da dupla subjetividade no corpo político da mulher lésbica. Ela é uma mulher, sujeito menor diante de uma sociedade patriarcal e misógina, e ela é lésbica em uma sociedade que, além do que já foi posto, é lesbofóbica e fetichista. Passa-se o tempo e a poeta lésbica Angélica Freitas nos/se pergunta: “para que serve um útero quando não se faz filhos?”. Em consonância, a poeta carioca Simone Brantes dá a voz a um eu lírico que questiona: “como entram duas vulvas sob a colcha?”. O mesmo pensamento de uma sociedade capitalista que vê o útero da mulher como uma fábrica a serviço dela é a mesma que deslegitima, fetichiza, oprime e tenta apagar o afeto, o amor, a história e a memória na relação entre duas mulheres. O presente trabalho pretende pontuar como o amor entre lésbicas é também resistência política, e como o sujeito poético lésbico ”“ e de autoria lésbica ”“ é importante para esse movimento. Para tal, serão analisadas obras das poetas supracitadas, Angélica Freitas e Simone Brantes, a fim refletir sobre gênero, sexualidade, subjetividades do sujeito lésbico e enriquecer a discussão acerca desses sujeitos que passam constantemente por diversos processos de apagamento.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ANZALDÚA, Gloria (2009). To(o) queer the writer ”“ loca, escritora, y chicana. In: KEATING, AnaLouise (Ed.). The Gloria Anzaldúa reader. Durham: Duke University Press. p. 163-175.

BRANTES, Simone (2016). Quase todas as noites. Rio de Janeiro: 7Letras.

BUTLER, Judith (2003). Problemas de gênero: feminismo e subversão da identidade. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira.

DALCASTAGNÈ, Regina (2012). Literatura brasileira contemporânea: um território contestado. Vinhedo: Horizonte.

FEDERICI, Silvia (2017). Calibã e a bruxa: mulheres, corpo e acumulação primitiva. Tradução DE coletivo Sycorax. São Paulo: Elefante.

FREITAS, Angelica (2017). Um útero é do tamanho de um punho. São Paulo: Cia das Letras.

FUNCK, Susana Bornéo (2011). O que é uma mulher. Revista Cerrados, Brasília, v. 20, n. 31, p. 64-74.

IORIO, Maria Isabel (20196). Aos outros só atiro o meu corpo. Bragança Paulista, SP: Urutau.

LANDOWSKI, Erick (2002). Presenças do outro: ensaios sobre sociossemiótica. São Paulo: Perspectiva.

MISKOLCI, Richard (2014). Teoria queer: um aprendizado pela diferença. Belo Horizonte: Autêntica.

PELÚCIO, Larissa (2012). Subalterno quem, cara pálida? Apontamentos à s margens sobre pós-colonialismos, feminismos e estudos queer. Contemporânea, v. 2, n. 2, Dossiê Saberes Subalternos, p. 395-418, jul./dez.

PRECIADO, Paul B. (2014). Manifesto contrassexual: práticas subversivas de identidade sexual. São Paulo: n-1 edições.

RICH, Adrienne. Heterossexualidade compulsória e existência lésbica & outros ensaios. Rio de Janeiro: A Bolha, 2019.

SALIH, Sara (2015). Judith Butler e a teoria queer. Belo Horizonte: Autêntica.

SILVA, Antonio de Pádua Dias da (2016). Literatura de língua portuguesa e homoafetividade: o aspecto político na ficção contemporânea. In: CAMARGO, Fábio Figueiredo; GARCIA, Paulo César (Org.). Homocultura e linguagens. Salvador: Eduneb.

Downloads

Publicado

2020-11-22

Como Citar

Ágnes Christiane de Souza. (2020). Representações do sujeito poético lésbico. Estudos De Literatura Brasileira Contemporânea, (61), 1–11. https://doi.org/10.1590/2316-4018613