Pensar a multiplicidade na hiperconcisão ficcional: o microconto brasileiro contemporâneo (2000-2017)

Autores

DOI:

https://doi.org/10.1590/2316-4018592

Palavras-chave:

microconto, literatura brasileira contemporânea, pós-modernidade

Resumo

Nascido do modernismo e das vanguardas históricas, o microconto é hoje um dos reflexos literários mais emblemáticos do modo de ser e estar do novo milénio, contando com uma produção bastante significativa na América Latina. Neste trabalho, analisamos o panorama atual do microconto brasileiro, atendendo às suas tendências mais representativas, assim como aos autores e às obras que, nas últimas décadas, consolidaram essas mesmas direções.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ALMEIDA, Márcio (2010). A minificção do Brasil: em defesa dos frascos & dos comprimidos. Oliveira, MG: Clube dos Autores.
BAGGIO, Mário (2017a). Contos Mínimos # 831 a 840. Homem de Palavra: o blog do Mário Baggio, São Paulo, 28 nov. On-line. Disponível em: http://homemdepalavra.com.br/contos-minimos-831-840/ Acesso em: 25 ago. 2018.
BAGGIO, Mário (2017b). Contos Mínimos # 821 a 830. Homem de Palavra: o blog do Mário Baggio, São Paulo, 7 nov. On-line. Disponível em: http://homemdepalavra.com.br/6331-2/ Acesso em: 25 ago. 2018.
BAGGIO, Mário (2017c). Contos Mínimos # 811 a 820. Homem de Palavra: o blog do Mário Baggio, São Paulo, 23 out. On-line. Disponível em: http://homemdepalavra.com.br/contos-minimos-811-820/ Acesso em: 25 ago. 2018.
BONASSI, Fernando (2001). Passaporte. Rio de Janeiro: Cosac & Naify.
BRASILIENSE, Leonardo (2007). Adeus conto de fadas. Rio de Janeiro: 7 Letras.
BRASILIENSE, Leonardo (2014). Corpos sem pressa. Porto Alegre: Editora Casa Verde.
BUSTAMANTE VALBUENA, Leticia (2016). La contaminación como recurso creativo en el microrrelato. In: ÁLVAREZ RAMOS, Eva; MARTÍNEZ DEYROS, María (Orgs.). Historias mínimas, estudios teóricos y aplicaciones didácticas del microrrelato. Valladolid: Cátedra Miguel Delibes. p. 151-168.
CARRASCOZA, João A (2016). Linha única. São Paulo: Editora SESI-SP.
COLASANTI, Marina (1975). Zooilógico. Rio de Janeiro: Nórdica.
COLASANTI, Marina (1978). A morada do ser. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira.
COLASANTI, Marina (1986). Contos de amor rasgados. Rio de Janeiro: Rocco.
COLASANTI, Marina (2013). Hora de alimentar serpentes. São Paulo: Global Editora.
DEGRAZIA, José Eduardo (1996). O atleta recordista. Porto Alegre: Movimento.
DEGRAZIA, José Eduardo (1998). A orelha do bugre. Porto Alegre: Movimento.
DEGRAZIA, José Eduardo (2016). A colecionadora de corujinhas. Porto Alegre: Bestiário.
DEGRAZIA, José Eduardo (2018). Notícias em três linhas. Porto: Exclamação.
FERREIRA, Ana Sofia Marques Viana (2016). Potencialidades del microrrelato em internet. Revista Matlit, Coimbra, v. 4, n. 2, p. 207-231.
FIALHO, Henrique Manuel Bento (2008). Esboço para um ensaio sobre micronarrativa. In: COSTA, Rui; SEBASTIÃO, André (Orgs.). Primeira antologia de micro-ficção portuguesa. V. N. Gaia: Êxodus, p. 9-19.
FREIRE, Marcelino (Org.) (2004). Os cem menores contos brasileiros do século. São Paulo: Ateliê.
GENETTE, Gerard (1989). Palimpsestos: la literatura en segundo grado. Tradução de Celia Fernández Prieto. Madrid: Taurus.
MESQUITA, Samir (2007). Dois palitos. Disponível em: http://www.samirmesquita.com.br/doispalitos.html. Acesso em: 15 set. 2018.
MESQUITA, Samir (2009). 18:30. Disponível em: http://www.samirmesquita.com.br/. Acesso em: 15 set. 2018.
NÊUMANNE, José (1992). Prefácio. In: EMEDIATO, Luiz Fernando. A grande ilusão. São Paulo: Geração.
NOGUEROL, Francisca (1996). Micro-relato y posmodernidad: textos nuevos para el final de milenio. Revista Interamericana de Bibliografía, Sevilla, n. 1-4. On-line. Disponível em: https://bit.ly/2NlQkyo. Acesso em: 15 set. 2018.
NOLL, João Gilberto (2003/2015). Mínimos, múltiplos, comuns. 2. ed, Rio de Janeiro: Record.
QUEIROZ, Eça de (1983). A perfeição. Contos. Lisboa: Livros do Brasil.
REZENDE JUNIOR, José (2010). Estórias mínimas. Rio de Janeiro: 7 Letras.
ROSSATO, Edson (2010). Cem toques cravados. São Paulo: Andross.
SCHØLLHAMMER, Karl Erik (2004). Miniatura e fragmento: brevíssima incursão pelas formas breves do Brasil. In: NOGUEROL, Francisca (Org.). Escritos disconformes. nuevos modelos de lectura. Salamanca: Ediciones Universidad de Salamanca. p. 153-162.
SEABRA, Carlos (2015). MiQRocontos. Disponível em: http://seabra.com/qrcontos. Acesso em: 15 set. 2018.
SHAKESPEARE, William (1984). Hamlet. Príncipe da Dinamarca. São Paulo: Ediouro.
SOUZA, Fabrina Martinez de; RODRIGUES, Rauer Ribeiro (2012). A ascensão do microconto brasileiro no início do século XXI. In: ÁLVARES, Cristina; KEATING, Maria Eduarda (Orgs.). Microcontos e outras microformas. Minho: Húmus. p. 73-80.
TREVISAN, Dalton (2004). Arara bêbada. Rio de Janeiro: Record.
TREVISAN, Dalton (2007). 99 carnívoras nanicas. Porto Alegre: L&PM Pocket.
TREVISAN, Dalton (2008). Duzentos ladrões. Porto Alegre: L&PM Pocket.
TREVISAN, Dalton (2008). Maníaco de olhos verdes. Rio de Janeiro: Record.
TREVISAN, Dalton (2010). 111 Ais. Porto Alegre: L&PM Pocket.
TREVISAN, Dalton (2013). Desgracida. Rio de Janeiro: Record.

Downloads

Publicado

2020-01-24

Como Citar

Ferreira, A. S. M. V. . (2020). Pensar a multiplicidade na hiperconcisão ficcional: o microconto brasileiro contemporâneo (2000-2017). Estudos De Literatura Brasileira Contemporânea, (59), 1–14. https://doi.org/10.1590/2316-4018592