Bastardos e órfãos contemporâneos:

a arqueologia da infância nos romances de filiação

Autores

  • Alessandra Dalva de Souza Pajolla Universidade Estadual de Maringá

DOI:

https://doi.org/10.1590/2316-4018466

Resumo

A reconstituição das origens configura uma dinâmica narrativa presente em diversas obras no campo literário atual: o retorno ao passado despido de nostalgia, marcado pela tentativa de explicar por meio das origens (reais e imaginárias) as lacunas identitárias. Os romances de filiação integram essa tendência e interrogam a ascendência como um mecanismo para resolver enigmas do presente. As obras Azul-corvo (2010), de Adriana Lisboa, Era meu esse rosto (2012), de Marcia Tiburi, e Chove sobre minha infância (2012), de Miguel Sanches Neto, expõem o percurso de narradores que voltam ao tempo da infância em busca de autoconhecimento e, sobretudo, pertencimento.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

BARTHES, Roland (2003). Como viver junto. Tradução de Leyla Perrone-Moisés. São Paulo: Martins Fontes.

BLANCHOT, Maurice (1995). L’espace littéraire. Paris: Gallimard.

DEMANZE, Laurent (2008). Encres orphelines. Paris: José Corti.

LISBOA, Adriana (2010). Azul-corvo. Rio de Janeiro: Rocco.

NANCY, Jean-Luc (1999). La communaute désouvréet. 3. ed. Paris: Christinan Bourgois.

NOUDELMANN, François (2004). Pour en finir avec la généalogie. Paris: Léo Scheer.

NOUDELMANN, François (2012). Les airs de famille: une philosophie des affinités. Paris: Gallimard.

ROBERT, Marthe (2007). Romances das origens, origem do romance. Tradução de André Telles. São Paulo: Cosac Naify.

SANCHES NETO, Miguel (2012). Chove sobre minha infância. 2. ed. Rio de Janeiro: Record.

TIBURI, Marcia (2012). Era meu esse rosto. Rio de Janeiro: Record.

VIART, Dominique (2008). La littérature française au présent. 2. ed. Paris: Bordas.

Publicado

2015-06-25

Como Citar

Pajolla, A. D. de S. (2015). Bastardos e órfãos contemporâneos:: a arqueologia da infância nos romances de filiação. Estudos De Literatura Brasileira Contemporânea, (46), 105-116. https://doi.org/10.1590/2316-4018466