Interfaces entre ecolinguística e sociolinguística interacional

Autores

  • Genis Frederico Schmaltz Neto Universidade de Brasília

Palavras-chave:

ecolinguística; sociolinguística interacional; interface teórica.

Resumo

Este artigo discute as possibilidades de uma interface teórica e metodológica entre a Ecolinguística praticada no Brasil e a Sociolinguística Interacional. Para isso, usa como dado uma transcrição de interações que aconteceram na comunidade brasiliense Vale do Amanhecer no ano de 2016. Seu objetivo é evidenciar a relação próxima existente entre ambos os domínios do saber e aproximá-los em uma aplicação prática, ora contrapondo o que apresentam como categorias de análise, ora aproximando-o.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Genis Frederico Schmaltz Neto, Universidade de Brasília

Doutor em Linguística pela Universidade de Brasília. Mestre em Letras e Linguística pela Universidade Federal de Goiás (UFG), possui graduação em Letras pela mesma instituição. É editor da Revista Brasileira de Ecologia e Linguagem (ECO-REBEL). Integra o Núcleo de Estudos em Ecolinguística e Imaginário (NELIM). Atua na rede privada de educação básica e superior de Goiânia/Goiás.

Referências

ALBUQUERQUE, D. B. A língua portuguesa em Timor-Leste: uma abordagem ecolinguística. Tese de Doutorado, Universidade de Brasília, 2014.
BASTARDAS I BOADA, Albert. Biological and linguistic diversity: transdiciplinary explorations for a sociology of languages. DiversCité VII. 2002
CAVALCANTE, C. Xamanismo no Vale do Amanhece: o caso Tia Neiva. São Paulo: AnnaBlume, 2000.
Couto, H. H. Ecolinguística: estudos das relações entre língua e meio ambiente. Brasília: Thesaurus, 2007.
____________. Sobre o conceito de comunidade surda. In: Revista de Estudos da linguagem. Belo Horizonte, v. 13, n. 2, p. 193-219, 2005.

____________. O que vem a ser ecolinguística, afinal? In: Cadernos de Linguagem e Sociedade, v. 14, n. 1. 2013a.
___________. A ecologia da interação comunicativa II. In: Meio Ambiente e linguagem. 2013b.
http://meioambienteelinguagem.blogspot.com.br/2013/08/a-ecologia-da-interacao-comunicativa-ii.html (acesso: 01/11/2016).

FÁVERO, L. L.; ANDRADE, M. L. C. V. de O; AQUINO, Z. G. O. Oralidade e escrita: perspectivas para o ensino de língua materna. São Paulo: Cortez, 2005, 5. ed.
FIGUEROA, E. Sociolinguistic metatheory. |Oxford: Pergamon, 1994.
GARNER, M. Ecologia da língua como teoria linguística. In: ECO-REBEL: Revista Brasileira de Ecologia e Linguagem, v. 1. n. 1, 2015.
http://periodicos.unb.br/index.php/erbel/article/view/16525 (acesso: 12/11/2016).
GOFFMAN, E. Footing. In: RIBEIRO, B. T; GARCEZ M. P. (orgs.). Sociolinguística Interacional: antropologia, linguística e sociologia em análise do discurso. Porto Alegre: AGE, 1998, p. 70-97.
GRICE, H. P. Logic and conversation. In: Syntax and semantics 2: speech arts. Londres: Elsevier, 1975.
GUMPERZ, J. Language and social identity. Cambridge: Cambridge University Press, 1972.
__________. Convenções de contextualização. In: RIBEIRO, B; GARCEZ, P. Sociolinguística interacional: antropologia, linguística e sociologia em análise do discurso. Porto Alegre: AGE, 1998.
Hymes (Org.). Directions in sociolinguistics, 35-71. New York: Holt, Rinehart and Winston. 1972.
HAUGEN, E. The ecology of language. Stanford: Stanford University Press, 1972.
KNAPP, L.; HALL, J. Nonverbal Communication in Human Interaction. Crawfordsville, IN: Thomson Learning, 2002.
MARQUES, Erich. G. Os poderes do estado no Vale do Amanhecer: percursos religiosos, práticas espirituais e cura. Dissertação de Mestrado, Universidade de Brasília, 2009
MAKKAI, A. Porque *ecolinguística*. In: ECO-REBEL: Revista Brasileira de Ecologia e Linguagem, v.1. n. 1. 2015. http://periodicos.unb.br/index.php/erbel/article/view/15124 (acesso: 20/10/2016).

MUFWENE, Salikoko. The ecology of language evolution. Cambridge: Cambridge University Press.
Mollica, M. C; BRAGA M. L. Introdução à sociolinguística: o tratamento da variação. São Paulo: Contexto, 2003.
NASH, Joshua. Norfolk Island, South Pacific: An empirical ecolinguistic case study. In: Journal of the Australasian Universities Language and Literature Association, 116, p. 83-97, 2011.
Pereira, R. A. O pensamento de pistas de contextualização: um olhar voltado para os falantes de espanhol aprendizes de português. 2009. Dissertação de Mestrado, Universidade de Brasília, 2009.
SCHMALTZ NETO, G. F. Entre o Vale e o Amanhecer: comunidade de fala para ecolinguística. In: KIOKO, Elza; ALBUQUERQUE, Davi (orgs.). Linguística ecossistêmica e análise do discurso ecológica: teoria e aplicações. Brasília: Thesaurus, 2015.
TANNEN, D; WALLAT, C. Enquadres interativos e esquemas de conhecimento em interação: exemplos de um exame/consulta médica. In: RIBEIRO, B. T; GARCEZ M. P. (orgs.). Sociolinguística Interacional: antropologia, linguística e sociologia em análise do discurso. Porto Alegre: AGE, 1998, p. 120-141.
Tarallo, F. A pesquisa sociolinguística. Série Princípios. São Paulo: Ática, 1985.

Publicado

2017-02-10

Como Citar

Schmaltz Neto, G. F. (2017). Interfaces entre ecolinguística e sociolinguística interacional. Ecolinguística: Revista Brasileira De Ecologia E Linguagem (ECO-REBEL), 3(1), 172-185. Recuperado de https://periodicos.unb.br/index.php/erbel/article/view/10483

Edição

Seção

Artigos