Recuperando a justiça de gênero e a África nas Conferências Mundiais da Mulher

Main Article Content

Enzo Lenine
Locarine Oncampo

Resumo

Como se configuram os pilares de justiça de gênero nas Conferências Mundiais da Mulher, nomeadamente em seus planos, plataformas e estratégias de ação? Neste artigo, apontamos como estes documentos ensejam princípios de justiça fundados em três dimensões: redistribuição, reconhecimento e representação. Ademais, analisamos brevemente como eles se aplicam à África no contexto das conferências. Concluímos que há um enfoque prioritário em redistribuição e reconhecimento, e difuso em representação.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Article Details

Como Citar
Lenine, Enzo, e Locarine Oncampo. 2020. “Recuperando a justiça De Gênero E a África Nas Conferências Mundiais Da Mulher”. Meridiano 47 - Journal of Global Studies 21 (julho). https://doi.org/10.20889/M47e21009.
Seção
Dossiê
Biografia do Autor

Enzo Lenine, Univerisdade da Integração Internacional da Lusofonia Afro-Brasileira

Universidade da Integração Internacional da Lusofonia Afro-Brasileira, Instituto de Humanidades e Letras dos Malês

Locarine Oncampo, Universidade da Integração Internacional da Lusofonia Afro-Brasileira

Universidade da Integração Internacional da Lusofonia Afro-Brasileira, Instituto de Humanidades e Letras dos Malês

Referências

Ackerly, Brooke A., Stern, Maria, True, Jacqui. “Feminist methodologies for International Relations”. In: Feminist Methodologies for International Relations, edited by Brooke A. Ackerly, Maria Stern and Jacqui True, 1-15. Cambridge: Cambridge University Press, 2006.

African Union (2020). Key Transformational Outcomes of Agenda 2063. 2020. Disponível em: <https://au.int/en/agenda2063/outcomes>. Acesso em: 7 de julho de 2020.

Amadiume, Ifi. Re-Inventing Africa: Matriarchy, religion and culture. Londres: Zed Books, 1997.

Ballestrin, Luciana Maria de Aragão. “Feminismos subalternos.” Estudos Feministas, Florianópolis, 25, n. 3 (2017): 1035-1054.

Biroli, Flávia. Autonomia e Desigualdade de Gênero: contribuições do feminismo para a crítica democrática. Vinhedo: Editora Horizonte, 2013.

Bond, Johanna. “The Challenges of Parity: Increasing Women’s Participation in Informal Justice Systems within Sub-Saharan Africa”. In Gender Parity & Multicultural Feminism, edited by Ruth Rubio-Marín and Will Kymlicka, 175-198. Oxford: Oxford University Press, 2018.

Bonfiglioli, Chiara. “The First Un World Conference on Women (1975) as a Cold War Encounter: Recovering Anti-Imperialist, Non-Aligned and Socialist Genealogies.” Filozofija i Društvo, XXVII, n. 3 (2016): 521-541.

Bunch, Charlotte. “Opening Doors for Feminism: UN World Conferences on Women.” Journal of Women’s History, 24, n. 4 (2012): 213-221.

Collins, Patricia Hill. Pensamento feminista negro. São Paulo: Boitempo, 2019.

Cooper, Melinda. Family Values: Between Neoliberalism and the New Social Conservatism. Nova Iorque: Zone Books, 2017.

Davis, Angela. Mulheres, raça e classe. São Paulo: Boitempo, 2016.

Enloe, Cynthia. Bananas, Beaches and Bases: Making Feminist Sense of International Politics. Berkeley: University of California Press, 2014.

Federici, Silvia. Mulheres e Caça às Bruxas. São Paulo: Boitempo, 2019.

The African Women’s Development and Communication Network (FEMNET). Pan-African Womne’s Conference On 2030 Agenda & Africa Agenda 2063. 2017. Disponível em: <https://femnet.org/wp-content/uploads/2017/11/Pan-African-Women%E2%80%99s-Conference-on-2030-Agenda-Printed.pdf>. Acesso em: 7 de julho de 2020.

Figueiredo, Angela, Gomes, Patrícia Godinho. “Para além dos feminismos: uma experiência comparada entre Guiné-Bissau e Brasil.” Estudos Feministas, 24, n. 3 (2016): 909-927.

Fraser, Nancy. Justice interruptus: critical reflections on the “postsocialist” condition. Londres: Routledge, 1997.

Fraser, Nancy. “Reconhecimento sem Ética?” Lua Nova, n. 70 (2007a): 101-138.

Fraser, Nancy. “Mapeando a imaginação feminista: da redistribuição ao reconhecimento e à representação.” Estudos Feministas, 15, n. 2 (2007b): 291-308.

Garcia, Carla Cristina. Breve História do Feminismo. São Paulo: Claridade, 2011.

Ghodsee, Kristen. “Revisiting the United Nations decade for women: Brief reflections on feminism, capitalis and Cold War politics in the early years of the international women’s movement.” Women’s Studies International Forum, 33 (2010): 3-12.

Gomes, Patrícia Godinho. ““As outras vozes”: Percursos femininos, cultura política e processos emancipatórios na Guiné-Bissau.” Odeere: Revista do Programa de Pós-Graduação em Relações Étnicas e Contemporaneidade – UESB, 1, n. 1 (2016): 121-145.

Hawkesworth, Mary, Disch, Lisa. “Introduction. Feminist Theory: Transforming the Known World.” In: The Oxford Handbook of Feminist Theory, edited by Lisa Disch and Mary Hawkesworth, 1-15. Oxford: Oxford University Press, 2018.

hooks, bell. Olhares negros: raça e representação. São Paulo: Elefante, 2019.

Hughes, Melanie M., Paxton, Pamela, Krook, Mona Lena. “Gender Quotas for Legislatures and Corporate Boards”. Annual Review of Sociology, 43 (2017): 331-352.

International Parliamentary Union. Monthly rankng of women in national parliaments. 2020. Disponível em: <https://data.ipu.org/women-ranking?month=5&year=2020>. Acesso em: 25 de junho de 2020.

Kodjo, Edem, Chanaiwa, David. “Pan-africanismo e libertação”. In: História Geral da África VIII: África desde 1935 edited by Ali A. Mazrui and Christophe Wondji, 897-924. Brasília: UNESCO, 2010.

Kymlicka, Will, Rubio-Marín, Ruth. “The Participatory Turn in Gender Equality and its Relevance for Multicultural Feminism.” In: Gender Parity & Multicultural Feminism, edited by Ruth Rubio-Marín and Will Kymlicka, 1-45. Oxford: Oxford University Press, 2018.

Lugones, María. “Colonialidad y Género.” Tabula Rasa, n. 9 (2008): 73-101.

Lugones, María. “Toward a Decolonial Feminism.” Hypatia, 25, n. 4 (2010): 742-759.

Mendoza, Breny. “Coloniality of Gender and Power: From Poscoloniality to Decoloniality”. In The Oxford Handbook of Feminist Theory edited by Lisa Disch and Mary Hawkesworth, 100-121. Oxford: Oxford University Press, 2018.

ONU Mujeres. Mujeres en la política: 2020. 2020. Disponível em: <https://www.unwomen.org/-/media/headquarters/attachments/sections/library/publications/2020/women-in-politics-map-2020-es.pdf?la=es&vs=828>. Acesso em: 12 de abril de2020).

Organização das Nações Unidas (ONU). Report of the World Conference of the International Women’s Year – Mexico City. 1976. Disponível em: <http://www.onumulheres.org.br/wp-content/uploads/2015/03/relatorio_conferencia_mexico.pdf>. Acesso em: 12 de janeiro de 2020.

Organização das Nações Unidas (ONU). Report of the World Conference of the United Nations Decade for Women: Equality, Development and Peace. 1980. Disponível em: <http://www.onumulheres.org.br/wp-content/uploads/2015/03/relatorio_conferencia_copenhagem.pdf>. Acesso em: 12 de janeiro de 2020.

Organização das Nações Unidas (ONU). Report of the World Conference to Review and Appraise the Achivements of the United Nations Decade for Women: Equality, Development and Peace. 1985. Disponível em: <http://www.onumulheres.org.br/wp-content/uploads/2015/03/relatorio_conferencia_nairobi.pdf>. Acesso em: 12 de janeiro de 2020.

Organização das Nações Unidas (ONU). Declaração e Plataforma de Ação da IV Conferência Mundial Sobre a Mulher. 1995. Disponível em: <http://www.onumulheres.org.br/wp-content/uploads/2015/03/declaracao_pequim1.pdf>. Acesso em: 12 de janeiro de 2020.

Organização das Nações Unidas (ONU). Objetivos de Desenvolvimento do Milênio. 2020. Disponível em: <https://nacoesunidas.org/tema/odm/>. Acesso em: 7 de julho de 2020.

Oyěwùmí, Oyèrónkẹ́. The Invention of Women: Making an African Sense of Western Gender Discourses. Minneapolis: University of Minneapolis Press, 1997.

Pinto, Céli Regina Jardim. “Feminismo, História e Poder.” Revista Sociologia e Política, 18, n. 36 (2010): 15-23.

Phillips, Anne. “De uma política de idéias a uma política de presença?” Estudos Feministas, 9, n. 1, (2001): 268-290.

Phillips, Anne. “Da desigualdade à diferença: um caso grave de deslocamento?” Revista Brasileira de Ciência Política, n. 2 (2009): 223-240.

Phillips, Anne. “O que há de errado com a democracia liberal?” Revista Brasileira de Ciência Política, n. 6 (2011): 339-363.

Rawls, John. Uma Teoria da Justiça. São Paulo: Martins Fontes, 2016.

Rubin, Beatriz. “O papel das conferências mundiais sobre as mulheres frente ao paradigma do empoderamento feminino”, Leopoldianum, 38, n. 104/105/106 (2012): 61-84.

Runyan, Anne Sisson, Peterson, V. Spike. Global Gender Issues in the New Millennium (4ª Edición). Boulder: Westview Press, 2014.

Sen, Amartya. “Missing Women.” British Medical Journal, n. 304 (1992): 587-588.

Sen, Amartya. Desenvolvimento como Liberdade. São Paulo: Companhia das Letras, 1999.

Sen, Amartya. A Ideia de Justiça. São Paulo: Companhia das Letras, 2009.

Silva, Ana Paula Maielo, Linhares, Monique de Medeiros, Melo, Rachel Emanuelle Lima Lira Farias de. “Por uma Virada Pós-Secular: O Feminismo Islâmico e os Desafios aos Feminismos (Seculares) em Relações Internacionais.” Monções: Revista de Relações Internacionais da UFGD, 6, n. 11 (2016): 58-88.

Spivak, Gayatri C. Pode o subalterno falar? Belo Horizonte: Editora UFMG, 2012.

Stychin, Carl F. “Constituting Sexuality: The Struggle for Sexual Orientation in the South African Bill of Rights”. Journal of Law and Society, 23, n. 4 (1996): 455-483.

Tickner, J. Ann. Gender in International Relations: Feminist Perspectives on Achieving Global Security. Nova Iorque: Columbia University Press, 1992.

Tickner, J. Ann. Gendering World Politics: Issues and Approaches in the Post-Cold War World. Nova Iorque: Columbia University Press, 2001.

Tickner, J. A. “Feminist Perspectives on International Relations”. In: Handbook of International Relations edited by Walter Carlsnaes, Thomas Risse and Beth A. Simmons, 275-291. Londres: SAGE, 2006.

Tripp, Aili Mari. “Women’s Movements and Constitution Making after Civil Unrest and Conflict in Africa: The Cases of Kenya and Somalia.” Politics & Gender, 12 (2016): 78-102.

United Nations (UN). The Millennium Development Goals Report 2015. 2015. Disponível em: <https://www.un.org/millenniumgoals/2015_MDG_Report/pdf/MDG%202015%20rev%20(July%201).pdf>. Acesso em: 7 de julho de 2020.

United Nations General Assembly (UNGA). United Nations Millennium Declaration [A/RES/55/2]. 2000. Disponível em: <https://undocs.org/A/RES/55/2>. Acesso em: 7 de julho de 2020.

Viotti, Maria Luiza Ribeiro. “Apresentação”. 1995. In: Declaração e Plataforma de Ação da IV Conferência Mundial Sobre a Mulher. Disponível em: <http://www.onumulheres.org.br/wp-content/uploads/2014/02/declaracao_pequim.pdf>. Acesso em: 12 de janeiro de 2020.

Williams, Susan H. “Legal Pluralism, Gender Equality, and Parity of Participation: Consitutional Issues Concerning Customary Law in Liberia”. In: Gender Parity & Multicultural Feminism, edited by Ruth Rubio-Marín and Will Kymlicka, 150-174 Oxford: Oxford University Press, 2018.

Wollstonecraft, Mary. Reivindicação dos Direitos da Mulher. São Paulo: Boitempo, 2016.

Young, Iris Marion. Inclusion and Democracy. Oxford: Oxford University Press, 2000.

Young, Iris Marion. Justice and the politics of difference. Princeton: Princeton University Press, 2011.

Zalewski, Marysia, Parpart, Jane L. “Introduction: rethinking the man question”. In: Rethinking the Man Question: Sex, Gender and Violence in International Relations, edited by Jane L. Parpart and Marysia Zalewski, 1-20. Londres: Zed Books, 2008.

Zerilli, Linda. “Feminist Theory and the Canon of Political Thought.” In: The Oxford Handbook of Political Theory, edited by John S. Dryzek, Bonnie Honig and Anne Phillips, 106-124. Oxford: Oxford University Press, 2006.