Arquivos do CMD https://periodicos.unb.br/index.php/CMD <p>ARQUIVOS DO CMD é uma publicação semestral do grupo de Pesquisa Cultura, Memória e Desenvolvimento da Universidade de Brasília. Aceita trabalhos inéditos em publicações na área de ciências sociais, sob a forma de artigos, ensaios e resenhas de livros em ciências sociais. Excepcionalmente pode publicar relatórios de pesquisa, resenhas bibliográficas temáticas e entrevistas. A titulação mínima exigida para os autores é a de mestre. Excepcionalmente serão aceitas colaborações enviadas por mestrandos. Além de trabalhos em português, a revista aceita tambén contribuições em inglês e espanhol.</p> Grupo de Pesquisa Cultura, Memória e Desenvolvimento da Universidade de Brasília pt-BR Arquivos do CMD 2318-5422 O cômico na performance artística de Ney Matogrosso https://periodicos.unb.br/index.php/CMD/article/view/31149 <p>O artigo aborda a comicidade na performance do cantor Ney Matogrosso, em especial em uma de suas músicas de maior sucesso, <em>Homem com H</em> (autoria de Antônio de Barros, composta nos anos 1970). Desenvolvem-se reflexões sobre como a performance artística em questão pode provocar uma inquietação crítica quanto aos padrões sociais de gênero e da heteronormatividade através do humor, mobilizando uma disputa simbólica e se tornando uma referência à memória cultural de grupos LGBTs no país.</p> Rodolfo Godoi Copyright (c) 2020 Arquivos do CMD http://creativecommons.org/licenses/by/4.0 2020-09-03 2020-09-03 7 2 12 26 10.26512/cmd.v8i2.31149 Ancestralidade, interseccionalidade, feminismo afrolatinoamericano e outras memórias sobre Lélia Gonzalez https://periodicos.unb.br/index.php/CMD/article/view/31148 <p>Embora se saiba das múltiplas inserções intelectuais, políticas e em movimentos sociais da Lélia González, articulando sempre lutas mais amplas da sociedade brasileira com a demanda da população negra e, em especial, das mulheres negras, ter conhecimento da sua importância para jovens jornalistas negras, aguçaram a curiosidade das autoras deste artigo, o que fez emergir algumas questões norteadoras de pesquisa: <em>Como podem ser cartografados lugares de memória da Lélia González?&nbsp; O que revela essa cartografia? Quais lugares de memória afluem como entroncamentos de maior sentido e visibilidade dentro dessa cartografia? </em>Para responder a essas perguntas, o presente artigo se estrutura em três grandes seções. A primeira se refere ao embasamento teórico-metodológico do trabalho de campo no referido evento e, também, no círculo profissional/militante e familiar da pensadora-ativista. Essa seção se volta, ainda, a relatar as estratégias de obtenção, sistematização, descrição e análise dos dados empíricos. Na segunda seção, apresenta-se o levantamento bibliográfico e documental sobre a pensadora, trazendo à tona sua face mais referenciada entre o grupo estudado. Na seção três do artigo, a triangulação de resultados é elaborada, evidenciando-se os sentidos de existência da Lélia González, instaurados via sua apropriação afetiva, cognitiva e prática, além de instaurados na luta por mantê-la viva. Os conceitos de <em>vigilância comemorativa</em>, <em>lugares de memória</em> e de <em>combate ao trabalho do esquecimento</em> de Pierre Nora (1993), foram inspiradores a essas reflexões.</p> Dione Oliveira Moura Tânia Mara Campos de Almeida Copyright (c) 2020 Arquivos do CMD http://creativecommons.org/licenses/by/4.0 2020-09-03 2020-09-03 7 2 27 45 10.26512/cmd.v8i2.31148 Territorializar las memorias, abrazar los mundos. https://periodicos.unb.br/index.php/CMD/article/view/31147 <p>Este artículo constituye una exploración acerca del pensamiento situado y del afrocentrismo en la obra de la artista cubana de color Ana Mendieta. Aborda las prácticas de éstetesis femeninas transatlánticas, tomando la obra de la artista en Oaxaca, México y en Cuba, para abrazar los conceptos organizadores de “territorios de la memoria”, “arte feminista situado y descolonial”.&nbsp; Asimismo, se toman esos momentos de la obra de la artista entre los años 1977 a 1982 que nos permitan desarrollar el concepto de “poética (erótica) de la Relación”, acuñado por mí en la inspiración del cruce de obra de Édouard Glissant y Audre Lorde, como propia de la territorialización de la memoria. A nivel metodológico, se basa en una combinación de técnicas de revisión bibliográfica y documental, y trabajo de archivo etnográfico con metodología socioafectiva plasmada en la amistad entre mujeres.</p> Karina Bidaseca Copyright (c) 2020 Arquivos do CMD http://creativecommons.org/licenses/by/4.0 2020-09-03 2020-09-03 7 2 46 57 10.26512/cmd.v8i2.31147 Batekoo https://periodicos.unb.br/index.php/CMD/article/view/31146 <p>A Batekoo é uma festa voltada para o público negro e LGBT+ de periferia. Criada em Salvador em 2014, é atualmente realizada em diversas capitais brasileiras e já alcançou mesmo cidades do exterior. Neste artigo, trato da edição que aconteceu no dia 13 de julho de 2018, em Brasília. Meu objetivo é compreender o discurso da organização do evento quanto a gênero e raça, e também como o público interpreta e vivencia o projeto em questão, tendo em vista os usos do corpo e as lógicas de encontros e aproximações, de circulação e ocupação do espaço. Para tanto, considero as imagens de divulgação do evento nas redes sociais e as dinâmicas de interação de indivíduos e grupos durante a festa, partindo de um modelo interseccional que analisa a estética, a sexualidade e a moralidade sexual.</p> Bruna Cristina Jaquetto Pereira Copyright (c) 2020 Arquivos do CMD http://creativecommons.org/licenses/by/4.0 2020-09-03 2020-09-03 7 2 58 77 10.26512/cmd.v8i2.31146 Tradição Calunduzeira https://periodicos.unb.br/index.php/CMD/article/view/31145 <p>Objetiva-se debater como, para a afrorreligiosidade brasileira, tradição é um termo ressignificado a partir da diáspora, operando de forma dialética com a “colonial modernidade” e a partir da atuação das mães de santo. O tráfico negreiro trouxe ao Brasil milhões de africanas/os escravizadas/os, que dividiram cativeiro com ameríndias/os, com quem aprenderam conhecimentos centrais para sua prática religiosa. Desta experiência, forçadamente sincretizada com o catolicismo, nasceram os Calundus coloniais. Estes eram formas afrorreligiosas heterogêneas, que embasaram as atuais religiões de matriz africana e contaram com o saber e a liderança político-religiosa das mães de santo. Assim, no Brasil, faz mais sentido falar em religiões afro-brasileiras. A experiência da escravidão está incluída na tradição, sendo componente intrínseco da formação de sociabilidades em sua constante atualização. A tradição é um construto da resistência do povo negro brasileiro à colonização e à atual “colonial modernidade”.</p> Guilherme Dantas Nogueira Copyright (c) 2020 Arquivos do CMD http://creativecommons.org/licenses/by/4.0 2020-09-03 2020-09-03 7 2 78 90 10.26512/cmd.v8i2.31145 Desafíos para construir procesos educativos feministas. https://periodicos.unb.br/index.php/CMD/article/view/31144 <p>El artículo abordará el análisis de la experiencia de la Diplomatura en estudios de violencias de género y resistencias feministas del Museo Evita&nbsp;(Buenos Aires/Argentina). Se analizará la propuesta educativa como un proceso de formación que recupera aportes de la educación popular y de los estudios académicos de género para construir un enfoque educativo feminista. La revisión de esta experiencia hace énfasis en los modos en que se construye la vinculación entre estudiantes como un modo de aprendizaje colectivo.</p> Florencia Cremona Rocío Gariglio Copyright (c) 2020 Arquivos do CMD http://creativecommons.org/licenses/by/4.0 2020-09-03 2020-09-03 7 2 91 103 10.26512/cmd.v8i2.31144 Escenarios y modalidades de la visibilidad y participación política de mujeres originarias en artículos periodísticos (Argentina, 2000-2019) https://periodicos.unb.br/index.php/CMD/article/view/31142 <p>El trabajo pretende contextualizar y marcar hitos (momentos) en los procesos de emergencia de las mujeres wichi, qom, guaraní y koya en diversos escenarios históricos, legibles en artículos publicados en medios gráficos de referencia dominante en Argentina. Se trata de narrativas del yo fragmentarias, fruto de complejos contratos de interlocución que permiten leer, de manera sesgada, historias otras en las voces de mujeres de pueblos originarios, ignoradas o acalladas que, a lo largo de las dos primeras décadas del siglo XXI, han podido hacerse escuchar con diversas estrategias, de acuerdo con las diferentes coyunturas como así también con las líneas y encuadres de cada medio. Por lo mismo, dan cuenta de formas de visibilidad que van de la cosificación al silenciamiento, de la apropiación a la donación de la palabra, de la estetización al estigma como resultado de negociaciones, no siempre conscientes, para tomar la propia voz y la propia imagen en el espacio público desde un rol no siempre marcado genéricamente. Cada escenario pone en evidencia modalidades de participación&nbsp; política que da cuenta tanto de las formas de protagonismo femenino en esas comunidades en tensión con las estrategias de participación en el espacio público en coyunturas tendientes a un modelo de país populista o neoliberal.</p> Alejandra Cebrelli Copyright (c) 2020 Arquivos do CMD http://creativecommons.org/licenses/by/4.0 2020-09-03 2020-09-03 7 2 104 126 10.26512/cmd.v8i2.31142 “Favorável Sentença” https://periodicos.unb.br/index.php/CMD/article/view/31761 <p>Este artigo busca descrever e analisar a participação de artistas do Boi-bumbá Caprichoso na execução de uma das alegorias do item “Ritual Indígena”, intitulada “Enawenê-nawê: Yãkwa, a Favorável Sentença”, para o Festival Folclórico de Parintins de 2019. Aborda as reflexões dos profissionais de Parintins sobre o processo criativo, a partir de um pensamento a respeito do fazer artístico sob o ponto de vista da poética amazônica. Analisa o processo de conversão semiótica do Ritual citado, lançando luzes sobre a representação alegórica na arena. Por meio de impressões colhidas durante a execução, preparativos finais e efetiva apresentação no Bumbódromo, procura trazer aspectos do fazer alegórico a partir da observação do trabalho dos seus próprios criadores.</p> João Sousa Copyright (c) 2020 Arquivos do CMD http://creativecommons.org/licenses/by/4.0 2020-09-03 2020-09-03 7 2 127 147 10.26512/cmd.v8i2.31761 O Último Estado do Campo https://periodicos.unb.br/index.php/CMD/article/view/31396 <p>Este artigo busca através da pesquisa de trajetórias pessoais e profissionais de autore(a)s brasileiro(a)s contemporâneo(a)s, estreantes em prosa ficcional (conto, crônica e romance) entre 1988 e 2015, compreender as dinâmicas e lógicas do polo de circulação restrita do campo literário brasileiro na virada do século XX para o século XXI. A partir do caminho percorrido pela pesquisa proponho que tal polo do campo literário encontra-se fortemente influenciado por lógicas econômicas advindas do polo mais comercial da literatura. Promovendo em seu interior o surgimento de posições duplas de autore(a)s e editoras, em outras palavras, autore(a)s e editoras são constantemente levados a se utilizar de estratégias mais comerciais para se promover mesmo entre seus pares mais eruditos, não podendo prescindir delas à revelia muitas vezes de seus interesses.</p> Marcello Giovanni Pocai Stella Copyright (c) 2020 Arquivos do CMD http://creativecommons.org/licenses/by/4.0 2020-09-03 2020-09-03 7 2 148 166 10.26512/cmd.v8i2.31396 Editorial https://periodicos.unb.br/index.php/CMD/article/view/33878 Edson Farias Thais Alves Marinho Salete Nery Bruno Couto Copyright (c) 2020 Arquivos do CMD http://creativecommons.org/licenses/by/4.0 2020-09-03 2020-09-03 7 2 1 8 10.26512/cmd.v8i2.33878 A construção imagética do índio e a prática fotográfica contemporânea https://periodicos.unb.br/index.php/CMD/article/view/31762 <p>As fotografias que se seguem resultaram das viagens realizadas à aldeia Tukum, território indígena Tupinambá de Olivença, nos anos de 2017 e 2018. Elas foram construídas de forma pactuada com a comunidade indígena no propósito de narrar uma pequena parte do cotidiano da aldeia. Buscou-se por uma estética e narrativa que demostrasse o envolvimento dos índios com a mata, representado pelas crianças, mulheres e homens camponeses empoderados e politicamente engajados, guiados pelos seus ancestrais, cuja cultura e luta se relacionam intrinsecamente com a terra. Essas imagens podem ser pensadas como um dos vetores possíveis, somados aos outros mecanismos próprios de interpretação da consciência étnica e cultural indígena. É uma produção fotográfica compartilhada, fruto de vivências e trocas intencionadas no reconhecimento das indianidades do povo Tukum.</p> Micael Amaral Marília Oliveira Copyright (c) 2020 Arquivos do CMD http://creativecommons.org/licenses/by/4.0 2020-09-03 2020-09-03 7 2 167 174 10.26512/cmd.v8i2.31762 Ordem/Desordem https://periodicos.unb.br/index.php/CMD/article/view/33881 <p>.</p> Renato Ortiz Copyright (c) 2020 Arquivos do CMD http://creativecommons.org/licenses/by/4.0 2020-09-03 2020-09-03 7 2 206 209 10.26512/cmd.v8i2.33881 Entre conceito e carne https://periodicos.unb.br/index.php/CMD/article/view/30598 <p>O ensaio retorna às etapas de elaboração do biopoder, da biopolítica e da governamentalidade em Foucault visando avaliar, a partir da clareza dos fundamentos, alguns dos usos recentes destes conceitos para pensar a atual pandemia do novo coronavírus em seus efeitos e tendências sociais.</p> Lucas Trindade da Silva Copyright (c) 2020 Arquivos do CMD http://creativecommons.org/licenses/by/4.0 2020-09-03 2020-09-03 7 2 194 205 10.26512/cmd.v8i2.30598 Enredo, "Em rede" https://periodicos.unb.br/index.php/CMD/article/view/31663 <p>Nesse espaço, apresento pedaços da minha experiência enquanto parte da equipe que elaborou a narrativa de enredo do GRES Acadêmicos do Grande Rio no ano de 2020, demonstrando de que maneira minhas trajetórias como sambista e acadêmico se complementaram e contribuíram para a identificação de uma rede de atores envolvidas em torno da narrativa construída. Entendendo o enredo como uma mensagem que pulsa na agremiação e direciona todo o esforço da escola em aderir e ressignificar sua proposta, perceberemos como o enredo é uma narrativa que tece uma malha de sentidos em que seus fragmentos são reelaborados constantemente.</p> Vinícius Natal Copyright (c) 2020 Arquivos do CMD http://creativecommons.org/licenses/by/4.0 2020-09-03 2020-09-03 7 2 175 193 10.26512/cmd.v8i2.31663 Dossiê bilíngue “Gênero, Memória e Cultura” https://periodicos.unb.br/index.php/CMD/article/view/33877 Tânia Mara Campos de Almeida Copyright (c) 2020 Arquivos do CMD http://creativecommons.org/licenses/by/4.0 2020-09-03 2020-09-03 7 2 9 11 10.26512/cmd.v8i2.33877