Os ecos sem voz

Uma década de falas sem escuta no Congresso Nacional Ainda sobre o “infanticídio indígena”

  • Marianna Assunção Figueiredo Holanda
Palavras-chave: Infanticídio Indígena, Criminalização indígena, Direitos Humanos, Pluralismo Jurídico, Pluralismo Bioético

Resumo

Este ensaio reflete sobre os 13 anos em que o outrora PL 1057/2007, atual PLC 119/2015, tramitam no Congresso Nacional, abordando suas consequências na mídia, na opinião pública e na vida dos povos indígenas no Brasil. Trata-se de proposições legislativas que visam normatizar e criminalizar o quem vêm chamando de “infanticídio indígena”. Este texto é, em parte, auto-etnográfico – na medida em que participei de muitos dos eventos relatados, seja como pesquisadora, seja como funcionária pública ou ainda como consultora de organismos internacionais – em parte etnográfico, na medida em que trago relatos de indígenas, indigenistas e funcionários públicos sobre o tema obtidos ao longo das diversas atuações profissionais mencionadas e, por fim, o texto dialoga com pesquisa documental e bibliográfica. Este encontro de perspectivas no tempo e no espaço me conduziu a esquadrinhar o racismo institucional que cria o termo “infanticídio indígena” a partir da presença desigual e nada plural de perspectivas evangélicas como eixo estrutural das atuações legislativas e judiciárias - carregando consigo o signo do universal e, portanto, “neutro”.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

AZEVEDO, Marta Maria. 2008. Diagnóstico da População Indígena no Brasil. Ciência e Cultura, vol.60, nº 4.

ARAÚJO, Íris Morais. 2014. Osikirip: os “especiais” Karitiana e a noção de pessoa ameríndia. Tese de doutorado. Programa de Pós-Graduação em Antropologia Social, Universidade de São Paulo.

BADINTER, Elisabeth. 1985. B126a Um Amor conquistado: o mito do amor materno. Elisabeth Badinter. Tradução de Waltensir Dutra. Rio de Janeiro: Nova Fronteira. Título original: L'Amour en plus, 1980. Paris: FLAMMARION.

BALDI, César. 2016. "Memória colonial e direito constitucional" – Palestra proferida no VI

Congresso Internacional Constitucionalismo e Democracia: o novo constitucionalismo Latino-americano, organizado nos dias 23 e 25 de novembro de 2016 pelo PPGD-UFF, PPGD-UFRJ e pelo Debates Virtuais. Disponível em: <https://www.youtube.com/watch?v=hkDa9eBk1PM&gt;. DATA ACESSO?

BOËCHAT, Juliana. “A segunda vida de Hakani - Matéria da Hakani no Correio Braziliense - de Marcelo Abreu/ Foto: Breno Fortes”. 09 de outubro de 2007. Disponível em: <http://culturoteca.blogspot.com.br/2007/10/matria-da-hakani-no-correio-braziliense.html&gt;.

COHN, Clarice. 2005. Antropologia da Criança. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Ed.; 60 pp.

DAL POZ, João. 2000. “Crônica de uma morte anunciada. Do suicídio entre os Sorowaha”. Revista de Antropologia, v. 43 (1): 89-144.

FEITOSA, Saulo. 2010. Pluralismo moral e direito à vida: apontamentos bioéticos sobre a prática do infanticídio em comunidades indígenas no Brasil. Dissertação de Mestrado,

Ciências da Saúde, Universidade de Brasília.

FEITOSA, Saulo et al. 2010. “Bioethics, culture and infanticide in Brazilian indigenous communites: the Zuruwahá case”. Cad. Saúde Pública, 26(5):853-878.

HOLANDA, Marianna A. F. 2008. Quem são os humanos dos direitos? Sobre a criminalização do infanticídio indígena. Dissertação de mestrado. Programa de Pós- Graduação em Antropologia Social, Universidade de Brasília.

______. 2017. “O falso dilema do ‘infanticídio indígena’: por que o PLC 119/2015 não defende a vida de crianças, mulheres e idosos indígenas”. Combate Racismo Ambiental. Disponível em: <http://racismoambiental.net.br/2017/01/29/o-falso-dilema-do-infanticidio- indigena-por-que-o-pl-1192015-nao-defende-a-vida-de-criancas-mulheres-e-idosos- indigenas/>.DATA ACESSO?

LEITE, Serafim. 1940. Novas cartas jesuíticas – De Nóbrega a Vieira. Série Brasilianas/Biblioteca Pedagógica Brasileira. FALTA LOCAL ; Companhia Ed. Nacional, Vol. 194.

LOPES DA SILVA, Aracy, NUNES, Ângela e MACEDO, Ana Vera (orgs.). 2002.Crianças indígenas: ensaios antropológicos. São Paulo: Global. 280 pp.

PEIXOTO, Afrânio. 1933. Cartas, informações, fragmentos históricos e sermões do Padre Joseph Anchieta, S. J. (1554-1594). Academia Brasileira – II História – Cartas Jesuíticas III/ Coleção Afrânio Peixoto. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira S.A.

QUIJANO, Aníbal. 2002. Colonialidade do poder, Globalização e Democracia. Novos Rumos, ano 17, nº 37.

______. 2005. “Colonialidade do poder, Eurocentrismo e América Latina”. A colonialidade do saber: eurocentrismo e ciências sociais. Perspectivas latino-americanas. Buenos Aires:

CLACSO, Consejo Latinoamericano de Ciencias Sociales.

REZENDE, Claudia Barcellos e COELHO, Maria Cláudia. 2010. Antropologia das Emoções. Série Sociedade e Cultura Rio de Janeiro: Editora Fundação Getúlio Vargas. 136p.

RODRIGUES, Guilherme S. 2013. Direitos Humanos e multiculturalismo: o debate sobre o infanticídio indígena no Brasil. Revista Jurídica da Presidência Brasília v. 15 n. 106 Jun./Set. pp. 489-515.

SANCHÉZ, Albornoz. 1973. La Poblacion de la America Latina – Desde los tiempos precolombianos al ano 2000. Madri: Alianza Univerdidad.

SANTOS, Marco Aurélio da Silva. "Reflexão da Luz";Brasil Escola. Disponível em <http://brasilescola.uol.com.br/fisica/reflexao-luz.htm&gt;. Acesso em: 15 set. 2017.

SANTOS-GRANERO, Fernando. 2011. “Hakani e a campanha contra o infanticídio indígena: percepções contrastantes de humanidade e pessoa na Amazônia brasileira”. Mana. 17(1): 131- 159.

______. 2014. “Que cada povo teça os fios da sua história: o pluralismo jurídico em diálogo didático com legisladores”. Revista Direito. v. 01, n.01 66.

SESAI, Relatório Anual de Gestão – 2016/ Secretaria Especial de Saúde Indígena/ Ministério da Saúde, 2017. Disponível em: <http://portalarquivos.saude.gov.br/images/pdf/2017/abril/26/RG-SESAI-2016-Versao- Final.pdf>. Acesso em: 22 set. 2017.

SUÁREZ, Miguel A. 2014. Presas do timbó. Cosmopolítica e Transformações Suruwaha. Dissertação de Mestrado. Programa de Pós-Graduação em Antropologia Social, Universidade Federal do Amazonas.

TASSINARI, Antonella. 2007. Concepções indígenas de infância no Brasil. Revista Tellus, Campo Grande, v. 7, n. 13, p. 11-25.

UNICEF, Brasil. 2013. “BEMFAM, UNICEF E SESAI juntos para diminuir a mortalidade infantil indígena”. Disponível em: <https://www.unicef.org/brazil/pt/media_25245.html&gt;. Acesso em: 23 set. 2017.

VILAÇA, Aparecida. 2002. “Making Kin Out Of Others In Amazonia”. Journal of the Royal Anthropological Institute. Volume 8, Issue 2. P. 347–365.

______. 2008. “Conversão, predação e perspectiva”.Mana. V. 14, nº 1, p. 173- 204, Disponível em: <http://www.scielo.br/scielo.php script=sci_arttext&pid=S0104- 93132008000100007&lng=en&nrm=iso>. Acesso em: 21 set.2017.

VIVEIROS DE CASTRO, Eduardo. 1996. “Os pronomes cosmológicos e o perspectivismo ameríndio”.Mana, Rio de Janeiro, v. 2, n. 2, p. 115-144. Disponível em: <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0104- 93131996000200005&lng=en&nrm=iso>. Acesso em: 21 set. 2017.

______. Eduardo. 2002.A Inconstância da Alma Selvagem e Outros Ensaios de Antropologia.São Paulo: Cosac & Naify. 552 pp.

______. Eduardo. 2004. “Perspectivismo e Multinaturalismo na América Indígena”. O que nos faz pensar. Nº 18. Disponível em: <http://oquenosfazpensar.fil.puc- rio.br/import/pdf_articles/OQNFP_18_13_eduardo_viveiros_de_castro.pdf>. Acesso em: 21 set. 2017.

Publicado
2018-07-12
Como Citar
Holanda, M. (2018). Os ecos sem voz. Anuário Antropológico, 43(1), 155. https://doi.org/10.26512/anuarioantropologico.v43i1.2018/9315