Tramas agroecológicas na colônia de Pelotas

  • Patrícia dos Santos Pinheiro
  • Renata Menasche
  • Claudia Turra Magni
  • Carmen Janaína Machado

Resumo

Este trabalho busca mostrar processos criativos no âmbito da agricultura agroecológica da região de Pelotas, Rio Grande do Sul, seguindo suas forças e fluxos e analisando, sob um olhar antropológico, tecnologias, invenções e adaptações na produção. A partir de pesquisa etnográfica realizada entre 2015 e 2016, foram reunidos relatos concernentes a atividades produtivas e relação entre novidades e valorização de práticas tradicionais, expandindo as possibilidades de trabalhar com e não somente na terra. Esses relatos foram produzidos, sobretudo, pela família Schiavon, agricultores da localidade de São Manoel, cuja sintonia com plantas e animais, com técnicas empregadas e transformadas e com tecnologias criadas e multiplicadas evidencia um engajamento com o ambiente que extrapola os limites de sua propriedade rural.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

CARNEIRO DA CUNHA, M. 2012. Questões suscitadas pelo conhecimento tradicional. Revista de Antropologia, 55(1): 439-464.

INGOLD, T. 2013. Repensando o animado, reanimando o pensamento. Espaço Ameríndio, v. 7(2)10-25.

_______. 2012. Trazendo as coisas de volta à vida: emaranhados criativos num mundo de materiais. Horizontes Antropológicos, 18 (37): 25-44.

_______. 2011. Materiais contra materialidade. In: _______. Estar Vivo: Ensaios sobre movimento, conhecimento e descrição. Petrópolis, RJ: Vozes, pp. 49-69.

MERLEAU-PONTY, M. 1994[1945]. Fenomenologia da percepção. Ed. São Paulo: Martins Fontes.

MARQUES, F.C.; KRONE, E.E.; CRUZ, P.P.; SCHNEIDER, M. 2015. Produzir e comer ecológico: saberes e viveres em transformação. In: MENASCHE, R. (Org.). Saberes e sabores da colônia: alimentação e cultura como abordagem para o estudo do rural. Ed. Porto Alegre: UFRGS.

MENASCHE, R. (Org.). 2015. Saberes e sabores da colônia: alimentação e cultura como abordagem para o estudo do rural. Ed. Porto Alegre: UFRGS.

MURA, Fabio. 2011. De sujeitos e objetos: um ensaio crítico de antropologia da técnica e da tecnologia. Horizontes Antropológicos, 17(36), 95-125.

OLIVEIRA, D.; SCHNEIDER, S.; MARQUES, F. C. 2017. Contextualização e práticas criativas na agricultura ecológica de Ipê e Antônio Prado/RS: o biofertilizante Super Magro como objeto epistêmico. Desenvolvimento e Meio Ambiente, Curitiba, 41:83-104.

OSÓRIO, H. 2007. O império português no sul da América: estancieiros, lavradores e comerciantes. Porto Alegre: Editora da Ufrgs.

PIGNATI et al. 2017. Distribuição espacial do uso de agrotóxicos no Brasil: uma ferramenta para a Vigilância em Saúde. Ciência & Saúde Coletiva, 22(10): 3281-3293.

PINHEIRO, P.; RODRIGUES, G. R.; SCHIAVON, L.; MENASCHE, R.; TURRA MAGNI, C.; BITTENCOURT, H. 2017. Exposição fotográfica “Tapera”. IX Visualidades. Sobral (CE) e Rio de Janeiro (RJ), Brasil.

PINHEIRO, P. 2015. Agricultura de base ecológica e sustentabilidade: entrevista com Nilo Schiavon. Norus, 3 (4): 279-291.

_______. 2010. Saberes, plantas e caldas: a rede sociotécnica de produção de base ecológica no sul do Rio Grande do Sul. Dissertação de Mestrado, Universidade Federal do Rio Grande do Sul.

PLOEG, J. D. V. der; WISKERKE, J. S. C. (Org.). 2004. Seeds of transition: essays on novelty production, niches and regimes in agriculture. Ed. Assen: Van Gorcun.

SABOURIN, E. 2001. Aprendizagem coletiva e construção social do saber local: o caso da inovação na agricultura familiar da Paraíba. Estudos Sociedade & Agricultura, 16 (1): 37-61.

SALAMONI, G.; WASKIEVICZ, C. A. 2013. Serra dos Tapes: espaço, sociedade e natureza. Tessituras, 1(1): 73-100.

SANTAELLA, L. 2012. Percepção: fenomenologia, ecologia, semiótica. Ed. São Paulo: Cengage Learning.

SCHIAVON, L.; MACHADO, C. J.; PINHEIRO, P. S.; RODRIGUES, G. R.; MENASCHE, R.; TURRA MAGNI, C.; BITTENCOURT, H. 2017. Família Schiavon (Ensaio Fotográfico).

SEYFERTH, G. 1992. As contradições da liberdade: análise de representações sobre a identidade camponesa. Revista Brasileira de Ciências Sociais, n. 18: 78-95.

STEIL, C. A.; CARVALHO, I. C. M. 2014. Epistemologias ecológicas: delimitando um conceito. Mana, 20, (1): 163-183.

ZARTH, P. A. 2006. A estrutura agrária. In: PICCOLO, H. I. L.; PADOIN, M. M. (Org.). Império. Ed. Passo Fundo: Méritos.

Publicado
2018-07-12
Como Citar
Pinheiro, P., Menasche, R., Magni, C., & Machado, C. J. (2018). Tramas agroecológicas na colônia de Pelotas. Anuário Antropológico, 43(1), 93. https://doi.org/10.26512/anuarioantropologico.v43i1.2018/9314