Transformação agrária e desapropriação de terras indígenas em Mato Grosso (1940-1960)

O caso da reserva Kadiwéu

  • José Manuel Flores
Palavras-chave: Reserva Kadiwéu, Expansão da fronteira, Desapropriação de terras indígenas, SPI

Resumo

Este artigo aborda o processo de desapropriação das terras indígenas no sul do estado de Mato Grosso, em meados do século XX, focando no caso particular da reserva Kadiwéu, criada em 1900, e localizada no município de Porto Murtinho, no atual estado do Mato Grosso do Sul. A problemática é colocada no contexto do avanço da fronteira e da transformação na estrutura agrária mato-grossense entre os anos de 1940 a 1960, período crucial na titulação privada de terras e, consequentemente, da apropriação de terras indígenas no sul do estado. No final deste período, uma parte significativa da reserva havia passado ao controle de pecuaristas da região, através de um sistema de arrendamentos estabelecido pelo Serviço de Proteção aos Índios (SPI), peça chave no processo de integração das terras à esfera produtiva em formação em claro detrimento da população Kadiwéu no estado.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ABRAMS, Philip. 1988. “Notes on the Difficulty of Studying the State”, Journal of Historical Sociology, 1 (1): 58-89.

ALVES, Gilberto Luiz. 1984. Mato Grosso e a História: 1870-1929 (Ensaio sobre a transição da casa comercial para a hegemonia do capital financeiro). São Paulo: Ed. da AGB, (Boletim paulista de Geografia), n. 61.

AMADO, Janaína. 1995. “Região, sertão, nação”. Estudos Históricos, vol.8, nº 15: 145-52.

ARRUDA, Larissa Rodrigues Vacari de. 2015. Disputas oligárquicas: as práticas políticas das elites mato-grossenses (1892-1906). São Carlos: EdUFSCar.

AZANHA, Gilberto. 2005. “As terras indígenas Terena no Mato Grosso do Sul”. Revista de Estudos e Pesquisas, 2 (1): 61-111.

BASTOS, P. 2011. “Qual era o projeto econômico varguista?”. Revista Estudos Econômicos, 41(2): 345 – 382.

BORGES, Fernando Tadeu de Miranda. 2001.Do extrativismo à pecuária: algumas observações sobre a história econômica de Mato Grosso. 1870 a 1930. São Paulo: Scortecci.

BRAND, Antônio. 1997. O impacto da perda da terra sobre a tradição Kaiowá /Guarani: os difíceis caminhos da Palavra. Tese em História, PUC/RS, 1997.

CAVALCANTE, Thiago Leandro V. 2013. Colonialismo e Território e Territorialidade: a luta pela terra dos Guarani e Kaiowá em Mato Grosso do Sul. Tese de Doutorado, Faculdade de Ciências e Letras de Assis, UNESP.

CORRÊA, Valmir Batista e Lúcia Salsa CORRÊA. 2010. “Charqueadas: una alternativa na economia pecuária do sul de Mato Grosso (1880-1930/40)”. Revista de História, 2 (3): 11-18.

CORRIGAN, Philip; SAYER, Derek. 1985. The Great Arch: English State Formation as Cultural Revolution. Oxford: Basil Blakewell.

CRESPE, Aline Castilho. 2015. Mobilidade e Temporalidade entre os Kaiowá no Mato Grosso do Sul. Tese de Doutorado em Historia, UFGD.

EREMITES DE OLIVEIRA, J; PEREIRA, Levi M. 2013. Ñande ru Marangatu: Laudo antropológico e histórico sobre uma terra Kaiowá na fronteira do Brasil com o Paraguai, município de Antônio Joao, MS. Dourados: UFGD.

_____EREMITES DE OLIVEIRA, J; PEREIRA, Levi M. 2003. Perícia antropológica, histórica e arqueológica da Terra Indígena Terena de Buriti. Justiça Federal – Campo Grande, MS.

_____EREMITES DE OLIVEIRA, J; PEREIRA, Levi M. 2007. “Duas no pé e uma na bunda”: da participação terena na guerra entre o Paraguai e a Tríplice Aliança à luta pela ampliação dos limites da Terra Indígena Buriti”. História em Reflexão, v. 2: 1-20.

FANAIA, João E. A. 2010. Elites e práticas políticas em Mato Grosso na Primeira República(1889-1930). Cuiabá: Ed. UFMT.

FONSECA, Pedro Cezar Dutra. 1989. Vargas: o capitalismo em construção. São Paulo: Ed. Brasiliense.

FOWERAKER, Joe. 1982. A luta pela terra: a economia política da fronteira pioneira no Brasil. Tradução de Maria Júlia Goldwassar. Rio de Janeiro: Zahar.

FURTADO, Celso. 1977. Formação Econômica do Brasil. 15 ed. São Paulo: Brasiliense.

FREUNDT, Erich. 1947. Índios de Mato Grosso. São Paulo: Edições Melhoramento.

GILMARA, Yoshihara Franco. 2014. A ordem republicana em Mato Grosso: disputas de poder e rotinização das práticas políticas, 1889-1917. Tese de Doutorado, Universidade Estadual Paulista “Júlio de mesquita Filho”, Faculdade de Ciências humanas e Sociais (FCHS)-Franca.

GLEDHILL, J. (org.); SHELL P. A. (org.). 2012. New Approaches to Resistance in Brazil and México. LOCAL ???: Duke University Press..

GRESSLER, Lori Alice; SWENSSON, Lauro J. 1988. Aspectos históricos do povoamento e da colonização do estado de Mato Grosso do Sul. Dourados: Dag.

LENHARO, Alcir. 1986a. Colonização e Trabalho no Brasil: Amazônia, Nordeste e Centro- Oeste. Campinas: Editora da Unicamp.

_____LENHARO, Alcir. 1986b. “A terra para quem nela não trabalha. A especulação com a terra no oeste brasileiro nos anos 50”. Revista Brasileira de História, 6 (12):47-64.

LIMA, Antônio C. 1995. Um grande cerco de paz: poder tutelar, indianidade e formação de Estado no Brasil. Petrópolis: Vozes.

LUTTI, A. C. C. 2009. Acampamentos indígenas e ocupações: novas modalidades de organização e territorialização entre os Guarani e Kaiowá no município de Dourados – MS: (1990-2009). Dissertação de Mestrado em História, UFGD.

MARTINS Guillen, Isabel C. 1999. “A luta pela terra nos sertões de Mato Grosso”. Estudos Sociedade e Agricultura, 12: 148-168.

MARTINS, José de Souza. 1997. Fronteira: a degradação do outro nos confins do humano. São Paulo: Hucitec.

MORENO, Gislaene. 2007. Terra e Poder em Mato Grosso. Politica e mecanismos de burla (1892-1992). Cuiabá: Entrelinhas: EDUFMT.

MORENO, Gislaene. 1999. “O Processo Histórico de acesso à terra em Mato Grosso”. Geosul, 14 (27): 67-90.

MÜLLER, Aline Mari. 2011. Índios Kadiwéu e posseiros na Serra do Bodoquena: representações na mídia impressa acerca de um conflito. Dourados: Dissertação (Mestrado em História), Universidade Federal da Grande Dourados.

MURA, Fabio. 2004. “O tekoha como categoria histórica: elaborações culturais e estratégias Kaiowá na construção do território”. Fronteiras, 8 (15): 109-143.

_____. MURA, Fabio. 2006. À procura do “bom viver”: território, tradição de conhecimento e ecologia doméstica entre os Kaiowá. Tese de doutorado em Antropología Social, UFRJ.

OBERG, Kalervo. 1949. The Terena and the Caduveu of Southern Mato Grosso, Brazil. Smithsonian Institution, Institute of Social Anthropology, Publication No. 9.

OLIVEIRA, João Pacheco de. 1988.O nosso governo: os Ticuna e o regime tutelar. São. Paulo, Marco Zero, Brasília: MCT/CNPq.

OLIVEIRA, Lúcia L. 1998. “A Conquista do espaço: sertão e fronteira no pensamento Brasileiro”. Revista História, Ciências, Saúde,5 (suplemento):195-215.

_____OLIVEIRA, Lúcia L. 2008. “Estado Novo e a conquista de espaços territoriais e simbólicos”. Revista Política e Sociedade,7 (12): 13-21.

PACHECO, R. A. S. 2004. Mobilização Guarani Kaiowá e Ñandeva e a (re)construção de territórios (1978-2003): novas perspectivas para o Direito Indígena. Dissertação de Mestrado em História, UFGD.

PEREIRA, Levi M. 2007. “Mobilidade de processo e processo de territorialização entre os Guaranis atuais”. História em Reflexão, 1(1):1-33.

_____PEREIRA, Levi M. 2005. Relatório de identificação da Terra Indígena Taquara. Município de Juti, Mato Grosso do Sul. Documentação FUNAI, Brasília (mimeo).

_____PEREIRA, Levi M. 2002. Relatório de identificação da Terra Indígena Guyra Roká. Município de Caarapó, Mato Grosso do Sul. Documentação FUNAI, Brasília (mimeo).

RIVASSEAU, Emilio. A vida dos índios Guaycurús. Quinze dias nas suas aldeias. São Paulo: Companhia Editora Nacional, 1936. (Coleção Brasiliana, vol. 60).

RODRIGUES DE OLIVEIRA, Jose Roberto. 2004. Terras Devolutas de áreas ervateiras do sul de Mato Grosso: A difícil construção da pequena propriedade, 1916-1948. Dissertação, Programa de Pós-graduação em História, Universidade Federal de Mato Grosso do Sul.

ROSEBERRY, William. 1994. “Hegemony and the Language of Contention”. In JOSEPH, Gilbert K. (org.); NUGENT, Daniel (org.). Everyday of State Formation. Revolution and Negotiation of Rule in Modern México. LOCAL ??? Duke University Press, p. 355-325.

SABOYA, Vilma Eliza Trinidade de. 1995. “A Lei de Terras (1859) e a Política Imperial: seus reflexos na província de Mato Grosso”, Revista Brasileira de História, 15(30): 115-136.

SALSA CORRÊA, Lúcia. 2002. “A fronteira indígena no sul de Mato Grosso, século XIX. Fontes comentadas”. Tellus, 2 (2): 155-169.

SILVA, A. B. da. 2007. Mais além da “aldeia”: território e redes sociais entre os Guarani de Mato Grosso do Sul. Tese de doutorado em Antropologia Social, URFJ.

SILVA, Lígia Osório. 1996. Terras devolutas e latifúndios. Efeitos da lei de terras de 1850. São Paulo: Editora da UNICAMP.

SILVA, Giovani José da. 2004. A reserva Indígena Kadiwéu, 1899-1984: memoria, identidade e história. LOCAL ??? UFGD.

TRINIDADE, V. E. 1995. “A Lei de Terras (1850) e a Política Imperial. Sus reflexos na Província de Mato Grosso”. Revista Brasileira de História, 15 (30): 115-136.

TRUBILIANO, Carlos Alexandre B. 2014. “No rastro da boiada: pecuária e ocupação do sul de Mato Grosso (1870-1920)”. Revista Crítica Histórica, n. 9: 174-196.

VIETTA, Katya. 2007. História sobre terras e xamãs Kaiowá: territorialidade e organização social na perspectiva dos Kaiowá de Panambizinho (Dourados – MS) após 170 anos de exploração e povoamento não indígena na faixa de fronteira entre o Brasil e Paraguai. São Paulo: Tese de Doutorado em Antropologia Social, Faculdade de Filosofia Letras e Ciências Humanas da Universidade de São Paulo, USP.

WILCOX, Robert W. 2017. Cattle in the Backlands. Mato Grosso and the Evolution of Ranching in the Brazilian Tropics. Austin: University of Texas Press.

Publicado
2018-07-12
Como Citar
Flores, J. M. (2018). Transformação agrária e desapropriação de terras indígenas em Mato Grosso (1940-1960). Anuário Antropológico, 43(1), 285. https://doi.org/10.26512/anuarioantropologico.v43i1.2018/9230