Trabalhando pelos bons vinculamentos

Reflexões antropológicas sobre o ofício das doulas

  • Giovana Acacia Tempesta
Palavras-chave: parto, humanização, doula, vinculamento

Resumo

O artigo trata de um aspecto central do trabalho realizado pelas doulas e educadoras perinatais – profissionais que prestam apoio físico, emocional e informacional à mulher durante a gestação, o parto e o puerpério –, qual seja, a habilidade de estabelecer e sustentar um certo tipo de vinculamento com a mulher. A partir da pesquisa com doulas alinhadas à medicina baseada em evidências científicas que atuam em Brasília (DF), proponho que certos conceitos, imagens e afetos mobilizados por elas tensionam e desafiam a hegemonia dos valores que sustentam os protocolos adotados pelas instituições médico-hospitalares. O conceito de vinculamento (Latour, 2016) nos ajuda a perceber que, sob o aparente contrassenso de uma pedagogia do instinto feminino aplicada pelas doulas, viceja uma modalidade diferencial de cuidado, que pode ser condensada na expressão “mulheres que apoiam mulheres”, e que, em alguma medida, desestabiliza as tendências liberais, individualistas e hedonistas presentes no ideário da “humanização” do parto.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

AGAMBEN, G. 2016. Uma Biopolítica Menor. Série Pandemia. N -1 Edições. (entrevista realizada por S. Grelet e M. Potte-Bonneville, originalmente publicada em Vacarme, vol. 10, jan/2000).

CARNEIRO, R. G. & TEMPESTA, G. A. 2018. Para atravessar o portal da dor. Reflexões antropológicas sobre as diferentes dores associadas ao parto. Paper apresentado no GT 03 da II Reunião de Antropologia da Saúde, Brasília. Disponível em: https://docs.wixstatic.com/ugd/d094b6_5d64f133f44b424d8c6726ae7f4a89d8.pdf

______. 2015. Cenas de Parto e Políticas do Corpo. Rio de Janeiro: Editora Fiocruz.

______. 2014. De perto e de longe do que seria natural, mais natural e/ou humanizado. Uma etnografia de grupos de preparo para o parto. In: FERREIRA, J. & FLEISCHER, S. (orgs.) Etnografias em Serviços de Saúde. Rio de Janeiro: Garamond. pp. 243-265.

CASTELLO, C. C. S. 2016. A doulagem como um “divisor de águas”: uma etnografia do curso de formação de doulas e educadoras perinatais da Matriusca. Monografia de Graduação, Brasília: Universidade de Brasília.

DAVIS-FLOYD, R. E. & SARGENT, C. F. 1997. Introduction. The Anthropology of Birth. In: ______ (eds.) Childbirth and Authoritative Knowledge. Cross-cultural perspectives. Berkeley, Los Angeles, London: University of California Press, pp. 1-51.

DAVIS-FLOYD, R. E & DAVIS, E. 1997. Intuition as authoritative knowledge in midwifery and home birth. In: DAVIS-FLOYD, R. E. & SARGENT, C. F. (eds.) Childbirth and Authoritative Knowledge. Cross-cultural perspectives. Berkeley, Los Angeles, London: University of California Press. pp. 315-349.

DESLANDES, S. F. (org.) 2006. Humanização dos Cuidados em Saúde: conceitos, dilemas e práticas. Rio de Janeiro: Editora Fiocruz. 3.ª reimpressão

DINIZ, S. G. 2005. Humanização da assistência ao parto no Brasil: os muitos sentidos de um movimento. Ciência e Saúde Coletiva, 10 (3): 627-637.

FADYNHA. 2011. A Doula no Parto. O papel da acompanhante de parto especialmente treinada para oferecer apoio contínuo físico e emocional à parturiente. 3.ª ed. São Paulo: Ground.

FLEISCHER, S. 2005. Doulas como “amortecedores afetivos”. Notas etnográficas sobre uma nova acompanhante de parto. Revista Ciências Sociais da Unisinos, 41 (1): 11-22.

HIRSCH, O. 2014. O parto “natural” e “humanizado”: um estudo comparativo entre mulheres de camadas populares e médias no Rio de Janeiro. Tese de Doutorado, Rio de Janeiro: Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro.

JORDAN, B. 1997. Authoritative knowledge and its construction. In: DAVIS-FLOYD, R. E. & SARGENT, C. F. (eds.) Childbirth and Authoritative Knowledge. Cross-cultural perspectives. Berkeley, Los Angeles, London: University of California Press. pp. 55-79.

LATOUR, B. 2016. Faturas/fraturas: da noção de rede à noção de vínculo. In: SEGATA, J. &

RIFIOTIS, T. (orgs.) Políticas Etnográficas no Campo da Cibercultura. Brasília: ABA Publicações; Joinville: Editora Letradágua.

LEAL, M. C. et al. 2014. Intervenções obstétricas durante o trabalho de parto e parto emmulheres brasileiras de risco habitual. In: Cadernos de Saúde Pública, 30 (1) (Disponível em http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0102311X2014001300005&lng=pt&nrm=iso&tlng=pt#B1. Acesso em 03 out. 2017).

LEFORT, C. 1978. As Formas da História: ensaios de antropologia política. São Paulo: Brasiliense.

LÉVI-STRAUSS, C. (1958) 1970. A Análise Estrutural em Linguística e em Antropologia. In: Antropologia Estrutural. 2.ª edição. Rio de Janeiro: Tempo Brasileiro. pp. 47-71.

LOUREIRO, F. 2017. Sobre “a porta que abre por dentro”: análise cultural do processo de formação de doulas para a assistência ao parto no Brasil. Dissertação de Mestrado, Rio de Janeiro: Universidade do Estado do Rio de Janeiro.

MARTIN, E. 2006. A mulher no corpo. Uma análise cultural da reprodução. Rio de Janeiro: Garamond.

MATTINGLY, Cheryl. 2014. Moral Laboratories. Family peril and the struggle for a good life. Oakland: University of California Press.

PIMENTEL, C. et al. 2014. Autonomia, Risco e Sexualidade. A humanização do parto como possibilidade de redefinições descoloniais acerca da noção de sujeito. REALIS, 4 (1): 166-185.

PORTELLA, M. O. 2017. Ciência e costume na assistência ao parto. Tese de Doutorado, Recife: Universidade Federal de Pernambuco.

PULHEZ, M. M. 2015. Mulheres Mamíferas: práticas da maternidade ativa. Dissertação de Mestrado, Campinas: Universidade Estadual de Campinas.

RODRIGUES, L. O. 2015. Parir é libertário. Etnografia de um grupo de apoio ao parto humanizado de Recife/PE. Tese de Doutorado, Recife: Universidade Federal de Pernambuco.

SALEM, T. 2007. O Casal Grávido. Disposições e dilemas da parceria igualitária. Rio de Janeiro: FGV Editora.

SENA, L. M. 2016. “Ameaçada e sem voz, como num campo de concentração”. A medicalização do parto como porta e palco para a violência obstétrica. Tese de Doutorado, Florianópolis: Universidade Federal de Santa Catarina.

SOUZA, H. R. 2005. A arte de nascer em casa: um olhar antropológico sobre a ética, a estética e a sociabilidade no parto domiciliar contemporâneo. Dissertação de Mestrado, Florianópolis: Universidade Federal de Santa Catarina.

STRAUS, S. & McALISTER, F. 2000. Evidence-based medicine: a commentary on common criticisms. CMAJ/JAMC, 163 (7): 837-841.

TEMPESTA, G. A. No prelo. Contestações ritmadas. Notas sobre o simbolismo do útero presente em relatos de parto.

______. 2017. Sobre laboratórios e jardins. Resenha de Moral Laboratories. Family peril and the struggle for a good life. Revista de Antropologia (São Paulo, Online), 60 (2): 647-652.

TORNQUIST, C. S. 2004. Parto e Poder. O movimento pela humanização do parto no Brasil. Tese de Doutorado, Florianópolis: Universidade Federal de Santa Catarina.

______. 2002. Armadilhas da nova era: natureza e maternidade no ideário da humanização do parto. Revista Estudos Feministas, 10 (2): 483-492.

Publicado
2018-07-12
Como Citar
Tempesta, G. (2018). Trabalhando pelos bons vinculamentos. Anuário Antropológico, 43(1), 37. https://doi.org/10.26512/anuarioantropologico.v43i1.2018/9227