Brazilian foreign policy as public policy: elements for analysis and debate

Keywords: Foreign Policy Analysis. Brazilian Foreign Policy. Public Policy. Democracy

Abstract

The article aims to deepen the discussion about the analysis of Brazilian foreign policy as a public policy. Without denying certain particularities of foreign policy, one can verify growing similarities between both areas since the inauguration of the Brazilian democratic regime in 1988. This new moment seems to be characterized by a progressive erosion of the proverbial "insulation" of Itamaraty as well as by an approximation of foreign policy to the interests of the Brazilian society.

Author Biographies

Guilherme Ferreira Sorgine, Universidade de Brasília

Instituto de Relações Internacionais, Brasília – Brazil


Maria Helena de Castro Santos, Universidade de Brasília

 Instituto de Relações Internacionais, Brasília – Brazil.

References

Alden, Chris; Aran, Amnon. Foreign Policy Analysis: a New Approach. NY: Routledge – Taylor & Francis Group, 2012.

Alexandre, Cristina Vieira Machado. O Congresso Brasileiro e a Política Externa (1985-2005). Dissertação de Mestrado. Programa de Pós-Graduação em Relações Internacionais. Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro, 2006.

Allison, Graham. “Conceptual Models and the Cuban Missile Crisis”. American Political Science Review, 63 (1969): 689-718.

Almeida, Paulo Roberto de. “Uma política externa engajada: a diplomacia do governo Lula”. Revista Brasileira de Política Internacional, v.47, n.1 (2004): 162-184.

Belém Lopes, Dawisson Elvécio. “A política externa brasileira e a ‘circunstância democrática’: do silêncio respeitoso à politização ruidosa”. Revista brasileira de Política Internacional, v. 54, n. 1 (2011): 67-86.

____. “Da razão de estado ao republicanismo mitigado: uma narrativa Faoriana sobre a produção da Política Externa Brasileira”. Dados, v. 57, n. 2 (2014): 481-516.

Bijos, Leila; Arruda, Verônica. “A diplomacia cultural como instrumento de política externa brasileira”. Diálogos, [S.L], v. 13, n. 1 (2010): 33-53.

Buere, Julio Cesar. “Regime Militar no Brasil: os Grupos de Interesses e a Formulação da Política Externa”. Conjuntura Austral, v. 5, n. 26 (2014): 26-44.

Cason, Jeffrey; Power, Timothy. “Presidentialization, pluralization, and the rollback of Itamaraty: Explaining change in Brazilian foreign policy making from Cardoso to Lula”. International Political Science Review, 30, n.2 (2009): 117-140.

Cervo, Amado Luiz. Inserção Internacional: formação dos conceitos brasileiros. São Paulo: Editora Saraiva, 2008.

Cervo, Amado Luiz.; Bueno, Clodoaldo. História da Política Exterior do Brasil. Brasíla: UnB, 2002.

Cheibub, Zairo. “Diplomacia e Construção Institucional: O Itamaraty em Perspectiva Histórica”. Dados, vol. 28, no1 (1985): 113-131.

Cohen, Michael; March, James; Olsen, Johan. “A Garbage Can Model of Organizational Choice”. Administrative Science Quarterly, 17 (1972): 1-25.

Couto, Estevão Ferreira. “Judicialização da política externa e direitos humanos”. Revista Brasileira de Política Internacional, v.46, n.1 (2004): 140-161.

Diniz, Simone.; Ribeiro, Cláudio. “The role of Brazilian Congress in Foreign Policy. An empirical contribution to the debate”. Brazilian Political Science Review, vol. 2, n° 2 (2008): 10-29.

Duarte, Rubens; Lima, Maria Regina Soares de. “Politicizing financial foreign policy: an analysis of Brazilian foreign policy formulation for the financial sector (2003- 2015)”. Revista Brasileira de Política Internacional, vol.60, n.1 (2017): pp.35-50.

Faria, Carlos Aurélio; Lopes, Dawisson Belém; Casarões, Guilherme. “Itamaraty on the Move: Institutional and Political Change in Brazilian Foreign Service under Lula da Silva’s Presidency (2003–2010)”. Bulletin of Latin American Research, Vol. 32, No. 4 (2013): 468–482.

Farias, Rogério de Souza; Ramanzini Júnior, Haroldo. “Reviewing horizontalization: the challenge of analysis in Brazilian foreign policy”. Revista Brasileira de Política Internacional, vol. 58, n.2 (2015): 5-22.

Figueira, Ariane Cristine Roder. “Política Externa: Política de Estado ou Política de Governo?”. Mundorama – Revista de Divulgação Científica em Relações Internacionais, 2010. http://www.mundorama.net/p=23942>. Acessado em 24/10/2017.

Fonseca Jr., Gelson. A Legitimidade e outras Questões Internacionais: Poder e Ética entre as Nações. São Paulo: Paz e Terra, 1998.

França, Cássio L. de; Sanchez Badin, Michelle Ratton. “A inserção internacional do Poder Executivo nacional brasileiro”. Análises e Propostas, Friedrich Ebert Stiftung, 2010.

Herz, Mônica. “O Crescimento da área de relações internacionais no Brasil”. Contexto Internacional, v. 24, n. 1 (2002): 7-40.

Hill, Christopher. The Changing Politics of Foreign Policy. Basingstroke: Palgrave, 2002.

Hirst, Monica. “Relações Internacionais no Brasil como Área de Pesquisa”, in Temas e Problemas da Pesquisa em Ciências Sociais (Série Seminários e Debates), editado por Miceli, Sergio. São Paulo: IDESP, 1992.

Jakobsen, Kjeld Aagaard. Análise de Política Externa Brasileira: continuidade, mudanças e rupturas no Governo Lula. Tese de doutorado. Programa de Pós-Graduação em Relações Internacionais. Instituto de Relações Internacionais da Universidade de São Paulo, 2016.

Jones, Brian. “Bounded Rationality and Political Science: Lessons from Public Administration and Public Policy”. Journal of Public Administration Research and Theory, vol. 13, n.4 (2003): 395-412.

Jones, Bryan; Baumgartner, Frank. “From There to Here: Punctuated Equilibrium to the General Punctuation Thesis to a Theory of Government Information Processing”. Policy Studies Journal, 40, no 1 (2012): 1-20.

Kingdon, John. Agendas, Alternatives ad Public Policies. Boston: Longman, 2011.

Kuhn, Thomas. A Estrutura das Revoluções Científicas. São Paulo: Perspectiva, 2011.

Lafer, Celso. A identidade internacional do Brasil e a política externa brasileira: passado, presente e futuro. São Paulo: Perspectiva, 2001.

Lasswell, Harold. Politics: Who Gets What, When, How. Cleveland, EUA: Meridian Books, 1936.

Lentner, Howard. “Public policy and foreign policy: divergences, intersections, exchange”. Review of Policy Research, vol. 23, n° 1 (2006): 169-181.

Lessa, Antônio Carlos. “Instituições, atores e dinâmicas do ensino e da pesquisa em Relações Internacionais no Brasil: o diálogo entre a história, a ciência política e os novos paradigmas de interpretação (dos anos 90 aos nossos dias)”. Revista Brasileira de Política Internacional, no48, vol.2 (2005): 169-184.

Lima, Maria Regina Soares. “A Política Externa Brasileira e os Desafios da Cooperação Sul-Sul”. Revista Brasileira de Política Internacional, no 48, Vol. 1 (2005): 24-59.

____. Instituições Democráticas e Política Exterior. Contexto Internacional, v.22, no 2 (2000): 265-303.

____; Santos, Fabiano. “O Congresso e a Política de Comércio Exterior”. Lua Nova, n.52 (2001): 121-149.

Lindblom, Charles. “The Science of ́muddling through ́”. Public Administration Review, v. 19 (1959): 79-88.

____. O processo de decisão política. Brasília: UnB, 1980.

Mello, Eduardo. “Bens públicos, grupos de interesse e política externa”. Desafios da Política Externa Brasileira. Rio de Janeiro: CEBRI, 2017.

Milani, Carlos. “Política Externa é Política Pública”. Insight Inteligência, v. XVIII (2015): 56-75.

____; Pinheiro, Letícia. “Política Externa Brasileira: Os Desafios de sua Caracterização como Política Pública”. Contexto Internacional, Vol. 35, n.1 (2013): 11-41.

Moravcsik, Andrew. “The New Liberalism”, in The Oxford Handbook of International Relations, editado por Snidal, Duncan; Reus-Smit, Christian, 234-254. Oxford: Oxford University Press, 2008.

Nelson, Barbara. “Public Policy and Administration: an Overview”. In A New Handbook of Political Science, editado por Goodin, R.; Hans-Dieter, K., 551-593. New York: Oxford University Press, 1996.

Pinheiro, Leticia; Beshara, Gregory. “Política externa e educação: confluências e perspectivas no marco da integração regional”. In Política externa brasileira: as práticas da política e a política das práticas, editado por Pinheiro, Letícia; Milani, Carlos, 149-180. Rio de Janeiro: FGV, 2012.

Putnam, Robert. “Diplomacy and Domestic politics: the logical of two-level games”. International Organization. vol. 42, n. 3 (1998): 427-460.

Ratton Sanchez, Michelle; Silva, Elaini; Cardoso, Evorah; Specie, Priscila. “Política externa como política pública: uma análise pela regulamentação constitucional brasileira (1967-1988)”. Revista de Sociologia Política, n.27 (2006): 125-143.

Rosenau, James N. The Scientific Study of Foreign Policy. New York: Nichols Publishing Company, 1980.

Sabatier, Paul; Mclaughlin, Susan. “Belief congruence of governmental and interest group elites with their constituencie”. American Politics Quarterly, v.16, n.1 (1988): 61–98.

Salomon, Mónica; Pinheiro, Letícia. “Análise de Política Externa e Política Externa Brasileira: trajetória, desafios e possibilidades de um campo de estudos”. Revista Brasileira de Política Internacional, v. 56, n. 1 (2013): 40-59.

Santoro, Maurício. “Democracia e Política Externa no Brasil”. Revista Estudos Políticos, n° 4, v. 01 (2012): 95-105.

Santos, Norma Breda. “História das Relações Internacionais no Brasil: esboço de uma avaliação sobre a área”. Revista História, 24, 1 (2005): 11-89.

Schelling, Thomas. Choice and Consequence. Cambridge, MA: Harvard University Press, 1984.

Simon, Herbert. A. Models of bounded rationality. Cambridge, MA: MIT Press, 1982.

Snyder, Richard; Bruck, Henry; Sapin, Burton. Foreign Policy Decision Making: An Approach to the Study of International Politics. New York: The Free Press, 1962.

Souza, Celina. “Políticas Públicas: uma revisão da literatura”. Sociologias, ano 8, no 16 (2006): 20-45.

Spektor, Matias. “Análise estratégica para as relações internacionais do Brasil”. Desafios da Política Externa Brasileira. Rio de Janeiro: CEBRI, 2017.

Waltz, Kenneth. Teoria das Relações Internacionais. Lisboa: Editora Gradiva, 2002.

____. O Homem, o Estado e a Guerra: uma análise teórica. São Paulo: Martins Fontes, 2004.

Published
2018-04-25
How to Cite
Sorgine, Guilherme, and Maria Santos. 2018. “Brazilian Foreign Policy As Public Policy: Elements for Analysis and Debate”. Meridiano 47 - Journal of Global Studies 19 (April). http://periodicos.unb.br/ojs311/index.php/MED/article/view/8154.
Section
Articles