CiberRI ou introdução aos estudos sistemáticos sobre o ciberespaço no tripé ensino-pesquisa-extensão de Relações Internacionais

Keywords: CyberIR; Cyberspace; International Relations.

Abstract

This article aims to define the limits and potentialities of studies on cyberspace in International Relations teaching, research, and extension. Therefore, curricular adaptations are suggested, both in the undergraduate and graduate levels of this scientific field, in the light of what is called Cyber International Relations (CyberIR).

Downloads

Download data is not yet available.

Author Biography

Marcelo de Almeida Medeiros, Universidade Federal de Pernambuco



References

ABERYSTWYTH UNIVERSITY. “New Masters in International Politics of the Internet.” [201-]. Disponível em: <https://www.aber.ac.uk/en/interpol/research/research-centres-and-institutes/ccrc/news/>. Acesso em: 7 mar. 2017.

ACACIO, Igor D. P. LOPES, Gills. “Segurança internacional no século XXI: o que as teorias de Relações Internacionais têm a falar sobre o ciberespaço.” In 36o Encontro Anual da ANPOCS, Águas de Lindóia, 2012. Disponível em: <http://www.anpocs.org/portal/index.php?option=com_docman&task=doc_details&gid=8169&Itemid=76>. Acesso em 12 de Março de 2017.

BRASIL. Constituição (1988). In: Constituição da República Federativa do Brasil, organizado por Marcos A. O. Fernandes. 22. ed. São Paulo: Rideel, 2016.

____. Ministério da Educação. Comunicado no 003/2012 – Área – Ciência Política e Relações Internacionais: considerações sobre multidisciplinaridade e interdisciplinaridade na Área. Brasília: CAPES, 2012. Disponível em: <http://www.capes.gov.br/images/stories/download/avaliacao/Interdisciplinaridade_Ciencia_Politica.pdf>. Acesso em 16 de Maio de 2017.

____. Universidade Federal do Vale do São Francisco. Anexo da Res. no 08/2004, de 16 de novembro de 2004. Juazeiro: UNIVASF, 2004. Disponível em: <http://www.univasf.edu.br/acessoainformacao/ arquivos/normas_gerais.pdf>. Acesso em: 9 de Março de 2017.

BRUYNE, Paul de. HERMAN, Jacques. DE SCHOUTHEETE, Marc de Schoutheete. Dinâmica da pesquisa em ciências sociais: os polos da prática metodológica. 5. ed. Rio de Janeiro: Francisco Alves, 1991.

BUZAN, Barry. WAEVER, Ole. Regions and powers: the structure of international security. Cambridge: Cambridge University Press, 2003.

CASTRO, Nuno Emanuel Teixeira. The walking virtually dead: entre uma algoritmocracia jus constituendum e um homem virtual transparente, existe espaço para o direito a uma identidade

informacional?. 2016. 136 f. Dissertação (Mestrado em Segurança da Informação e Direito do Ciberespaço) – Universidade de Lisboa; Instituto Superior Técnico, Lisboa, 2016.

COHN, Gabriel. “Apresentação: o sentido da ciência.”. In: Max Weber, A ‘objetividade’ do conhecimento nas Ciências Sociais. São Paulo: Ática, 2006. p. 7-12.

DALLARI, Dalmo de A. Elementos de Teoria Geral do Estado. 2. ed. São Paulo: Saraiva, 1998.

ERIKSSON, Johan. GIACOMELLO, Giampiero. “The information revolution, security, and International Relations: (IR) relevant Theory?”. International Political Science Review. v. 27, n. 3, p. 221-44, 2006. Disponível em: <https://doi.org/10.1177/0192512106064462>. Acesso em 22 de Fevereiro de 2017.

ETHZ – Eidgenössische Technische Hochschule Zürich. “Technology Governance and International Security,” 2016. Disponível em: <http://www.vvz.ethz.ch/Vorlesungsverzeichnis/lerneinheitPre.do semkez=2016W〈=en&ansicht=ALLE&lerneinheitId=110188>. Acesso em 13 de Março de 2017.

EUROPEAN CENTER FOR SECURITY STUDIES. “Program on Cyber Security Studies (PCSS),”[2016]. Disponível em: <http://www.marshallcenter.org/mcpublicweb/en/nav-main-wwd-res-courses-pcss-en.html>. Acesso em 14 de Março de 2017.

FRAGOSO FILHO, Carlos. Universidade e sociedade. Campina Grande: Edições GRAFSET, 1984.

FREITAS, Henrique et al. Pesquisa via Web: reinventando o papel e a ideia de pesquisa. Canoas: Sphinx, 2006.

GASTALDI, Sol. JUSTRIBO, Candela. “As estratégias de Segurança e Defesa Cibernéticas na Argentina.” In: OLIVEIRA, Marcos A. Guedes de. NETO, Ricardo B. Gama. Relações Internacionais Cibernéticas (CiberRI): oportunidades e desafios para os Estudos Estratégicos e de Segurança Internacional. Recife: Editora UFPE, 2016.

GIL, Antonio Carlos. Métodos e técnicas de pesquisa social. 5. ed. 3. tir. São Paulo: Atlas, 1999.

HANSEN, Lene. NISSENBAUM, Helen. “Digital disaster, cyber security and the Copenhagen School.” International Studies Quarterly, v. 53, p. 1555-75. 2009.

KING’S COLLEGE LONDON. “Department of Digital Humanities,” 2016. Disponível em: <http://www.kcl.ac.uk/artshums/depts/ddh>. Acesso em 2 de Março de 2017.

LIPSON, Leslie. Os grandes problemas da Ciência Política. Rio de Janeiro: Zahar, 1967.

LOPES, Gills. MEDEIROS Marcelo de A.. “Da cibersegurança à ciberdefesaamericana: a Diplomacia da Internet como instrumento de proteção e de integração dos Estados da OEA.” ENABRI Proceedings online, v. 2, n. 3, p. 1-15. 2011. Disponível em: <http://www.proceedings.scielo.br/pdf/enabri/n3v2/a17.pdf>. Acesso em 14 de Fevereiro de 2017.

LUCERO, Everton. Governança da Internet: aspectos da formação de um regime global. Brasília: FUNAG, 2011.

MIT – Massachusetts Institute of Technology; Universidade Harvard. About ECIR. 2013a. Disponível em: <http://ecir.mit.edu/index.php/home/working-papers>. Acesso em 14 de Março de 2017.

____. List of ECIR publications. 2013b [última atualização: 1 dez. 2013]. Disponível em: <http://ecir.mit.edu/images/stories/Images/Conference2014/Folder/ECIR%20PUBLICATIONS%2012_30_2013%20NC.pdf>. Acesso em: 15 mar. 2017.

NATIONAL DEFENSE UNIVERSITY. “Cyber PolicyDevelopment (Cyber),” Washington D.C. 2016. Disponível em: <http://chds.dodlive.mil/programs/courses/cyber-policy-development-cyber/>. Acesso em 20 de Fevereiro de 2017.

OLIVEIRA, Ahmina R. S. LEITE, Alexandre C. C.. “A condição da China como potência cibernética.”. In: OLIVEIRA, Marcos A. Guedes de. NETO, Ricardo B. Gama. LOPES, Gills Vilar. Relações Internacionais Cibernéticas (CiberRI): oportunidades e desafios para os Estudos Estratégicos e de Segurança Internacional. Recife: Editora UFPE, 2016.

OXFORD UNIVERSITY. “Oxford Internet Institute,” [2016]. Disponível em: <http://www.oii.ox.ac.uk>. Acesso em 3 de Março de 2017.

PORTELA, Lucas S. “Agenda de pesquisa sobre o espaço cibernético nas Relações Internacionais.” Revista Brasileira de Estudos de Defesa, v. 3, n. 1, p. 91-113. 2016. Disponível em: <http://seer.ufrgs.br/index.php/rbed/article/view/62071>. Acesso em 4 de Março de 2017.

REARDON, Robert. CHOUCRI, Nazli. “The role of cyberspace in International Relations: a view of the literature.” ISA Annual Convention, 2012. Disponível em: <http://ecir.mit.edu/images/stories/Reardon%20and%20Choucri_ISA_2012.pdf>. Acesso em 3 de Fevereiro de 2017.

RESENDE, Paulo-Edgar A. “As ciências sociais na ótica das relações internacionais.”. In: BERNARDO, Teresinha. RESENDE, Paulo-Edgard A. Ciências sociais na atualidade: movimentos. São Paulo: Paulus, 2005.

SARFATI, Gilberto. Teorias de relações internacionais. 4. tir. São Paulo: Saraiva, 2011.

THELWALL, Michael. Introduction to Webometrics: quantitative web research for the Social Sciences. San Rafael, CA: Morgan & Claypool Publishers, 2009.

UNIVERSIDAD DE GRANADA. “Máster Online enEstudios Estratégicos y Seguridad Internacional,” 2015. Disponível em: <http://www.estudiosestrategicos.es/?q=content/programa acad%3C%A9mico>. Acesso em 26 de Fevereiro de 2017.

UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS. O Plano Nacional de Extensão Universitária. Belo Horizonte: FORPROEX, [200-]. (Extensão Universitária, 1). Disponível em: <https://www.ufmg.br/proex/renex/documentos/Colecao-Extensao-Universitaria/01-Plano-Nacional-Extensao/Plano-nacional-de-extensao-universitaria-editado.pdf>. Acesso em 14 de Março de 2017.

VALENTE, Leonardo. Política externa na era da informação: o novo jogo do poder, as novas diplomacias e a mídia como instrumentos de Estado nas relações internacionais. Rio de Janeiro: Revan; UFF, 2007.

VANTI, Nadia A. P. “Os links e os estudos webométricos.” Ciência da Informação, v. 34, n. 1, p. 78-88, 2005.

____. “Da bibliometria à webometria: uma exploração conceitual dos mecanismos utilizados para medir o registro da informação e a difusão do conhecimento.” Ciência da Informação, v. 31, n. 2, p. 152-162. 2002.

LOPES, Gills Vilar. Relações Internacionais Cibernéticas (CiberRI): uma defesa acadêmica à luz dos Estudos de Segurança Internacional. Tese (Doutorado em Ciência Política) – Universidade Federal de Pernambuco, Recife, 2016.

WALLERSTEIN, Immanuel et al. Para abrir as ciências sociais. São Paulo: Cortez, 1996.

WILEY, D. A. “Connecting learning objects to instructional design theory: a definition, a metaphor, and a taxonomy.” In The instructional use of learning objects: online version, editado por D. A. Wiley. Logan, UT: [s.n.], 2000. Disponível em: <http://www.reusability.org/read/chapters/wiley.doc>. Acesso em 14 de Março de 2017.

Published
2018-04-25
How to Cite
Lopes, Gills, and Marcelo Medeiros. 2018. “CiberRI Ou Introdução Aos Estudos Sistemáticos Sobre O Ciberespaço No Tripé Ensino-Pesquisa-Extensão De Relações Internacionais”. Meridiano 47 - Journal of Global Studies 19 (April). http://periodicos.unb.br/ojs311/index.php/MED/article/view/8144.
Section
Articles