Academy versus Reality

Stagnation or Strentghening?

Keywords: Teaching, International Relations, International Politics

Abstract

The area of International Relations in Brazil has undergoing several transformations in the last forty years, presenting phases of enlargement and growth, as well as with significant challenges in the teaching and research field. The goal of this article is to analyze which are the advancements and setbacks of the area, by comparing the practical and the academic reality, evaluating existing trends of stagnation and strengthening.

Downloads

Download data is not yet available.

Author Biography

Cristina Soreanu Pecequilo, Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP)

Escola Paulista de Política, Economia e Negócios, Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP), Osasco - SP, Brazil

References

AMORIM, Celso. Teerã, Ramalá e Doha – memórias da política externa ativa e altiva. Rio de Janeiro: Benvirá. 2015.

CERVO, Amado Luiz. Inserção Internacional – formação dos conceitos brasileiros. São Paulo: Saraiva. 2008.

CRUZ, Sebastião Velasco e MENDONÇA, Filipe. “O Campo das Relações Internacionais no Brasil. Situação, Desafios, Possibilidades”. In: MARTINS, Carlos Benedito e LESSA, Renato (org.) Horizontes das ciências sociais no Brasil: ciência política. São Paulo, ANPOCS, 2010.

HIRST, Monica and Maria Regina Soares de LIMA. “Rethinking global and domestic challenges in Brazilian foreign policy” in, DOMINGUEZ, Jorge I. and COVARRUBIAS, Ana. Routledge Handbook of Latin America in the world. London: Routledge. 2015.

LEI DO ESTÁGIO. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2007-2010/2008/lei/

l11788.htm>. Acesso em 01 de Março de 2017.

LESSA, Antonio Carlos. “O ensino de Relações Internacionais no Brasil” In SARAIVA, José Flavio Sombra e CERVO, Amado Luiz. O crescimento das Relações Internacionais no Brasil. Brasília: Instituto Brasileiro de Relações Internacionais, p. 33-50. 2005.

MEDEIROS, Marcelo de Almeida, BARNABE, Israel, ALBUQUERQUE, Rodrigo e LIMA, Rafael. What does the field of International Relations look like in South America?. Revista Brasileira de Política Internacional, 59(1): e004, 2016.

MIYAMOTO, Shiguenoli. “O estudo das relações internacionais no Brasil: o estado da arte”. Revista de Sociologia e Política, v. 12, Junho, p. 83-98. 1999.

MIYAMOTO, Shiguenoli. “O ensino das relações internacionais no Brasil: problemas e perspectivas”. Revista de Sociologia e Política, v. 20, Junho, p. 103-114. 2003.

MOREIRA, Assis. “Brasil terá um 1,2 milhão de desempregados a mais em 2017, prevê OIT”. Disponível em: <http://www.valor.com.br/brasil/4834848/brasil-tera-12-milhao-de-desempregados-mais-em-2017-preve-oit>. Acesso em 15 de Fevereiro de 2017.

“Padrões de Qualidade para os cursos de Relações Internacionais”. Disponível em: <http://portal.

mec.gov.br/sesu/arquivos/pdf/padreli.pdf>. Acesso em 10 de Março 2017.

PECEQUILO, Cristina Soreanu. “As Relações Internacionais e a UNIFESP: A construção de uma identidade múltipla”. Trabalho submetido e apresentado no 4o Encontro Nacional da Associação Brasileira de Relações Internacionais – ABRI. Disponível em: . Acesso em: 01 de Fevereiro de 2017.

PECEQUILO, Cristina Soreanu. Teoria das Relações Internacionais – o mapa do caminho: estudo e prática. Rio de Janeiro: Ed. Altabooks, 2016.

PORTARIA INEP no 242, de 10 de junho de 2015 Publicada no Diário Oficial de 12 de junho de 2015, Seção 1, pág. 26-27 Disponível em: <http://download.inep.gov.br/educacao_superior/enade/legislacao/2015/relacoes_internacionais_portaria_inepn242_10062015.pdf>. Acesso em 01 de Março de 2017.

SANTOS, Norma Breda dos e FONSECA, Fúlvio Eduardo. “A pós-graduação em Relações Internacionais”.

Contexto Internacional, v. 31, Maio/Agosto. p. 353-380. 2009.

SARAIVA, José Flávio Sombra e CERVO, Amado Luiz. O crescimento das Relações Internacionais no Brasil. Brasília: Instituto Brasileiro de Relações Internacionais, 2005.

“Texto referência para a audiência pública sobre as Diretrizes Curriculares Nacionais para o curso de graduação em Relações Internacionais”. Disponível em: <http://portal.mec.gov.br/index.phpoption=com_docman&view=download&alias=60461-texto-referencia-diretrizes-curriculares-relacoes-internacionais-pdf&category_slug=fevereiro-2017-pdf&Itemid=30192>. Acesso em 10 de Março de 2017.

VIGEVANI, Tullo, THOMAZ, Laís Forti, LEITE, Lucas Amaral Batista. “Pós-graduação em relações

internacionais no Brasil – anotações sobre sua institucionalização”. Revista Brasileira de Ciências

Sociais, v. 31, Junho 2016.

VISENTINI, Paulo Fagundes. A projeção internacional do Brasil (1930-2012). Rio de Janeiro: Ed. Elsevier. 2013.

VIZENTINI, Paulo Fagundes. “A evolução da produção intelectual e dos estudos acadêmicos de relações internacionais no Brasil”. In: SARAIVA, José Flávio Sombra e CERVO, Amado Luiz. O crescimento das Relações Internacionais no Brasil. Brasília: Instituto Brasileiro de Relações Internacionais, 2005. p. 17-31.

How to Cite
Pecequilo, Cristina. 1. “Academy Versus Reality”. Meridiano 47 - Journal of Global Studies 18 (1). https://doi.org/10.20889/M47e18007.
Section
Dossier