NOÇÕES FUNDAMENTAIS PARA SE PENSAR A POÉTICA DO TRADUZIR DE MESCHONNIC

##plugins.themes.bootstrap3.article.main##

Alice Maria Araújo Ferreira

Resumo

Neste artigo buscamos refletir sobre algumas noções fundamentais para se pensar a Poética do traduzir (1999) de Henri Meschonnic. Noções como linguagem, língua, texto, discurso, enunciação, alicerçam as reflexões poéticas e literárias para se pensar a tradução como processo histórico e atividade do sujeito. Assim, na sua poética do traduzir, noções importantes tais como ritmo, oralidade, significância, subjetivação aparecem para compreender o ato da tradução como lugar de uma teoria de conjunto da linguagem, da literatura e da sociedade, em outras palavras, pensar o traduzir marcado historicamente, subjetivamente e socialmente. Essas reflexões permitem perceber a história do traduziralinhada à história do pensamento sobre a linguagem.

Downloads

Não há dados estatísticos.

##plugins.themes.bootstrap3.article.details##

Seção
Artigos

Referências

BENVENISTE, Émile. Problèmes de linguistique générale. Paris: Gallimard, 1994 [1974]. 2 tomos.
BORDAS, E. Le rythme de la prose. Semen: rythme de la prose, nº 16, 2003 [online]. 1º maio 2007. Disponível em: . Acesso em: 17 nov. 2008.
DESSONS, Gérard; MESCHONNIC, Henri. Traité du rythme: des vers et des proses. Paris: Dunod, 1998.
FERREIRA, Alice Maria de Araújo. A linguagem, a subjetividade e a intersubjetividade. Temporis[ação]. v. 1, n. 8, Cidade de Goiás, UEG – Unidade Cora Coralina, 2006. p. 105-120.
MAINGUENEAU, Dominique; CHARADEAU, Patrick. Dicionário de análise de discurso. Trad. de Fabiana Komesu. São Paulo: Contexto, 2006.
MESCHONNIC, Henri. Critique du rythme: anthropologie historique du langage. Lagrasse: Verdier, 1982.
MESCHONNIC, Henri.Poétique du traduire. Paris: Verdier, 1999.