TRADUÇÃO, TROCAS LITERÁRIAS E (A)D(I)VERSIDADE EDITORIAL

##plugins.themes.bootstrap3.article.main##

Marta Pragana Dantas

Resumo

O artigo discute questões ligadas à tradução e ao fenômeno de concentração do mercado editorial, mais conhecido como "globalização editorial". Os fenômenos da intensificação da circulação internacional de bens culturais, de formação dos grandes conglomerados editoriais, assim como o predomínio do inglês como "língua da globalização" inscrevem-se dentro da problemática da diversidade cultural e do pluralismo linguístico. A tradução é aqui entendida como uma troca desigual e assimétrica entre culturas, podendo constituir-se, entre outros dispositivos, numa operação de consagração ou de acumulação de capital literário. A reflexão se articula em torno de noções tais como campo literário mundial, capital linguístico-literário, tradução-consagração e tradução-acumulação de capital literário (Pascale Casanova ∕ Pierre Bourdieu). 

Downloads

Não há dados estatísticos.

##plugins.themes.bootstrap3.article.details##

Seção
Artigos

Referências

BOURDIEU, Pierre. Les conditions sociales de la circulation internationale des idées. Actes de la recherche en sciences sociales. n. 144, Paris, dez. 2002, p. 3-8.
CASANOVA, Pascale. La république mondiale des lettres. Paris: Seuil, 1999.
CASANOVA, Pascale. Consécration et accumulation de capital littéraire : la traduction comme échange inégal. Actes de la recherche en sciences sociales. n. 144, Paris, set. 2002, p. 7-20.
CASANOVA, Pascale. Le seul combat aujourd’hui est celui pour l’autonomie de la littérature. Entrevista concedida em 30.12.2002 à revista virtual Combats magazine: périodique multilangue. Littérature. Politique. Culture. Disponível em: < http://www.combats-magazine.net>. Acesso em: 17 abr. 2007.
CASSEN, Bernard. Contra a ditadura do inglês. Trad. de Andréa Curiacos Bertolini. Le Monde Diplomatique – edição brasileira, fev. 2005. Disponível em:
, 2005. Acesso em: 15 abr. 2007.
CASSEN, Bernard. Dos confins ao centro da galáxia. Trad. de Andréa Curiacos Bertolini. Le Monde Diplomatique – edição brasileira, fev. 2005. Disponível em: , 2005a. Acesso em: 15 abr. 2007.
GANNE, Valérie. MINON, Marc. Géographies de la traduction. In: BARRET-DUCROCQ, F. (Org.). Traduire l’Europe. Paris: Payot, 1992. p. 55-95.
HEILBRON, Johan e SAPIRO, Gisèle. (2003). “La traduction littéraire : un objet sociologique”. Actes de la recherche en sciences sociales. n. 144, Paris, set. 2003, p. 3-5.
LEPAPE, Pierre. La dictature de la “world literature”. Le Monde Diplomatique, mar. 2004. Disponível em: . Acesso em: 15 abr. 2007.
LINDOSO, Felipe. O Brasil pode ser um país de leitores? Política para a cultura. Política para o livro. São Paulo: Summus Editorial, 2004.
ONANA, Charles (org.). L’édition menacée : le livre blanc de l’édition indépendante. Paris: Éditions Duboiris, 2005.
ORTIZ, Renato. Mundialização: saberes e crenças. São Paulo: Brasiliense, 2006.
SAPIRO, Gisèle. (2002). L’importation de la littérature hébraïque en France : entre communautarisme et universalisme. Actes de la recherche en sciences sociales. n. 144, Paris, set. 2002, p. 80-98.
SCHIFFRIN, André. O negócio dos livros: como as grandes corporações decidem o que você lê. Trad. de Alexandre Martins. São Paulo: Casa da Palavra, 2006.
SCHIFFRIN, André. O negócio dos livros e as grandes corporações. Entrevista concedida ao Jornal O Globo e publicada em 1º.12.2006 no blog do caderno Prosa e Verso. Disponível em: . Acesso em: 20 jul. 2007.
SORÁ, Gustavo. Um échange dénié: la traduction d’auteurs brésiliens em Argentine. Actes de la recherche en sciences sociales. n. 144, Paris, dez. 2002, p. 61-70.
WOLTON, Dominique. L’autre mondialisation. Paris: Flammarion, 2003.